Chevrolet Trailblazer x Toyota SW4: o duelo entre preço e fama

No mercado, a SW4 continua vencendo de lavada. Em nosso teste, não foi bem assim

Todas as vezes que falamos sobre o Chevrolet Trailblazer aqui na QUATRO RODAS, a pergunta que sempre nos fazemos é: por que ele vende tão pouco? O mesmo vale para a Toyota SW4, mas no sentido oposto: por que vende tanto?

No acumulado de de 2016, o Trailblazer emplacou 1.942 unidades; enquanto isso, sua rival japonesa vendeu nada menos que 12.168 exemplares – foi o 5º SUV mais vendido do país, à frente de modelos bem mais baratos, como Hyundai ix35 e Chevrolet Tracker.

Ambas foram recentemente renovadas – no caso da SW4, houve mudança de geração de fato, com direito à perda de vínculo com a linha Hilux e a oficialização do nome reduzido para SW4, no feminino. Agora é hora de serem colocadas frente à frente, em um comparativo direto.

Preço

O Trailblazer é vendido apenas na versão de acabamento LTZ, sempre com sete lugares e motorização V6 3.6 a gasolina (R$ 167.990) ou 2.8 turbodiesel (R$ 198.990) – esse último que participa deste comparativo.

Chevrolet Trailblazer

Em contrapartida, a SW4 fica cada vez mais cara. Além da versão flex 2.7, mais simples e menos potente (R$ 163.500 com cinco e R$ 168.930 com sete lugares), há a versão com motor V6 4.0 a gasolina (R$ 225.580, com sete lugares), a turbodiesel 2.8 com cinco lugares (R$ 241.920) e a de turbodiesel 2.8 com sete lugares (R$ 247.450). De cara, o Trailblazer sai na frente. Afinal, são quase 50 mil reais de diferença entre as configurações topo de linha — disparidade que não se justifica nos equipamentos, como veremos abaixo.

Toyota SW4

Equipamentos

A Chevrolet aposta no custo-benefício do novo Trailblazer. Entre os equipamentos de série, estão ar digital com saídas para os ocupantes das fileiras traseiras, piloto automático, partida do motor remota pela chave para ligar o ar-condicionado antecipadamente, regulagens elétricas do banco do motorista, controle de tração e estabilidade, faróis automáticos e seis airbags, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, câmera de ré, retrovisores elétricos com rebatimento, sistema OnStar, alertas para saída involuntária de faixa, de colisão frontal, de pontos cegos e de movimentação traseira cruzada (esses dois últimos exclusivos em relação à S10).

Chevrolet Trailblazer

Cobrando bem mais caro, a SW4 traz de série seis airbags, controles de estabilidade e tração, assistentes de subida, descida e reboque, ar digital com saídas e comandos traseiros, sensores de estacionamento na traseira, câmera de ré, chave presencial com partida do motor por botão, faróis automáticos com xenônio e leds e nivelador automático, central multimídia com GPS, abertura elétrica do porta-malas com ajuste de altura da rampa, rebatimento elétrico dos retrovisores e volante multifuncional .

Equilibradas, as listas de equipamentos possuem cada uma seus pontos fortes – os assistentes de direção do Trailblazer e os faróis full led da SW4, por exemplo. Mas pelo valor, a japonesa deveria entregar bem mais.

Toyota SW4

Estilo e acabamento

A reestilização deu ares mais elegantes e robustos ao Trailblazer, que ganhou traços retilíneos. Na dianteira, para-choques, grade e faróis (agora com leds, porém sem projetores) são novos, assim como o rack de teto e as rodas de 18 polegadas diamantadas. A traseira, por sua vez, segue inalterada.

Chevrolet Trailblazer

Por dentro, o painel do modelo adotou linhas igualmente mais retas e horizontais, além de usar materiais de melhor qualidade e aparência, como superfícies de toque macio e detalhes cromados. Os bancos são sempre revestidos em couro.

Na SW4, o aspecto futurista das linhas chama mais a atenção (e remete aos modelos da Lexus, marca de luxo pertencente à Toyota) com ângulos ousados, para-choque dianteiro pronunciado, além de faróis e lanternas espichados dotados de xenônio e leds. As rodas também são de 18 polegadas e diamantadas. O interior conservador, porém, vai contra a parte externa.

