Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Por que baterias de carros com start-stop são diferentes e mais caras?

Tecnologia ajuda a economizar combustível e reduzir emissões, mas requer preparação especial dos veículos para funcionar corretamente

Por Leonardo Barboza Atualizado em 13 Maio 2021, 14h56 - Publicado em 24 mar 2021, 13h58
bateria
Bateria: basta funcionar o carro para recarregar Divulgação/Renault

Por que baterias de veículos com sistema start-stop são mais caras e diferentes das convencionais?Rafael Senra, Taboão da Serra (SP)

A tecnologia start-stop é, conceitualmente, considerada o primeiro estágio de eletrificação veicular, pois é capaz de provocar sensível redução nas emissões de gases nocivos ao meio ambiente.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 7,90

De acordo com o departamento de engenharia da Baterias Moura, como os veículos equipados com esse recurso desligam nos momentos de parada e são automaticamente religados quando o movimento é retomado, eles exigem maior desempenho e, principalmente, maior capacidade do que se chama de ciclagem da bateria.

Continua após a publicidade

Ou seja, a bateria precisa ser robusta o suficiente para suportar o elevado aumento nos ciclos de partida, pois, para efeito de comparação, enquanto um carro comum realiza até seis partidas por dia, um automóvel com start-stop faz isso centenas de vezes.

Isso significa que a bateria deve possuir um conjunto de características mais avançadas que uma bateria automotiva convencional, daí a razão de custar mais caro. As baterias dos tipos EFB e AGM chegam a custar seis vezes mais que uma bateria convencional, dependendo da especificação.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

capa 743

Continua após a publicidade

Publicidade