Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Novo motor com taxa de compressão variável pode salvar os motores flex

Tecnologia melhora a eficiência do motor e poderá ser a solução para motores que funcionam com diferentes combustíveis

Por Henrique Rodriguez
Atualizado em 23 nov 2016, 21h30 - Publicado em 15 ago 2016, 18h00
Motor Infiniti VC-T 3/4
Novo motor será usado pela primeira vez apenas em 2018 ()

A injeção direta de combustível representou um grande avanço para os motores turbo no que diz respeito à eficiência e desempenho, por praticamente eliminar o turbo lag – tempo que leva para turbocompressor “encher” e começar a comprimir o ar para dentro do motor.

O próximo passo neste sentido está nas mãos da Infiniti, marca premium da Nissan que acaba de mostrar o primeiro motor de produção do mundo com taxa de compressão variável. Esta poderá ser, no futuro, a solução definitiva para que motores flex sejam mais eficientes. 

LEIA MAIS: 

>> VW revela detalhes de seu novo motor 1.5 TSI 

>> Koenigsegg promete um motor 1.6 com 400 cavalos

>> Carro turbo: querendo ou não, você ainda terá um

Antes de mais nada, vale falar rapidamente sobre o que é a taxa de compressão. Tomemos por exemplo um motor 1.6 de quatro cilindros, no qual cada cilindro tem volume 400 cm³ quando o pistão está na posição mais baixa (ponto morto inferior) e 40 cm³ na posição mais alta (ponto morto superior). Daí surge a razão de compressão, que neste caso é de dez vezes ou 10:1. 

O que a Infiniti fez foi encontrar uma forma eficiente de variar esta taxa de compressão, algo que diversas empresas já tentaram de diversas formas. A sueca Saab, por exemplo, apresentou em 2000 o sistema SVC, que usava a variação de inclinação do cabeçote em relação ao bloco do motor para aumentar ou diminuir a taxa de compressão – as pesquisas neste sentido pararam quando a General Motors comprou a fabricante sueca. Já a americana FEV demonstrou no ano passado uma forma de variar a taxa colocando um eixo excêntrico na conexão dos pistões com as bielas, variando sua altura quando necessário. 

 

Complexo, o sistema da Infiniti chama-se VC-T (de compressão variável turbocomprimida) e funciona aumentando e diminuindo o curso dos pistões diretamente no virabrequim, onde as bielas se conectam. Uma engrenagem harmônica comanda um braço, que gira um eixo e este ajusta a inclinação do virabrequim.

Continua após a publicidade

A tecnologia foi aplicada em um motor quatro cilindros 2.0 turbo. Nele, as taxas de compressão variam entre 8:1 e 14:1. A primeira é a que resulta em maior desempenho para motores turbo, que trabalham com uma pressão extra de admissão, enquanto a segunda se torna mais eficiente na queima do combustível em regimes de menor rotação, justamente quando o turbo lag ganha a cena. O resultado são 274 cv de potência e torque de 39,82 mkgf, números que o credencia para substituir o motor V6 3.5 do GX80 a partir de 2018.

Na prática, o motor consegue ajustar o momento da ignição e o tamanho da câmara de combustão de acordo com suas necessidades para o momento. Hoje, para amenizar a falta de força antes do turbo entrar em ação (e olha que os turbocompressores evoluíram muito nos últimos anos), o que as fabricantes conseguem fazer é alternar entre o uso de injeção direta e indireta, e, mais recentemente, usar turbocompressores com geometria variável, ou seja, que conseguem adaptar sua atuação de acordo com as necessidades do motor. Hoje, quem usa as duas tecnologias juntas é o Grupo Volkswagen.

Motor Infiniti VC-T
Gráfico mostra como acontece a mudança de inclinação do virabrequim ()

O novo motor da Infiniti é um dos mais complexos já feitos e seu desenvolvimento está em curso desde 1998. A fabricante japonesa o trata como um novo passo na história dos motores a combustão. Além do consumo de combustível significativamente reduzido, as emissões menores, os níveis de ruído e vibração reduzidos e o fato de ser leve e compacto mostram o quão inovador ele é.

Mas onde entram os motores flex? Simples. A taxa de compressão ideal para a queima de etanol e de gasolina varia: a gasolina prefere taxa menor, de até 10,5:1, enquanto o poder calorífico do etanol é melhor aproveitado com taxa entre 11,5:1 e 12,5:1. O que as fabricantes fazem hoje no Brasil é estabelecer uma taxa de compressão intermediária para os dois combustíveis, o que muitas vezes ajuda a explicar o consumo maior de motores flex frente às suas versões a gasolina. 

Continua após a publicidade

Com a taxa de compressão variável, seria possível explorar o melhor de cada combustível e, assim, encontrar números de consumo e emissões menores. Bastaria para isso trabalhar a variação de taxa em função do combustível que está no tanque. Mas isso é algo que só deveremos ver na prática na próxima década – isso, claro, se os custos de produção de tal motor permitirem sua popularização. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.