Toyota SW4

O painel tem formato verticalizado e reto, assim como no Corolla. Materiais de toque rígido são utilizados em maior escala em relação ao Trailblazer, contrastando com a porção central dotada de apliques de couro marrom, o mesmo dos bancos.

Aqui quem manda é o gosto do comprador. Com linhas que transmitem uma sensação de maior tamanho e sofisticação, a SW4 agrada quem gosta de atrair olhares por aí. Já o Trailblazer é mais discreto e comportado, ideal para clientes mais tradicionais.

Motorização

Mais um ponto positivo para o utilitário da gravata dourada. Ambos os modelos têm motor 2.8 turbodiesel e câmbio automático de seis marchas, mas o Chevrolet sai na frente. Com 200 cv e 51 mkgf de torque, ele foi de 0 a 100 km/h em 9,8 segundos em nossas medições, enquanto a SW4, com 177 cv e 45,9 mkgf, cumpre a mesma tarefa em 13,4 segundos. Além do melhor desempenho, o consumo do primeiro também é melhor: 9,1 / 13,1 km/l em ciclo urbano / rodoviário contra 8,9 / 10,6 km/l do japonês.

Chevrolet Trailblazer

Nas provas de retomadas, o Trailblazer levou 4,2 / 5,5 / 7,4 segundos de 40 a 80 / 60 a 100 / 80 a 120 km/h. A SW4 fez, respectivamente, em 5,7 / 7,4 / 9,9 segundos. Na frenagens, nova vantagem para a GM, que chega a precisar de 9 metros a menos para ir de 120 km/h até a imobilidade.

Vida a bordo

Sensação de segurança e imponência do trânsito são características presentes nos dois modelos. Entretanto, os comportamentos divergem. O Traiblazer agoral oferece boa dose de conforto em qualquer situação graças às modificações nos conjuntos de suspensão, coxins e freios, além da inclusão de vidros mais espessos, que garantem o silêncio a bordo. Com isso, ele enfrenta terrenos de terra ou asfalto de má qualidade (além de valetas) com valentia e sem que os ocupantes sofram com os impactos.

Ao volante, os 200 cv e 51 mkgf dão agilidade de carro pequeno ao grandalhão de mais de duas toneladas. A direção elétrica (novidade na linha) reforça o conforto do motorista, especialmente em manobras. No Toyota, os 177 cv e 45,9 mkgf se mostram apenas suficientes. Entretanto, se na cidade a SW4 se revela inferior no quesitos agilidade e conforto, em rodovias a história muda. O Trailblazer, apesar do fôlego extra, apresenta maior rolagem da carroceria e passa a sensação de menor estabilidade. A maior quantidade de assistentes voltados à segurança atenua, mas não tira a desvantagem do Chevrolet nesse quesito.

Toyota SW4

A terceira fileira de bancos de ambos os modelos leva dois adultos sem grandes sacrifícios, mas as crianças vão melhor. O acesso é mais fácil no Chevrolet, tanto pelo esquema de rebatimento da segunda fila, quanto pelo formato das portas traseiras — o corte diagonal da SW4 prejudica a entrada de pessoas ali. Também os dois têm saídas de ar-condicionado traseiras com comandos de velocidade.

Chevrolet Trailblazer

Toyota SW4

O cinto central da SW4, instalado no teto, parece estar ali de enfeite: durante o período de teste, ninguém conseguiu fazer com que ele alcançasse o fecho no banco. Outro ponto negativo no SUV japonês está na ausência de sensores dianteiros para estacionamento, que fazem muita falta diante do para-choque pronunciado do SUV.

Pós-venda

A linha 2017 do trailblazer modelo passou a cobrar menos pelas revisões, que já eram mais baratas em relação à SW4 antes da reestilização. De acordo com os valores das seis primeiras revisões (de 10.000 a 60.000 km), divulgados nos sites das respectivas marcas, a diferença entre os modelos é de R$ 381. O Trailblazer cobra R$ 5.384 pela realização dos serviços, que saem por R$ 5.765 na SW4. A Chevrolet também possui mais concessionárias disponíveis no país – 600 , contra 216 da Toyota. A garantia é a mesma para as duas: três anos.

Por outro lado, pesa a favor da SW4 a fama de robustez e do pós-venda, geralmente elogiado pelos consumidores. A desvalorização da concorrente japonesa também costuma ser menor, pelo fato de haver maior procura tanto por modelos novos como por usados.

