Os minicarros tão (ou mais) legais que os automóveis reais

Fiéis aos modelos originais, os minicarros tornam reais sonhos de infância e custam entre 13 500 e 25 000 reais

O mini hot road pode ser encomendado por R$ 25.000

O mini hot road pode ser encomendado por R$ 25.000 (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Enquanto os videogames evoluem a cada geração e disputam a pole position do realismo virtual ao volante, eis que ressurge um movimento que traz de volta aquele que foi o sonho de dez entre dez garotos vidrados em carro. São os produtores de minicarros, inspirados nos automóveis de verdade.

Nos anos 60, dirigir um brinquedo a gasolina, com luzes, buzina e até rádio, era coisa para poucos. Até existiam ainda algumas pistas em que se podia alugar um deles para umas poucas voltas, mas mesmo isso era caro.

O minicarro, depois de um tempo de esquecimento, ressurge, ainda que timidamente. As restrições impostas ao seu uso – eles não podem circular em vias públicas – ajudaram a relegá-los a meras lembranças para os mais velhos.

No entanto, de alguns anos para cá começaram a ressurgir modelos como Ford 1931, MP Lafer, Corvette, Fusca e até hot rods, com motores mais potentes e modificações estéticas. Feitos de modo artesanal, são alguns dos exemplares disponíveis para quem acha mais graça na vibração do motorzinho real que na simulação virtual.

E não são apenas as crianças que curtem a nova (velha) mania. “A sensação é viciante: você se sente desprotegido como se estivesse em uma moto e entra completamente na frequência do motor”, afirma David Padrão, 33 anos, colecionador e também restaurador de minicarros.

“A desculpa é comprar para o filho ou sobrinho, mas na realidade quem brinca são os adultos,” diz Marcelo Soares, proprietário da empresa Hot Kids, especializada na produção de hot rods em miniatura.

“Fiquei três anos desenvolvendo um motor ideal”, diz Soares, fabricante do Mini Hot Road, um Fordinho 1931 com motor de 400 cm³, câmbio CVT, tração nas rodas traseiras e sistema hidráulico de freios a disco. Os bancos são de couro e a pintura, segundo o fabricante, usa a mesma tinta utilizada pela Porsche.

Motor do Mini Hot Road tem 13 cv e câmbio CVT

Motor do Mini Hot Road tem 13 cv e câmbio CVT (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Se o motor de respeitáveis 13 cv não consegue reproduzir o timbre de um V8 que equipa um autêntico hot, ele promete não decepcionar o motorista, não importa seu tamanho. “A ideia é que a sensação de dirigir o minicarro se aproxime ao máximo do Ford 1931 modificado, por isso optei por amortecedores que privilegiem mais a esportividade”, diz Soares.

Uma miniatura do jipe Willys M38 1951, construída pelo curitibano Fernando Sgrillo em sua oficina improvisada na garagem, foi um presente para o neto, no ano de 2004. O interesse despertado pelo jipinho nos locais por onde rodava fez com que Pablo Sgrillo, filho de Fernando, tivesse a ideia de produzir os veículos para comercialização.

Hoje os carrinhos na escala 2:3 são exportados para Portugal, Inglaterra, Estados Unidos, Canadá e África do Sul. A linha completa das réplicas brasileiras conta com nove modelos. Têm carroceria de fibra de vidro, pneus criados especialmente para eles e motor de 6,5 cv, importado da China.

A miniatura do Chevrolet Corvette 1956, vencedor das 12 Horas de Sebring, é um dos modelos de maior sucesso. O esportivo custa 24.900 reais. O preço é alto, mas o nível de detalhamento e acabamento também. Na lateral, o detalhe conhecido como “dente branco” imita o de verdade, feito para refrigerar as rodas dianteiras.

