Clique e assine por apenas 8,90/mês

Melhor Compra 2020: SUVs de R$ 80.000 a R$ 160.000

As indicações de QUATRO RODAS na categoria SUVs novos de R$ 80.000 a R$ 100.000 e de R$ 100.000 a 160.000

Por Redação - Atualizado em 24 ago 2020, 17h34 - Publicado em 24 ago 2020, 08h00

Todos os anos, QUATRO RODAS seleciona as melhores compras de cada segmento para você levar para casa o carro ideal. É o Melhor Compra.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

A seguir, os melhores SUVs de R$ 80.000 a R$ 100.000 do Brasil. Eles estão separados em categorias: de R$ 80.000 a R$ 100.000 e de R$ 100.000 a R$ 160.000. Consideramos custos de peças, seguro e revisões.

SUVs novos de R$ 80.000 a R$ 100.000

1- Volkswagen Nivus Highline 200 TSI – R$ 98.290 

O Nivus chegou para abalar as estruturas do segmento de SUVs compactos e leva o troféu do Melhor Compra com justiça. Não bastasse o desenho diferentão e “acupezado”, trouxe uma série de itens bacanas para dentro do segmento.

Esta versão topo de linha traz equipamentos de assistência ao motorista como controle de cruzeiro adaptativo, frenagem automática de emergência e frenagem automática pós-colisão.

Completam a lista de recursos seis airbags, retrovisor eletrocrômico, chave presencial, faróis de neblina com conversão estática ao esterçar o volante, câmera de ré, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros e a nova central multimídia VW Play, com tela de 10 polegadas e recursos inéditos no mercado, além do sempre bacana quadro de instrumentos eletrônico e também configurável.

SUV traz a nova central VW Play Fernando Pires/Quatro Rodas

Para reforçar o custo/benefício, tem valor de revisões baixo – beneficiado pela promoção da VW, com as três primeiras visitas grátis.

O Nivus herdou da base do Polo o bom comportamento dinâmico, a dirigibilidade exemplar e uma arquitetura bem acertada.

E se o espaço interno não é lá essas coisas, oferece um dos porta-malas mais generosos do segmento de SUVs pequenos, com capacidade de 415 litros, maior até que o do irmão mais caro T-Cross, um SUV tradicional, que foi vencedor desta categoria em 2019.

Bolsa de Valores

  • Desvalorização: –
  • Seguro: –
  • Rede: 540
  • Equipamentos: AR, DIR, VID, EST, AUT, ESP, MUL

Peças

  • Amortecedores dianteiros: R$ 732
  • Pastilhas de freio: 420
  • Kit de embreagem: –
  • Farol esquerdo: R$ 1.340
  • Para-choque dianteiro: R$ 905
  • Retrovisor esquerdo: R$ 1.415
  • Total: R$ 4.812

Revisões

  • 10.000 km: R$ 0,00
  • 20.000 km: R$ 0,00
  • 30.000 km: R$ 0,00
  • 40.000 km: R$ 1.007
  • 50.000 km: R$ 501
  • 60.000 km: R$ 573
  • Total: R$ 2.081

2- Novo Chevrolet Tracker Turbo AT – R$ 96.390

Christian Castanho/Quatro Rodas

Eis outro SUV novato que faz bonito no mercado e que ostenta virtudes que o credenciam à medalha de prata com sobras.

A começar pelo novo motor turbo 1.2, que contribui para esta nova geração do Tracker ser um dos SUVs compactos mais econômicos do mercado. Some a isso um custo de manutenção mais baixo que o do  modelo que o antecedeu.

Além disso, esta versão é uma das derivações da linha mais bem equipada. Entre os equipamentos de série traz seis airbags, ESP, assistente de partida em rampas, câmera de ré, central multimídia MyLink, Wi-Fi (pacote de internet pago à parte), chave presencial e start-stop do motor.

A bola fora fica por conta do preço das peças e do valor da apólice, bastante caro.