Veredicto

Mesmo com visual futurista de encher os olhos e a força da marca, não deu para a SW4. Numa análise racional focada no produto, a Trailblazer se mostrou melhor em quase todos os quesitos, incluindo equipamentos, tecnologia embarcada, desempenho, consumo e vida a bordo, tudo isso cobrando mais de R$ 47.000 a menos que o rival japonês. Por mais que a SW4 tenha fama e prestígio no mercado, nada justifica tamanha diferença.

Teste de Pista (Diesel)
Chevrolet Trailblazer Toyota SW4
ACELERAÇÃO
0 a 100 km/h: 9,8 s 13,4 s
0 a 1000 m: 31,4 s 34,5 s
VELOCIDADE MÁXIMA: n/d n/d
RETOMADAS
De 40 a 80 km/h: 4,2 s 5,7 s
De 60 a 100 km/h: 5,5 s 7,4 s
De 80 a 120 km/h: 7,4 s 9,9 s
FRENAGENS
60 / 80 / 120 a 0 km/h: 15,9 / 28,7 / 65,8 s 18,3 / 31,8 / 74,9 s
CONSUMO
Urbano: 9,1 km/l 8,9 km/l
Rodoviário: 13,1 km/l 10,6 km/l
Ficha Técnica
Chevrolet Trailblazer LTZ 2.8 diesel Toyota SW4 SRX 2.8 diesel
Preço: R$ 198.990 R$ 247.430
Motor: diesel, diant., longit., 4 cil., 2.776 cm3, 16V, 200 cv a 3.600 rpm, 51 mkgf a 2.000 rpm diesel, diant., longit., 4 cil., 16V, turbo, 92×103,6 mm, 2.755 cm³, 15:1, 177 cv a 3.400 rpm, 45,9 mkgf entre 1.600 e 2.400 rpm
Câmbio: automático de seis marchas, tração 4×4 automático de seis marchas, tração 4×4
Suspensão: duplo A (diant.), five-link (tras.) duplo A (diant.), four-link (tras.)
Freios: discos ventilados discos ventilados
Rodas e Pneus: liga leve, 265/60 R18 liga leve, 265/60 R18
Dimensões: comprimento, 488,7 cm; largura, 190,2 cm; altura, 184,4 cm; entre-eixos, 284,5 cm; peso, 2.161 kg; porta-malas, 205/554/1.043 l; tanque de combustível, 76 l comprimento, 479,5 cm; largura, 185,5 cm; altura, 183,5 ; entre-eixos, 274,5 cm; peso, 2.130 kg; porta-malas, l; tanque de combustível, 80 l
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. André Nicoleti

    Vitória acachapante. O cara que lê isso e ainda compra uma SW4 é maluco

  2. Ricardo Alexandre Souza

    Sou fã das duas marcas, tenho um sw4 2013, mas a trailblazer com seus puta motores deram um banho nos motores Toyota, e em tecnologia embarcada também a desvantagem é somente a desvalorização do Gm! Parabéns GM carro de ponta por $50000 reais a menos!!!! E GM também é inquebrável, tenho uma Montana a 9 anos e fico surpreso com a sua robustez !!!!!!

  3. Marco Antonio Cardoso Andrade

    Não há dúvida que a compra pela razão recai sobre o carro da Chevrolet!

  4. Luan Carvalho Andrade

    Puts, como assim não conseguem usar o cinto do meio? é uma coisa sem praticidade, mas não conseguir usar é sinal de burrice, além de uma certa tendencia a elogio para Blazer levando em conta o valor venal, essa bomba aí depois de 2 anos não vale nada e ainda é difícil de encontra um trouxa para passar pra frente, além de as CC da Chevrolet serem péssimas e terem um atendimento pós venda pior ainda, pq se tiver algum problema difícil de concertar, pode desistir, pq não resolvem nada.

  5. realmente o valor da sw4 é absurdo, mesmo eu gostando muito da marca, se pudesse comprar um carro desse valor passaria longe tanto da sw4 quanto da trailblazer, a esses preços prefiro optar por uma land rover discovery mesmo sendo usada.

  6. Daqui um tempo, a toyota vai cobrar uns 300 mil na SW4 mais sempre vai ter uns trouxas que vão pagar

  7. charles de paula izidio

    Esqueceram de falar da desvalorização, os 50 mil que supostamente vc perde comprando uma sw4 por encrivel que pareça vc encontra ele sabe aonde? na venda, consulte os mesmo carros na tabela fipe 2016 querendo ou não é a realidade