Teste de pista: um tapa para cima no Volkswagen Up!

O compacto exibe visual mais agressivo, ficou maior no comprimento e ganhou novos equipamentos. E o melhor: o preço da versão básica não subiu

Com novas cores e rodas de liga leve, cada versão tem um visual característico

Com novas cores e rodas de liga leve, cada versão tem um visual característico (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A prática mostra que todo carro que nasce com uma proposta minimalista, tempos depois, passa por mudanças que o deixam mais sofisticado. O novo VW Up! é um desses modelos e acaba de chegar às lojas para confirmar essa regra.

As novidades começam já no para-choque dianteiro, mais encorpado e de visual mais agressivo. Se antes parecia que o Up! sorria para todos, agora, a impressão é de que está rangendo os dentes. Ainda na frente, os faróis trocaram os elementos internos redondos por hexagonais e há um friso cromado ligando os faróis ao símbolo da VW.

E, enfim, versões com motor TSI (1.0 turbo) poderão ser reconhecidas de frente: passam a ter o friso vermelho e para-choque piano black. Atrás, o para-choque adotou linhas mais horizontais e que apontam para as extremidades, o que dá a sensação de que o carro ficou mais largo e mais bem assentado. As lanternas receberam lentes com polêmicas molduras pretas.

Lanterna traseira ganhou uma lente com elementos pretos

Lanterna traseira com elementos pretos na lente já dividiu opiniões (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Mas há um problema: de uma ponta a outra, os para-choques mais pronunciados alteraram não só seu estilo, mas também as dimensões compactas do Up! (seu maior trunfo), que teve seu comprimento total aumentado em 8,4 cm (7,2 só no balanço dianteiro). E tudo isso sem ganhar 1 cm sequer de espaço interno.

O fim do carro de entrada

Por dentro, mudou o painel de instrumentos, com mostradores maiores (parecidos com os do Fusca); o volante (igual ao do Golf) e o console, que ganhou novo contorno. E o acabamento frontal do painel varia conforme a versão (exceto na Take, onde é uma peça única).

Os mostradores do Cross Up! ficaram maiores

Mostradores do painel de instrumentos ficaram maiores (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na linha 2018, a VW reposicionou o hatch. Apresentado em 2014 como “novo Fusca”, o Up! subiu um degrau no portfólio da marca deixando para o Gol o papel de carro de entrada. A fábrica reorganizou a oferta. Não há mais as versões Red, White e Black, a carroceria de duas portas foi descontinuada e o câmbio I-Motion só estará disponível para a versão Move.

A partir de agora, haverá seis versões, resultado da combinação de quatro acabamentos (Take, Move, High e Cross), dois motores (1.0 MPI, 82 cv, e 1.0 TSI, 105 cv) e dois câmbios de cinco marchas (manual e automatizado).

A série Speed sai de cena. Mas a VW criou outra batizada de Connect TSI, que tem como diferenciais sistema de som que pode ser conectado a smartphones, retrovisores externos e teto pretos, interior (forro e colunas) cinza escuro e rodas aro 15, com acabamento preto e diamantado.

A central Composition Phone conecta sistema de som, carro e celular

A central Composition Phone conecta sistema de som, carro e celular (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os preços também não serão mais os mesmos. A única exceção é a versão Take MPI, que segue a R$ 37.990. As demais ficaram de 3% a 5% mais caras. Neste teste de apresentação, reunimos três versões: Move MPI (R$ 48.290), Connect TSI (R$ 54.990) e Cross TSI (R$ 55.600).

Segundo a fábrica, a alta se deve às mudanças e ao aumento do conteúdo. Desde a básica Take Up!, há pneus com baixa resistência ao rolamento (oferecidos anteriormente só nas versões mais caras), banco do motorista com regulagem de altura, chave canivete, limpador traseiro, luz no porta-malas e suporte para celular com entrada USB.

A intermediária Move Up! acrescenta volante multifuncional com revestimento de couro, computador de bordo, faróis de neblina, rodas de liga aro 14, repetidores nos retrovisores externos e sensor de ré. Se a unidade for equipada com o motor 1.0 TSI, há ainda iluminação ambiente de série.

As rodas das versões MPI são de 14 polegadas, enquanto nas TSI elas são aro 15

As rodas das versões MPI são de 14 polegadas, enquanto nas TSI elas são aro 15 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Move MPI tem painel bicolor, sistema de som básico (sem tela colorida) e bancos de tecido. O suporte para celular é de série

Move MPI tem painel bicolor, sistema de som básico (sem tela colorida) e bancos de tecido. O suporte para celular é de série (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A topo de linha High, que é oferecida apenas com o motor TSI, assim como a Cross Up!, inclui sensores de chuva e luminosidade, faróis de neblina com luz auxiliar para conversões e faróis com sistema Coming & Leaving Home (acionamento e desligamento temporizado). A Cross agrega itens da estética aventureira como rack e extensores de para-lamas.

Mesma mecânica

Levamos os carros para a pista e, como não houve mudanças mecânicas e nem eletrônicas, o desempenho de ambos ficou dentro do padrão conhecido. O Move MPI acelerou de 0 a 100 km/h em 14,9segundos e fez as médias de 13,5 km/l, no ciclo urbano, e 17,9 km/l, no rodoviário. E o Connect TSI conseguiu as marcas de 11,7 segundos nas acelerações e 15,1 km/l, na cidade, e 18,8 km/l, na estrada.

