Clique e assine por apenas 8,90/mês

Encher o tanque além do clique da bomba pode ser prejudicial?

Se você se preocupa com a saúde do seu carro, avise o frentista: depois do clique, não!

Por Redação - Atualizado em 2 jan 2017, 16h34 - Publicado em 30 set 2016, 17h18

Reabastecimento do Chevrolet Cruze LTZ de Longa Duração

Pode-se encher o tanque além do clique da bomba? O que pode acontecer nesse caso? – Luiz Carlos Nunes da Silva, Itaberaba (BA).

Não é raro encontrar frentistas que, após o primeiro clique de travamento da bomba, colocam um pouco mais de combustível para arredondar o valor a ser pago. Isso não causava maiores problemas coisa de vinte anos atrás. Hoje, porém, é diferente.

Os anos 90 trouxeram ao Brasil um dispositivo chamado cânister, localizado entre o tanque de combustível e a admissão do motor, e destinado a captar e reter o vapor do combustível quando o veículo estiver sendo abastecido, para reduzir os gases poluentes que são emitidos pelo veículo. Daí a necessidade de haver um espaço para esse vapor, entre o nível máximo do combustível previsto no tanque e o bocal de abastecimento.

Continua após a publicidade

Caso o tanque seja abastecido “até a boca”, desrespeitando o clique da bomba, o excesso de combustível vai parar no cânister – que contém carvão ativado – e, assim, danificar não apenas ele mas também possivelmente contaminar outros componentes mecânicos, além de prejudicar a própria filtragem de vapores feita pelo equipamento.

Publicidade