Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Para que serve e como funciona a sonda lambda?

Componente que analisa os gases liberados pelo motor é fundamental para o funcionamento correto do automóvel, principalmente os flex

Por Henrique Rodriguez Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 4 Maio 2021, 09h41 - Publicado em 10 abr 2017, 17h41
Componente coleta informações sobre a queima de combustível
Componente coleta informações sobre a queima de combustível (Divulgação/Quatro Rodas)

Motores à combustão só trabalham se houver oxigênio e combustível. Sem esses elementos não é possível obter a explosão interna necessária ao seu funcionamento. Em duas linhas, é assim que essa categoria de propulsores funciona. Até aí, nenhuma novidade.

O desafio está na mistura ideal entre combustível e comburente. E o componente responsável por levar ao módulo de injeção eletrônica a informação primordial para esse controle é a sonda lambda – também conhecida como sensor de oxigênio.

Talvez o nome não seja tão óbvio, mas há explicação: a letra grega lambda é usada para descrever o volume de ar na mistura combustível-ar. Em nossos carros, é exatamente isso o que a sonda lambda faz: mede a quantidade de oxigênio presente nos gases eliminados pelo motor.

Continua após a publicidade

O sensor realiza a medição dos gases, e esses dados são utilizados pelo módulo da injeção para obter o ponto estequiométrico. Ou seja, a mistura ideal entre a gasolina, etanol ou diesel e o oxigênio.

sistema de combustão

A posição da sonda lambda no carro é estratégica: ela fica no coletor de escape do motor, alguns centímetros antes do catalisador, coletando os gases ainda quentes. Ela precisa de altas temperaturas para funcionar – entre 300 e 600 ºC – temperatura que transforma o dióxido de zircônio ou o óxido de titânio utilizado no sensor em condutor de íons de oxigênio. Alguns tipos são aquecidos eletricamente e não dependem do calor do motor para entrar em funcionamento.

Continua após a publicidade

Na ilustração acima, há uma segunda sonda após o catalisador, para informar ao sistema se o catalisador está funcionando corretamente ou não.

À procura da razão perfeita

Qualquer variação na quantidade de oxigênio é percebida na tensão gerada pelo sensor. No caso da gasolina, a razão perfeita da mistura ar-combustível é de 14,7 partes de ar para uma de gasolina (14,7:1).

Mas há um detalhe: esta razão muda de acordo com a temperatura, pressão, umidade, além das características do motor, como rotação e temperatura de funcionamento.

Continua após a publicidade

Quando a informação sobre a quantidade de oxigênio liberado pelo motor, obtida pela sonda, chega à Unidade de Comando Eletrônico (ECU), a queima é equilibrada.

Se nos motores a gasolina a sonda é importante para atender normas de emissões (foi para isso que começou a ser usada, nos Volvo 240 exportados para os EUA, a partir do fim dos anos 1970), nos bicombustíveis tem função ainda mais crucial. É dela a missão de corrigir a injeção para o novo combustível ou a mistura usada.

A sonda lambda
A sonda lambda foi inventada pela Bosch na década de 1970 (Divulgação/Quatro Rodas)

O etanol possui menor poder calorífico (a quantidade de calor emitida pela combustão completa de um combustível), o que faz sua razão perfeita ser de 9,0 partes de ar para uma de etanol. Ou seja: é necessário mais álcool para obter o mesmo poder calorífico da gasolina.

A sonda lambda percebe isso quando muito oxigênio passa por ela – em outras palavras, quando a mistura fica pobre. 

É importante saber que a sonda lambda não “sabe” qual é o combustível que está sendo queimado (quando o fabricante precisa desta informação, é necessário inserir um sensor específico na linha de combustível).

Continua após a publicidade

Esse componente apenas emite um sinal elétrico usado para corrigir a razão ar-combustível na queima. E é essa a razão pela qual carros flex podem funcionar com qualquer proporção de álcool e gasolina no tanque.

O tempo de resposta da sonda lambda a qualquer alteração de fatores é muito pequeno – da ordem de 0,13 a 0,30 segundo, dependendo das especificações do sensor – e o de processamento do sinal é ainda mais rápido. Quando há problemas (ou defeitos), os tempos de resposta da peça podem aumentar. Uma das razões, por exemplo, é o depósito de carvão no sensor.

Apesar de tantas responsabilidades, a sonda lambda costuma ser acusada de causar alguns defeitos que, na verdade, estão relacionados ao sistema de ignição, arrefecimento do motor ou em outros sensores e atuadores.

Fato é que as sondas são bastante resistentes e duráveis: as originais e sem aquecimento elétrico duram cerca de 80 mil km, enquanto as com aquecimento podem passar dos 160 mil km.

No passado, tudo era mais simples: carburadores e injeções mecânicas simplesmente não permitiam variação na quantidade de combustível injetada no motor. Isso explica a importância que era dada a um bom ajuste de carburador.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.