Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Novo imposto por quilômetro rodado promete justiça e gasolina mais barata

Nova Zelândia cria taxa dinâmica para carros elétricos que também servirá para baratear gasolina e já interessa outros países

Por Eduardo Passos
7 jun 2024, 07h00

Qual o destino do dinheiro arrecadado com o IPVA? Se você acha que é a manutenção das vias públicas, está errado; no Brasil, são as taxas que têm aplicação necessariamente em determinados setores da economia.

Na Nova Zelândia, a estrutura é um pouco diferente. O preço que um neozelandês paga no litro de gasolina, diesel ou GNV já considera o imposto que será aplicado, exclusivamente, na manutenção das estradas. É uma cobrança mais justa, pois quem dirige mais, desgasta mais as vias e, ao mesmo tempo, abastece mais (pagando o tributo proporcionalmente).

A eletricidade, entretanto, não carrega esse imposto no preço, e a popularização dos carros elétricos vinha tornando-os isentos de ajudar na coletividade. Para resolver isso, a Nova Zelândia iniciou a cobrança por quilômetro rodado desses veículos de maneira interessante: o RUC (cobrança por uso de rodovia, no inglês).

Como é o imposto por quilômetro rodado?

Os donos de carros elétricos ou híbridos plug-in precisam comprar um adesivo, que será fixado no para-brisa. Esse selo é emitido pelo Denatran local, sob medida para cada carro: nele estão expressos a placa do veículo, a quilometragem em que o adesivo foi comprado e o crédito disponível.

Continua após a publicidade
Exemplo do adesivo usado pelos motoristas de carros eletrificados da Nova Zelândia
Exemplo do adesivo usado pelos motoristas de carros eletrificados da Nova Zelândia (NZ Transport Agency Waka Kotahi/Reprodução)

É possível comprar, no mínimo, créditos para 1.000 km. Para os carros 100% elétricos, o preço é de R$ 0,25/km, aproximadamente. Híbridos plug-in pagam R$ 0,13/km, uma vez que, para cada quilômetro percorrido, parte do tributo já foi pago pela gasolina no tanque.

É também por isso que os carros híbridos convencionais estão isentos da cobrança até 2026: a energia elétrica deles vem do motor a combustão ou das frenagens, de modo que o RUC seria uma tributação dupla.

Ideia para o resto do mundo

Os legisladores da Nova Zelândia têm bastante fé no RUC, e já querem aplicá-lo a carros a combustão, ao passo que reduzirão o tributo sobre o combustível. Um dos argumentos para tal é que carros mais econômicos pagam menos impostos – no modelo vigente – mas danificam as ruas da mesma forma.

Continua após a publicidade
Legisladores dos Estados Unidos estariam interessados na ideia, diz mídia da Oceania
Legisladores dos Estados Unidos estariam interessados na ideia, diz mídia da Oceania (Nicholas A. Tonelli/Reprodução)

Outra evolução já prevista é que o adesivo não precise ser trocado a cada 1.000 km: ele trará a placa do carro e um QR Code, por exemplo. A recarga de créditos seria feita online e, ao escanear o código, o agente de trânsito poderia checar uma eventual inadimplência.

Segundo a mídia neozelandesa, já há países como os Estados Unidos se interessando pelo modelo. Será que daria certo no Brasil?

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.