Quanto custa para trocar a bateria de um veículo híbrido?

Acumulador de energia é o componente individual mais caro do carro e pode ter até garantia própria

Bateria do Toyota Prius Calor intenso pode reduzir a vida útil da bateria do Prius

Calor intenso pode reduzir a vida útil da bateria do Prius (Divulgação/Toyota)

Quanto custa para trocar a bateria de um veículo híbrido? José Debon, por e-mail

No caso do Toyota Prius, a reposição do acumulador custa R$ 10.500, incluindo a mão de obra. O valor absoluto pode impressionar, mas representa menos de 8,3% do preço do modelo novo (R$ 126.600).

Vale reforçar que, apesar de o Prius ter garantia de três anos, seu sistema híbrido (que inclui, além da bateria, o controlador do conjunto e o motor elétrico) conta com proteção de fábrica de oito anos, sem limite de quilometragem.

Bateria elétrica Apesar de terem evoluído, as baterias ainda são pesadas, caras e de reciclagem complexa

Apesar de terem evoluído, as baterias ainda são pesadas, caras e de reciclagem complexa (Reprodução/Internet)

A troca da bateria, que tem tensão de 650 V na última geração, deve ser feita por oficinas especializadas e requer treinamento específico para lidar com a alta tensão e evitar choques elétricos.

Isso porque, no Brasil, qualquer trabalhador que precisar lidar com energia precisa seguir uma série de procedimentos e regras, muitas delas atreladas a norma NR10.

No caso de veículos híbridos e elétricos, isso significa, por exemplo, manter o veículo isolado de qualquer outro funcionário não treinado.

Sem contar o uso de EPI (equipamento de proteção individual) específico para trabalho com alta tensão e até proteção contra fogo.

Nos Estados Unidos, onde o segmento de híbridos começou mais cedo e é amplo, já existe o comércio de baterias e até células (componentes internos da bateria) novas ou remanufaturadas.

É possível que isso ocorra no Brasil, mas como a frota desse tipo de veículo por aqui ainda é escassa, o mercado de manutenção dos acumuladores ainda deve demorar alguns anos para amadurecer.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. “…aqui ainda é escarça…”. ESCARÇA?

  2. Afonso Brandão

    “Escarça” é difícil. Essa palavra até que existe, mas passa longe de “escassa”

  3. Bruno Valverde

    escarça (substantivo feminino): doença inflamatória na palma dos cascos das cavalgaduras, causada ger. pela pressão de ferradura colocada de maneira imprópria

  4. Bruno Valverde

    Esses híbridos nos surpreendem a cada momento, após o Fusion cobrar R$ 35 mil para trocar as baterias, agora esse aí é cheio de doença de cavalo.