A versão Cross tem tampa do porta-malas na cor preta, com friso cromado, na base

A versão Cross tem tampa do porta-malas na cor preta, com friso cromado, na base (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A faixa central do painel do Cross Up! tem novo acabamento polido "In Molding Label", com grafismo exclusivo

A faixa central do painel do Cross Up! tem novo acabamento polido “In Molding Label”, com grafismo exclusivo (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ao volante, independentemente da versão, o Up! é um carro obediente, com sua direção firme quase pesada e a suspensão estável. A única queixa no comportamento vai para o fato de o Up! não conviver bem com quebra-molas e valetas, situações em que amortecedores e molas distendem totalmente ocasionando a característica batida de final de curso.

A posição de dirigir é correta e, atrás, há espaço suficiente para as pernas de dois adultos. O encosto traseiro é bem vertical, mas não chega a ser incômodo. O sistema de som que conecta o celular (Composition Phone, opcional) transforma o telefone na interface multimídia. Por meio dele é possível acessar informações do carro e do aplicativo Maps & More, que antes só podia ser visto por aquele navegador saliente .

A edição Connect pode ser identificada pela faixa adesiva com o nome da série nas laterais

A edição Connect pode ser identificada pela faixa adesiva com o nome da série nas laterais (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Série Connect traz revestimento interno cinza escuro, iluminação ambiente e som Composition Phone (sem touch)

Série Connect traz revestimento interno cinza escuro, iluminação ambiente e som Composition Phone (sem touch) (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A transformação que o Up! sofreu, como modelo de conceito minimalista, em geral, ocorreu porque as fábricas precisam mudar, apresentando constantemente algo de novo para manter o interesse dos consumidores, mas também porque, com o tempo, o estilo clean passou a ser percebido como simplório, pobre – e isso é tudo o que a VW não quer para o Up!

Veredicto

O Up! era reconhecido pela segurança de sua carroceria de aços resistentes, pela economia e seus motores tecnicamente avançados e pelo design um tanto sem graça. Agora, com as mudanças no design e os novos equipamentos, ele ficou mais interessante.

Teste de pista (com gasolina)

Up! 1.0 TSI Up! 1.0 MPI
Aceleração de 0 a 100 km/h 11,7 s 14,9 s
Aceleração de 0 a 1000 m 32,8s – 162,1 km/h 36,3 s – 140,5 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h 6,5 s 9,1 s
Retomada de 60 a 100 km/h 9,8 s 14,3 s
Retomada de 80 a 120 km/h 15 s 24,2 s
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 16,8 / 27,7 / 65,7 m 16,2 / 28,5 / 65,8 m
Consumo urbano 15,1 km/l 13,5 km/l
Consumo rodoviário 18,8 km/l 17,9 km/l

Ficha Técnica

Volkswagen Up! Connect TSI Volkswagen Move Up! MPI
Motor gas., diant., transv., 3 cil., 12V, injeção direta, turbo, 999 cm3, 74,5 x 76,4 mm, 101/105 cv a 5.000, 16,6/16,8 mkgf a 6.000 rpm gas., diant., transv., 3 cil., 12V, injeção multiponto, 999 cm3, 74,5 x 76,4 mm, 82/75 cv a 6.250, 10,4/9,7 mkgf a 3.000 rpm
Câmbio manual, 5 marchas,
tração dianteira
 manual, 5 marchas,
tração dianteira
Suspensão McPherson (diant.) e eixo de torção (tras.) McPherson (diant.) e eixo
de torção (tras.)
Freios disco ventilado (diant.) e tambor (tras.) disco ventilado (diant.) e
tambor (tras.)
Direção elétrica elétrica
Rodas e pneus liga leve, 185/60 R15 liga leve, 175/70 R14
Dimensões compr., 368,9 cm; alt., 150,4 cm; larg., 164,5 cm; entre-eixos, 242,1 cm; peso, 922 kg; tanque; 50 l; porta-malas, 285 l compr., 368,9 cm; alt., 150,4 cm; larg., 164,5 cm; entre-eixos, 242,1 cm; peso, 922 kg; tanque; 50 l; porta-malas, 285 l
Equipamentos de série iluminação ambiente, volante multifuncional, computador de bordo, faróis de neblina, sensor de ré, retrovisor com rebatimento autom., rodas aro 15, central Composition Phone volante multi­funcional, comp. de bordo, faróis de neblina, sensor de ré, retrovisor com rebatimento autom. na marcha a ré
Preço R$ 54.990 R$ 48.290
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Não pude observar pelas fotos e matéria não menciona, mas em uma reportagem anterior, através das fotos via-se que nem mesmo as versões mais equipadas vinham com vidros elétricos atrás. Caso minha observação esteja correta, será tão complexo instalar os comandos elétricos nos vidros de trás?

  2. Lauro Alexandre

    O up continua pecando por não vir vidro elétrico atrás!! E agora ao invés do multimídia, tem que usar o próprio celular! Fora os forros das portas deixando o metal exposto!

  3. Romano Vargas

    O fato é que, se sua prioridade não é espaço e gosta de um acerto de suspensão mais firme, o UP é imbatível, comporta bem 4 ocupantes, tem porta malas melhor que KA e ETIOS, alem de melhor qualidade de construção, montagem, bem acabado, muito econômico e rápido, alta rigidez torcional…

  4. Adriano Rodrigues

    Infelizmente não tem como colocar vidros traseiros, a porta é muito estreita e não cabe a máquina, mais um detalhe o vidro abriria apenas pela metade igual aos unos antigos. Porém na mesma faixa de preço não há concorrente que supere em consumo, desempenho, segurança, reparabilidade e o fato de ser Global.. comparem informem e análise antes de sair falando somente por achismo

  5. Gustavo Perozim

    Tem algo errado nesse dado de 0 a100 do tsi. O correto é entre 9.2 e 9.5 segundos.

  6. Romano Vargas

    Certamente a falta de vidros elétricos nas portas traseiras ocorrem para que não haja um volume de vendas muito grande. O UP é um produto realmente novo.