Bolsa de Valores

  • Desvalorização: –
  • Seguro: R$ 3.100
  • Rede: 540
  • Equipamentos: AR, DIR, VID, EST, AUT, ESP, MUL

Peças

  • Amortecedores dianteiros: R$ 849
  • Pastilhas de freio: R$ 668
  • Kit de embreagem: –
  • Farol esquerdo: R$ 4.485
  • Para-choque dianteiro: R$ 885
  • Retrovisor esquerdo: R$ 1.066
  • Total: R$ 7.953

Revisões

  • 10.000 km: R$ 300
  • 20.000 km: R$ 596
  • 30.000 km: R$ 496
  • 40.000 km: R$ 660
  • 50.000 km: R$ 476
  • 60.000 km: R$ 596
  • Total: R$ 3.124

3- Volkswagen T-Cross 200 TSI AT – R$ 96.590

O vencedor de 2019 acabou superado pelas novidades do segmento, que trazem um custo/benefício bem mais agressivo.

Mesmo assim, o T-Cross se segurou no olimpo dos vencedores com seu preço de revisões até os 60.000 km bastante competitivo – lembre-se da promoção da marca alemã – e sua cesta de peças, que não prega grandes sustos.

Só que basicamente pelo mesmo preço de seu companheiro de vitrine, o Nivus topo de linha, o T-Cross fica para trás no recheio.

Não tem os itens de condução semiautônoma, tampouco câmera de ré ou o quadro de instrumentos configurável. Tem porta-malas menor, mas, para compensar, oferece mais espaço no banco traseiro e tem maior vão livre do solo.

Continua após a publicidade

Bolsa de Valores

  • Desvalorização: -15,1%
  • Seguro: R$ 1.396
  • Rede: 540
  • Equipamentos: AR, DIR, VID, AUT, ESP, MUL

Peças

  • Amortecedores dianteiros: R$ 961
  • Pastilhas de freio: R$ 420
  • Kit de embreagem: –
  • Farol esquerdo: R$ 1.053
  • Para-choque dianteiro: R$ 1.090
  • Retrovisor esquerdo: R$ 605
  • Total: R$ 4.149

Revisões

  • 10.000 km: R$ 0,00
  • 20.000 km: R$ 0,00
  • 30.000 km: R$ 0,00
  • 40.000 km: R$ 1.007
  • 50.000 km: R$ 501
  • 60.000 km: R$ 573
  • Total: R$ 2.081

SUVs novos de R$ 100.000 a R$ 160.000

1- Chevrolet Equinox Midnight – R$ 139.490

Divulgação/Chevrolet

O mais sombrio dos Equinox é uma luz para quem não se contenta com o visual sóbrio da versão LT. A supressão de frisos e cromados é acompanhada pelas rodas de 19 polegadas da versão Premier pintadas de preto, visual bem agressivo para um veículo familiar.

Ele é impulsionado pelo motor 1.5 Ecotec com turbo e injeção direta (só de gasolina) que manda 172 cv a 5.600 rpm e 27,8 kgfm de torque a 2.500 rpm às rodas dianteiras por um câmbio automático de seis marchas.

Vai de 0 a 100 km/h em 9,2 segundos, vivacidade realçada pela direção rápida e acerto firme das suspensões (dianteira McPherson e traseira Multilink). Anda menos que a versão com motor 2.0 e 262 cv, mas por ser cerca de 120 kg mais leve acaba compensando essa desvantagem com um consumo menor: 11,7 km/l na estrada e 9,5 km/l na cidade.

Versão Midnight abre mão do painel bicolor Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

Bem equipado, traz faróis de xenônio, controles de estabilidade e tração, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, sistema Isofix, airbags dianteiros, laterais e de cortina, assistente de partida em rampas, câmera de ré, ar-condicionado bizona, banco do motorista com ajustes elétricos, chave presencial, central multimídia de 8 polegadas integrada com Android Auto e Apple CarPlay.

E, além desse conjunto de virtudes, ele fatura o primeiro lugar por ter o menor custo de revisões até os 60.000 km e um pacote de peças dentro da média do segmento.

