Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Clássico: Fiat Uno Turbo era foguete de bolso para quem podia pagar

O modelo mais famoso da Fiat foi o pioneiro no uso do turbocompressor e ainda hoje fascina entusiastas e colecionadores

Por Felipe Bitu Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
8 jan 2022, 11h09

Quase centenário, o turbocompressor chegou aos automóveis de rua na década de 1960 e hoje é tão comum que muitos usam e nem sabem. Sinônimo de performance, o equipamento só foi adotado por um carro de passeio nacional em 1994, ocasião em que a Fiat apresentou o reverenciado Uno Turbo i.e.

Sua história teve início em 1985, época em que o Uno Turbo foi apresentado na Itália. O pequeno esportivo da Fiat era impulsionado por um motor de 1,3 litro e 105 cv, sobrealimentado por um turbocompressor japonês IHI (Ishikawajima-Harima Heavy Industries).

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

O gerenciamento era feito por injeção eletrônica Bosch multiponto e módulo de ignição Magneti Marelli Microplex.
O lançamento oficial ocorreu no GP de Fórmula 1 de 1985, realizado em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

Cerca de 80 unidades do Uno Turbo desembarcaram no autódromo e uma delas foi avaliada por QUATRO RODAS: o foguetinho acelerou de 0 a 100 km/h em 9,5 s e chegou aos 180 km/h.

Continua após a publicidade
Uno Turbo I.E
Suspensão redimensionada era 1 cm mais baixa (Fernando Pires/Quatro Rodas)

A sensação de segurança era reforçada pelos freios a disco nas quatro rodas, sendo os dianteiros ventilados. Seu notável comportamento dinâmico era resultado das suspensões com amortecedores pressurizados e barra estabilizadora no eixo dianteiro.

As rodas de 13 polegadas recebiam pneus na inédita medida 175/60. A realidade brasileira, porém, era bem distinta. A filial mineira estava presa às restrições dos carburadores Weber e por isso limitou-se a desenvolver o Uno 1.5 R em 1987, posicionado entre o moderno Ford Escort XR3 e o rápido VW Gol GTS.

Uno Turbo I.E.
Um esportivo prático: ergonomia apurada e bom espaço para quatro ocupantes (Fernando Pires/Quatro Rodas)
Uno Turbo I.E.
(Fernando Pires/Quatro Rodas)

A condição ideal para o emprego do turbocompressor só ocorreu em 1993 com a injeção eletrônica do Uno 1.6 R MPI.
Já em fevereiro de 1994, QR apresentou uma unidade pré-série do primeiro turbinado produzido em larga escala no Brasil: o Uno Turbo i.e.

O Uno Turbo brasileiro era muito mais agressivo que o original italiano, com saias laterais, rodas de 14 polegadas de liga leve, pneus 185/60 e alargadores nos para-lamas.

Os para-choques eram exclusivos. O dianteiro contava com entradas de ar funcionais: a do lado direito mantinha o lubrificante em níveis seguros de temperatura através de um radiador de óleo, enquanto a do lado esquerdo aumentava a eficiência do turbo através de um intercooler.

Continua após a publicidade
Uno Turbo I.E.
Novo volante de três raios era exclusivo, com direção hidráulica de série (Fernando Pires/Quatro Rodas)

Importado, o motor era o mesmo que o Uno Turbo italiano de segunda geração usava desde 1989: 1.4, injeção eletrônica Bosch e turbocompressor Garret T2. O principal desafio foi adequar o motor à gasolina brasileira: operando com pressão máxima de 0,8 bar, a sobrealimentação resultava em 118 cv e 17,5 kgfm.

Graças a ele, a relação peso/potência era de apenas 8,26 kg/cv: em números absolutos, o Uno Turbo aniquilou a concorrência, deixando para trás Gol GTi, Escort XR3 e até o novíssimo Vectra GSi. Em nossa pista, o Uno Turbo precisou de apenas 8,96 segundos para acelerar de 0 a 100 km/h e chegou a 192,6 km/h.

A suspensão foi recalibrada, redimensionada e rebaixada em 1 cm. Uma barra estrutural entre as torres da suspensão dianteira obrigou o estepe a ir parar no porta-malas, agora limitado a 175 litros. Os freios vieram do Tempra, com disco ventilado no eixo traseiro e tambor atrás.

Uno Turbo I.E.
Termômetro de óleo e manômetros de pressão do óleo e do turbo (Fernando Pires/Quatro Rodas)
Uno Turbo I.E.
(Fernando Pires/Quatro Rodas)

Três tonalidades de pintura sólida foram oferecidas no lançamento: Preto Etna, Vermelho Monte Carlo e Amarelo Ginestra. As duas últimas foram substituídas, respectivamente, por Vermelho Alpine e Amarelo Exploit (metálica). Há registro de pelo menos duas unidades extraoficiais pintadas de Branco Real.

Para conhecer melhor o comportamento arisco do turbo, os proprietários ganhavam um curso em Inter-lagos. A instabilidade direcional com o motor acima dos 3.500 rpm era proposital: a intenção era fazer com que o Uno Turbo parecesse ser ainda mais rápido do que ele já era.

Continua após a publicidade

O câmbio manual de cinco marchas tinha engates curtos e precisos. Direção hidráulica era de série. Em 1994, os opcionais eram rádio/toca-fitas Alpine, teto solar, cintos traseiros retráteis e desembaçador com ar quente. Ar-condicionado só a partir do modelo 1995.

Uno Turbo I.E

No total, 1.801 unidades foram produzidas até abril de 1996. Seu sucesso só não foi maior em razão do preço. Mas é inegável sua importância para superar o preconceito contra o turbo, tão comum hoje em dia.

Ficha Técnica – Fiat Uno Turbo i.e.

Motor: transversal, 4 cilindros em linha, 1.372 cm3, comando de válvulas simples no cabeçote, alimentação por injeção eletrônica.
Potência: 118 cv a 5.750 rpm
Torque: 17,5 kgfm a 3.500 rpm
Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira
Dimensões: comprimento, 365 cm, largura, 160 cm; altura, 144 cm; entre-eixos, 236 cm
Peso: 975 kg
Pneus: 185/60 R14

Quatro Rodas Edição 405

Continua após a publicidade

Abril de 1994
Velocidade Máx.: 192,6 km/h
0 a 100 Km/h: 8,96 segundos
Consumo Médio: 8,8 km/l cidade / 13,62 km/l estrada
Preço: R$ 22.493 (1994)
Atualizado*: R$ 381.884

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Quatro Rodas 753 janeiro 2022 (1)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.