Mini-Corvette de Ponce conta com volante de fibra de carbono e interior cromado

Mini-Corvette tem preço de carro de verdade: quase R$ 25 mil (Alexandre Severo/Quatro Rodas)

Os cromados no interior reforçam a marca registrada dos carros da época e até a cauda de arraia foi reproduzida. Segundo o fabricante, o desempenho reproduz o comportamento do esportivo real. A potência de 6,9 cv e o torque de 0,71 mkgf conferem a ele a velocidade de até 60 km/h, apesar dos 195 kg do minibólido. A suspensão tem três níveis de regulagem, que a tornam mais macia ou rígida, privilegiando a condução esportiva ou confortável.

Dispositivos de segurança como controle de desligamento do motor a distância e pedal de freio adicional para passageiro são opcionais. Apesar de destinados ao público infantil, os carrinhos comportam adultos de até 1,80 metro. O antigomobilista Luiz Ponce adquiriu a réplica do Corvette para uso próprio.

“Comprei para meu filho, mas, como ele só tem 3 anos, eu vou brincando até ele ter idade suficiente para se interessar”, diz Ponce, que tem 16 carros antigos e pretende aumentar a coleção de pequenos clássicos. “Comprei até uma Kombi 1970 só para transportar o mini-Corvette e os próximos que virão”, diz ele.

Mais novata no mercado, a paranaense Minicarros Clássicos também se especializou em réplicas de antigos. “Tenho preferência pelo MP Lafer e resolvi reproduzi-lo para presentear minha filha de 14 anos”, diz o proprietário Durval Magosso, que decidiu fazer do hobby um negócio e criou também uma réplica do Ford 1932. “A ideia foi construir um hot rod, com chamas na pintura e alteração do aro do pneu”, diz Magosso.

Fordinho 1932: por R$ 15.600, leva dois adultos de até 1,80 m

Fordinho 1932: por R$ 15.600, leva dois adultos de até 1,80 m (Alexandre Severo/Quatro Rodas)

O pequeno hot, com motor de 125 cm³, freio a disco, partida elétrica e câmbio de quatro marchas, seduziu o paulistano Ricardo Janotti, que, além de comprar um exemplar, resolveu representar a marca em São Paulo. Para rodar com o Fordinho, é necessário desembolsar R$ 16.600. Já o MP Lafer, que tem mais detalhes no exterior e interior, custa R$ 22.000.

O Fusca, modelo mais carismático entre os nacionais, também foi homenageado. Mauro Mendez, dono da KM Motors, começou a fabricar miniaturas em 2005. O preço varia de R$ 13.000 a R$ 14.000.

De pai para filha

Nem todas as crianças têm a sorte de Luiza Prado, de 9 anos: a cada aniversário ela ganha um minicarro de presente, adaptado ao seu tamanho e construído pelo próprio pai. “Desde que Luiza nasceu, me empenho para que ela tenha acesso aos carrinhos que pude pilotar”, diz Ronaldo Prado.

Profissional do ramo automobilístico, ele produz os carrinhos usando técnicas semelhantes às utilizadas para a concepção de protótipos. Luiza já tem oito minicarros – o nono, um Ford Mustang 1966, está em produção. Entre eles, réplicas do Ford 1931 elétrico, do MP Lafer, da Ferrari GTO 250 e do Marco GTO. Difícil é dizer quem gosta mais dos carrinhos, se o pai ou a filha…

Os queridinhos do papai

Com preços entre R$ 13.500 e R$ 25.000, os minicarros já contam com dezenas de modelos. Entre os preferidos, estilos variados. Tem para todos os gostos: esportivos, clássicos, aventureiros e até populares. As réplicas têm em comum a produção artesanal em fibra de vidro, que confere a mesma aparência dos carros reais e reduz o peso. Os carrinhos têm uso restrito nas vias públicas, mas podem circular em condomínios e parques. Sob encomenda, a entrega leva de 30 a 90 dias.