Bolsa de Valores

  • Desvalorização: -17%
  • Seguro: –
  • Rede: 540
  • Equipamentos: AR, DIR, VID, EST, AUT, ESP, MUL

Peças

  • Amortecedores dianteiros: R$ 1.987
  • Pastilhas de freio: R$ 906
  • Kit de embreagem: –
  • Farol esquerdo: R$ 4.335
  • Para-choque dianteiro: R$ 2.342
  • Retrovisor esquerdo: R$ 2.616
  • Total: R$ 12.186

Revisões

  • 10.000 km: R$ 316
  • 20.000 km: R$ 656
  • 30.000 km: R$ 492
  • 40.000 km: R$ 876
  • 50.000 km: R$ 468
  • 60.000 km: R$ 656
  • Total: R$ 3.464

2- Jeep Compass Longitude 2.0 flex AT6 – R$ 134.990

Acervo/Quatro Rodas

A versão de entrada do vice-líder do segmento é ligeiramente mais barata que o Equinox mas não é tão eficiente: seu motor 2.0 Tigershark flex de alumínio tem duplo comando de válvulas variável, mas a ausência do turbo o estanca nos 159/166 cv e 19,9/20,5 kgfm (gasolina/etanol).

Isso faz o Compass andar menos e gastar mais: vai de 0 a 100 km/h em 12,3 segundos com médias de consumo de 8 km/l na cidade e 11 km/l na estrada.

Mesmo assim, seu projeto ainda é dos mais atuais: tem bom comportamento dinâmico, ótimo nível de acabamento e porta-malas de 410 litros.

Deixa a desejar apenas em segurança: airbags laterais, airbags de cortina e airbag de joelhos para o motorista são oferecidos à parte como opcionais.

Bolsa de Valores

  • Desvalorização: -23,2%
  • Seguro: R$ 1.934
  • Rede: 190
  • Equipamentos: AR, DIR, VID, EST, AUT, ESP, MUL

Peças

  • Amortecedores dianteiros: R$ 2.789
  • Pastilhas de freio: R$ 298
  • Kit de embreagem: –
  • Farol esquerdo: R$ 3.307
  • Para-choque dianteiro: R$ 2.269
  • Retrovisor esquerdo: R$ 1.483
  • Total: R$ 10.146

Revisões

  • 12.000 km: R$ 531
  • 24.000 km: R$ 810
  • 36.000 km: R$ 876
  • 48.000 km: R$ 830
  • 60.000 km: R$ 1.629
  • Total: R$ 4.676

3- Jeep Renegade Trailhawk 2.0 D AT9 4X4 – R$ 152.990

Divulgação/Jeep

Custa mais que o Equinox e Compass, mas retorna o investimento com o bom motor 2.0 turbodiesel de 170 cv e 35,7 kgfm, sempre acoplado a um câmbio automático de nove marchas e tração nas quatro rodas.

Ágil, vai de 0 a 100 km/h em 11,2 segundos sem comprometer o consumo de 11,2 km/l na cidade e 15,7 km/l na estrada.

É o mais indicado para quem costuma andar longe do asfalto: tem suspensões 2,07 cm mais altas que as do Renegade padrão, chapas de proteção no assoalho, ganchos de reboque embutidos nos para-choques, pneus de uso misto e tração Selec-Terrain com cinco seleções de terreno (contra apenas quatro das outras versões).

Seu ponto mais negativo é o porta-malas, limitado a 320 litros.

Bolsa de Valores

  • Desvalorização: -13%
  • Seguro: R$ 1.993
  • Rede: 190
  • Equipamentos: AR, DIR, VID, EST, AUT, ESP, MUL

Peças

  • Amortecedores dianteiros: R$ 981
  • Pastilhas de freio: R$ 298
  • Kit de embreagem: –
  • Farol esquerdo: R$ 5.568
  • Para-choque dianteiro: R$ 2.708
  • Retrovisor esquerdo: R$ 3.017
  • Total: R$ 12.572

Revisões

  • 20.000 km: R$ 906
  • 40.000 km: R$ 1.250
  • 60.000 km: R$ 1.696
  • Total: R$ 3.852

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Fernando Pires/Quatro Rodas
Continua após a publicidade
Publicidade