Confira os números por trás da expedição da Mercedes pelo Brasil

A Expedição Vozes do Futebol chegou ao fim comprovando as principais qualidades do Atego: versatilidade, robustez e baixo consumo de combustível

Contar histórias emocionantes e encontrar personagens fascinantes sobre a maior paixão nacional. Essa foi a missão da Expedição Vozes do Futebol, que percorreu mais de 10 000 quilômetros Brasil afora entre os meses de março e abril.

Nessa jornada, em meio a tantos relatos tocantes e curiosos, brilhou a estrela de três pontas do Atego 2430, o semipesado da Mercedes-Benz.

O versátil modelo, figurinha carimbada nas mais variadas aplicações – urbanas, rodoviárias ou off-road –, caiu na estrada e mostrou todas as qualidades que o consagraram no mercado.

Como, por exemplo, a robustez: o percurso incluiu os mais diversos tipos de piso e condições de conservação, tal como acontece com milhares de caminhoneiros brasileiros todos os dias. Apesar disso, o roteiro foi cumprido sem nenhum problema mecânico.

Frugalidade na bomba

O baixo consumo de combustível foi outro destaque. Durante o percurso, foram gastos pouco mais de 2 800 litros de diesel, o que resulta em uma ótima média de consumo, considerando diferentes tipos de operação.

A Expedição partiu de São Paulo, capital, seguindo até São José dos Pinhais, no Paraná, de onde tomou a direção norte, cruzando as divisas de Minas Gerais, Goiás, Tocantins e Pará.

Em 40 dias de viagem, o caminhão da Mercedes encontrou diversos tipos de estrada

Em 40 dias de viagem, o caminhão da Mercedes encontrou diversos tipos de estrada (João Castellano/Abril Branded Content)

Deixando a Região Norte, o Atego 2430 fez um périplo por todos os estados do Nordeste e então, já na fase final, passou por Espírito Santo, Rio de Janeiro e, finalmente, retornou a São Paulo.

No total, a Expedição Vozes do Futebol passou por 15 estados brasileiros.

Como esperado, as rodovias proveram as melhores médias de consumo, com percursos apresentando quase 5 quilômetros por litro, como no trecho entre Piraquê e Xambioá, no Tocantins, e entre os municípios paranaenses de São José dos Pinhais e Campina Grande do Sul.

Números assim são possíveis pois o Atego opera dentro da faixa verde de rotação do motor, mesmo em velocidades elevadas. Por exemplo: a 80 quilômetros por hora, o motor trabalha com rotação de apenas 1 550 rpm.

Dotado da tecnologia BlueTec5, o Atego é o modelo que apresenta a melhor média de consumo de combustível no segmento dos semipesados. O torque de 1 250 Nm, o maior entre seus concorrentes, contribui para o desempenho.

O Atego também conta com a eletrônica inteligente do câmbio automatizado que, associado a diversos sensores, realiza trocas de marcha precisas no momento mais adequado. A moderna eletrônica contribui também para a economia de combustível; o Ecoroll, por exemplo, aproveita a inércia do caminhão para diminuir o consumo.

Monitoramento em tempo integral

Além de estar a bordo de um caminhão de alta confiabilidade e de baixo consumo de combustível, a Expedição ainda contou com o monitoramento da Central de Relacionamento com o Cliente da Mercedes-Benz.

Trecho entre Tocantins e Pará foi dos mais tranquilos para o Atego

Trecho entre Tocantins e Pará foi dos mais tranquilos para o Atego (João Castellano/Abril Branded Content)

“Com a Expedição Vozes do Futebol, verificamos na prática as vantagens da gestão por meio do FleetBoard”, comenta Erico Fernandes, gerente sênior de vendas & marketing. “Mesmo nos trechos mais severos, conseguimos atingir a melhor performance.”

O FleetBoard, sistema de gestão inteligente de frota da montadora, não só acompanha em tempo real a localização do veículo, mas também as condições de funcionamento de todos os seus sistemas.

O sistema ainda avalia o nível de dificuldade de cada trecho percorrido – que recebe uma nota. Essa nota de dificuldade do trecho é calculada por meio de uma relação entre número de paradas, ou seja, se o caminhão enfrentou um percurso com trânsito, o peso estimado do caminhão e a inclinação média, que indica se ele percorreu vias com muitas subidas e descidas.

Todos os dados são captados pelos sensores do caminhão, processados pelo módulo de telemática e transmitidos, depois de criptografados, por um chip GPRS.

Durante a Expedição, o trecho de maior dificuldade para o motorista foi, de longe, a perna entre São Gonçalo e Niterói, no Rio de Janeiro, com uma nota 9,5. A segunda nota mais alta foi de 8,1, entre as cidades capixabas de Cariacica e Vitória.

Já o trecho mais tranquilo, com nota 4,66, foi encontrado no Tocantins, entre Alvorada e Araguaína. As boas condições de rodagem entre São Gonçalo (RJ) e Guarulhos (SP) renderam uma nota 4,73, a segunda menor em termos de dificuldade.

Produtividade em primeiro lugar

Levando em consideração o nível de dificuldade dos trechos, o FleetBoard também gera relatórios de avaliação da eficiência do motorista, levantando dados como a oscilação no uso do acelerador, a intensidade das desacelerações, entre outros.

Ao longo da viagem, o desempenho do Atego pode ser acompanhado por meio do FleetBoard

Ao longo da viagem, o desempenho do Atego pode ser acompanhado por meio do FleetBoard (João Castellano/Abril Branded Content)

Assim, é possível aprimorar a forma de condução dos motoristas, elegendo modelos de condução dentro do quadro de funcionários e também criando manuais de boas práticas.

Se a contratação do FleetBoard incluir o pacote Telediagnose, há também o monitoramento de eventuais falhas no caminhão. No caso de alguma ocorrência, ela é analisada imediatamente e o cliente, contatado em seguida, com orientações de acordo com a severidade.

Em situações de alto risco para a integridade do equipamento, a orientação é que o veículo seja imobilizado e a própria central requisita socorro mecânico junto à concessionária mais próxima. Por outro lado, se a falha não comprometer a operação em curto prazo, a recomendação será, por exemplo, realizar o reparo na próxima revisão.

Isso ajuda a reduzir custos, uma vez que evita danos maiores que resultariam em reparos mais dispendiosos e aumenta a disponibilidade dos veículos, o que se traduz em maior rentabilidade para o caminhoneiro.

Atravessar o Brasil é uma tarefa para poucos. Com a Expedição Vozes do Futebol, o Atego conquistou lugar de honra entre as máquinas que encaram o desafio.