Mini Hot Road

Segundo o fabricante, a pintura usa a mesma tinta utilizada pela Porsche

Motor: traseiro, transversal, 1 cilindro, 13 cv a 3 800 rpm, 2,70 mkgf a 2 500 rpm
Câmbio: automático, CVT, tração traseira
Dimensões: comprimento, 290 cm; largura, 140 cm; altura, 100 cm; entre-eixos, 210 cm; peso, 230 kg
Preço: R$ 25.000
Site: hotkids.com.br

 

Corvette 1956 “Vette Sebring”

O Corvette "Vette Sebring" sai por R$ 24.900

Motor: traseiro, transversal, 1 cilindro, 6,5 cv a 6 000 rpm e 0,71 mkgf a 5 000 rpm
Câmbio: semiaut., 3 marchas, tração traseira
Dimensões: comprimento, 280 cm; largura, 120 cm; altura, 106 cm; entre-eixos, 173 cm; peso, 195 kg
Preço: R$ 24.900
Site: junior-replicas.com.br

 

MP Lafer

(Divulgação/Mini carros clássicos)

Motor: traseiro, transversal, 1 cilindro, 6,9 cv a 7 500 rpm e 0,71 mkgf a 5 000 rpm
Câmbio: semiaut., 3 marchas, tração traseira
Dimensões: comprimento, 275 cm; largura, 110 cm; altura, 92 cm; entre-eixos, 165 cm; peso, 220 kg
Preço: R$ 22.000
Site: minicarrosclassicos.com.br ou facebook.com.br/minicarrosclassicos

 

Mini-Fusca

O mini Fusca é o veículo mais acessível: R$ 13.500

Motor: traseiro, transversal, 1 cilindro, 6,5 cv a 6 000 rpm e 0,71 mkgf a 5 000 rpm
Câmbio: manual, 1 marcha, tração traseira
Dimensões: comprimento, 223 cm; largura, 102 cm; altura, 98 cm; entre-eixos, n/d; peso, 160 kg
Preço: R$ 13.500
Tel: (43) 3258-7661

 

Jeep MB 1942

(Divulgação/Junior réplicas)

Motor: traseiro, transversal, 1 cilindro, 6,5 cv a 6 000 rpm e 0,71 mkgf a 5 000 rpm
Câmbio: semiaut., 3 marchas, tração traseira
Dimensões: comprimento, 235 cm; largura, 100 cm; altura, 105 cm; entre-eixos, 144 cm; peso, 160 kg
Preço: R$ 17.900
Site: junior-replicas.com.br

 

Corvette 1956

(Divulgação/Junior réplicas)

Motor: traseiro, transversal, um cilindro, 6,5 cv a 6 000 rpm, 0,71 mkgf a 5 000 rpm
Câmbio: semiaut., 3 marchas, tração traseira
Dimensões: comprimento, 280 cm; largura, 120 cm; altura, 106 cm; entre-eixos, 267 cm; peso, 195 kg
Preço: R$ 24.900
Site: junior-replicas.com.br

 

Ford 1932

Fordinho 1932: por R$ 15.600, leva dois adultos de até 1,80 m

Fordinho 1932: por R$ 15.600, leva dois adultos de até 1,80 m (Alexandre Severo/Quatro Rodas)

Motor: traseiro, transversal, 1 cilindro, 6,9 cv a 7 500 rpm, 0,71 mkgf a 5 000 rpm
Câmbio: semiautomático, 3 marchas, tração traseira
Dimensões: comprimento, 264 cm; largura, 126 cm; altura, 94 cm; entre-eixos, 170 cm; peso, 220 kg
Preço: R$ 16.600

Site: minicarrosclassicos.com.br ou facebook.com.br/minicarrosclassicos

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Bruno Balestra

    Eu leio a Quatro Rodas há mais de 20 anos e adoro a revista. Já fui até premiado num dos concursos de identificar o carro por foto de parte dele nos idos da primeira década deste século. Exatamente por tanta afetividade com a publicação, me dói ver erros crassos como o de chamar os Hot Rods de Hot Roads. Parece pequeno demais, mas pra um apaixonado é como ver alguém chamando Roberto Carlos de Erasmo só por dividirem parte do nome. Claramente, este é alguém que não tem a menor intimidade com o assunto abordado, como não é o caso da revista. Deixem esses erros de principiante pra sua rival, Motor Show. A Quatro Rodas é melhor que isso!