Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Em quais tipos de acidentes os airbags se abrem?

Não basta bater o carro: é um módulo quem decide quando e quais airbags serão detonados

Por Da Redação
Atualizado em 1 nov 2023, 12h51 - Publicado em 31 out 2023, 08h00
O que precisa acontecer para o airbag disparar?

Pedro D’Angelo, São Paulo (SP)

A decisão de disparar os airbags vem do software integrado no controlador eletrônico (ACU – Airbag Control Unit), que toma essa decisão a partir de um algoritmo complexo, que recebe os sinais provenientes dos sensores de aceleração e de pressão, que podem ser internos ou externos ao ACU.

O ACU funciona como o cérebro do airbag, pois é justamente o componente responsável por comandar em que momento ele (ou eles) será acionado.

Segundo o engenheiro Plínio Casante, gerente sênior da fabricante ZF, os principais critérios que precisam ser atendidos para que os airbags sejam disparados incluem desaceleração brusca, velocidade do impacto, direção do impacto e ângulo do impacto.

A direção e o ângulo do impacto são importantes para determinar quais airbags específicos devem ser inflados. Por exemplo, em uma colisão frontal, os airbags frontais e pré-tensionadores do cinto serão acionados, enquanto em uma colisão lateral, os airbags laterais podem ser ativados. Colisões de baixa velocidade podem não gerar a desaceleração necessária para ativar os airbags.

Há colisões em que o airbag não dispara?

Continua após a publicidade

Sim, existem diferentes cenários de colisão em que os airbags podem não ser ativados. Alguns exemplos incluem colisões de baixa velocidade (sejam frontais ou laterais): os airbags são projetados para colisões significativas.

Em colisões traseiras, é pouco provável que os airbags sejam acionados, visto que os ocupantes neste cenário não são projetados para a frente ou para os lados para requerer proteção adicional ao cinto de segurança.

“Novas tecnologias e sistemas de sensores estão sendo desenvolvidos para melhorar a precisão e a eficácia dos airbags em diferentes cenários de colisão, que combinado com os sistemas ADAS (Sistema Avançado de Assistência ao Motorista) poderão ter o acionamento dos pré-tensionadores dos cintos de segurança e airbags mesmo antes da iminente colisão, a fim de oferecer maior grau de proteção aos ocupantes”, explica Casante.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.