Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Fiat 1100 foi o sedã que impressionou até Enzo Ferrari

Rápido, veloz e estável, o pequeno sedã familiar Fiat 1100 tinha virtudes suficientes para impressionar até o comendador Enzo Ferrari

Por Felipe Bitu 19 dez 2021, 08h49

A década de 1950 foi um período muito feliz para a Fiat. Foi quando a gigante de Turim apresentou o modelo 1400, seu primeiro automóvel com estrutura monobloco. Bem-sucedido, o novo conceito técnico voltou a ser empregado em uma das estrelas do Salão de Genebra de 1953: o Nuova 1100.

Black Friday! Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 6,90

Escolhido pelo presidente Vittorio Valletta, o Projeto 103 manteve a tração traseira do antigo 1100, baseado na arquitetura mecânica do Fiat 508 de 1937. Criação do engenheiro Dante Giacosa, a nova geração era maior e mais espaçosa, mas mantinha dirigibilidade refinada e a relação peso/potência do antecessor.

Fiat 1100 traseira
Frisos cromados eram exclusivos da versão luxuosa Tipo B” Fernando Pires/Quatro Rodas

O sedã tinha quatro portas e quatro lugares – extraoficialmente, porém, o Millecento carregava até seis pessoas. A perua Familiare oferecia a opção de dois assentos adicionais para crianças. Ambos tinham 3,9 m de comprimento, 1,46 m de largura, 1,47 m de altura e 2,34 m entre os eixos.

Fiat 1100 frontal
Portas dianteiras com abertura invertida foram usadas até o final dos anos 1950 Fernando Pires/Quatro Rodas

Motor, câmbio e suspensão dianteira independente eram montados em subchassi ainda mais elaborado que o do Fiat 1400, resultando em melhor isolamento de vibrações. A suspensão traseira adotava eixo rígido com molas semielípticas e os freios a tambor nas quatro rodas tinham acionamento hidráulico. Seu comportamento dinâmico era notável, principalmente frente aos ariscos Fusca e Dauphine.

Fiat 1100 motor
Fernando Pires/Quatro Rodas

O 1100 Normale tinha duas versões de acabamento. A espartana Tipo A era sempre pintada na cor cinza e vinha com bancos dianteiros individuais. A Tipo B, mais requintada, oferecia vários tons de pintura, banco dianteiro inteiriço, frisos cromados na carroceria, ventilação forçada com aquecedor, pneus de faixa branca e rádio. Ambas eram impulsionadas pelo decano motor de 1.089 cm3, com três mancais para o virabrequim, bloco de ferro e válvulas no cabeçote de alumínio. Seus 36 cv a 4.400 rpm levavam o Millecento a 115 km/h e o torque máximo de 7 kgfm a 2.500 rpm era bem aproveitado pelo câmbio de quatro marchas, com aceleração de 0 a 100 km/h em pouco mais de 30 segundos.

Continua após a publicidade

Fiat 1100 velocímetro
Fernando Pires/Quatro Rodas

O conjunto mecânico do 1100 era tão bom que foi utilizado por inúmeros esportivos italianos como os Stanguellini, Bandini, Siata e Osca. A versão Turismo Veloce tinha taxa de compressão mais alta e carburador Weber de corpo duplo: a potência saltava para 50 cv, suficientes para levá-lo a 135 km/h. Sempre pintado de duas cores, o 1100 TV trazia cardã bipartido, câmbio reescalonado e farol de neblina inserido na grade dianteira. Fez relativo sucesso em ralis e foi publicamente elogiado por Enzo Ferrari.

Fiat 1100 combustível
Fernando Pires/Quatro Rodas

Em 1956, a primeira reestilização: a série 103 recebeu alterações na grade, indicadores de direção e lanternas traseiras. O painel foi redesenhado e o encosto do banco traseiro do sedã passou a ser rebatível. Os motores ficaram mais potentes: 40 cv no Normale e 53 cv no Turismo Veloce.

Painel do Fiat 1100 visto do banco do motorista
Alavanca do câmbio na coluna garantia o espaço do sexto passageiro Fernando Pires/Quatro Rodas

Em 1958, o 1100 recebeu discretos rabos de peixe e novo vidro traseiro. Em 1960, o Millecento Special passa a utilizar a mesma carroceria do Fiat 1200, com portas dianteiras de abertura convencional e opção de embreagem automática Saxomat. Apresentado em 1962, o 1100D manteve sua popularidade mesmo após a chegada do Fiat 124, em 1966, sendo sucedido pelo 1100R em 1967.

Fiat 1100 Bancos
As fileiras de bancos do Fiat 1100 Fernando Pires/Quatro Rodas

Sucesso mundial, o 1100 também foi produzido na Argentina e Alemanha e montado sob licença na Austrália, Irã, Marrocos, Iugoslávia e Taiwan. A produção italiana foi encerrada em 1969 com a chegada do Fiat 128, mas continuou na Índia até 2001. Por lá, o Millecento ainda faz sucesso no mercado de usados.

Ficha Técnica: Fiat 1100 1955

  • Motor: 4 cilindros em linha de 1,1 litro.
  • Torque: 7,03 kgfm a 2.500 rpm;
  • Potência: 36 cv a 4.400 rpm
  • Câmbio: manual de 4 velocidades, tração traseira
  • Carroceria: fechada, 4 portas, 4 lugares
  • Dimensões: comprimento, 390 cm; largura, 146 cm; altura, 147 cm; entre-eixos, 234 cm; peso, 850 kg

Desempenho:

  • Aceleração de 0 a 96 km/h: 18,9 segundos;
  • Velocidade máxima: 115 km/h

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

A edição 750 de QUATRO RODAS já está nas bancas!
A edição 750 de QUATRO RODAS já está nas bancas! Arte/Quatro Rodas
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)