Clique e assine por apenas 8,90/mês

Teste: Ford Mustang Black Shadow é um V8 GT com um pouco mais de sombra

Com seu V8 5.0 de 466 cv de potência, ele continua o mesmo bad boy de sempre e aposenta a GT Premium, vendida até agora

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 5 fev 2020, 08h01 - Publicado em 5 fev 2020, 07h00
Cavalo negro na grade escura: clima sinistro na dianteira Fernando Pires/Quatro Rodas

Pode não parecer, mas o Mustang é um carro muito importante para a Ford no Brasil.

“A procura está sempre em alta e, por se tratar de um carro icônico, a margem de lucro é muito boa tanto para a fábrica quanto para as concessionárias”, diz uma fonte ligada à marca que pediu para não ser identificada.

Rodas, aerofólio e teto são pretos na série Black Shadow Fernando Pires/Quatro Rodas

Então, era de se esperar que tudo seguisse o rumo normal, já que o Mustang é líder absoluto do segmento e com larga vantagem em relação ao arquirrival Camaro.

Ainda assim, o ano começa com uma novidade: a Ford vai promover uma mudança na comercialização do Mustang, substituindo a versão V8 GT Premium pela Black Shadow, a novidade que você começa a conhecer a partir de agora.

Rodas do Black Shadow, aro 19, têm desenho exclusivo Fernando Pires/Quatro Rodas

Não espere uma revolução: só detalhes diferenciam o Black Shadow do GT V8 Premium, que deixa de ser vendido.

Continua após a publicidade

Por fora, os itens que mais justificam o nome Black: logotipo Mustang da grade, teto, rodas com desenho diferenciado e aerofólio sobre a tampa do porta-malas na cor preta.

Console elevado isola o piloto do passageiro Fernando Pires/Quatro Rodas

Sobre o capô e nas laterais, faixas decorativas. Mas, ao contrário do que o nome pode sugerir, a carroceria está disponível em dez cores.

Na cabine, mudanças ainda mais discretas: bancos com faixas de Alcantara – um refinado tecido sintético com textura muito similar à do lado avesso do couro – e faixa superior do painel revestida com fibra de carbono e uma plaqueta alusiva aos 55 anos do Mustang, comemorados em 2019.

Mustang: 55 anos completados em 2019 Fernando Pires/Quatro Rodas

Ou seja, é apostando na força do aniversário do carro que a Ford decidiu dar uma aura de edição especial a uma versão que, na prática, apenas incorporou um discreto pacote estético.

A marca aproveitou também para fazer um ajuste na tabela de preços, com o Black Shadow chegando por R$ 328.900 – R$ 15.000 a mais do que o aposentado GT Premium.

Continua após a publicidade
Aperte start para acordar o monstro V8 5.0 de 466 Fernando Pires/Quatro Rodas

Mas dizer que o Mustang pouco mudou pode (e deve) ser interpretado como elogio, afinal ele nunca esteve tão bom. Duvida?

O motor, claro, é o grande destaque.

Herói da resistência diante da necessidade de diminuição da quantidade de cilindros e do deslocamento volumétrico e da apĺicação cada vez mais massiva de turbocompressores, o Mustang conta com um veoitão 5.0 aspirado de 466 cv de terceira geração da família Coyote.

V8 aspirado, sim, mas com muita tecnologia: injeção de gasolina direta e indireta e dois comandos de válvulas por bancada de cilindros Fernando Pires/Quatro Rodas

Aqui, tradição nada tem a ver com falta de modernidade: são dois comandos de válvulas variáveis por bancada (um para as de escape e outro para as de admissão) e duplo sistema de injeção de gasolina (direta e indireta).

Caixa automática de dez marchas: desenvolvida por meio de uma inusitada parceria entre Ford e GM. É a mesma que equipa o Camaro Fernando Pires/Quatro Rodas

Tecnologias tão impensáveis pouco tempo atrás quanto a parceria estabelecida entre as arquirrivais Ford e GM que levou à criação do supercâmbio automático de nada menos do que dez marchas.

Continua após a publicidade

Isso aí: a caixa que equipa o Mustang é a mesma do Camaro, mudando apenas a calibração de cada uma.

Banco do motorista mescla ajustes elétricos e manuais Fernando Pires/Quatro Rodas

A suspensão também é merecedora de elogios. Esqueça o comportamento arisco de outrora: hoje, com direito a suspensão traseira multilink e um arsenal de sistemas eletrônicos de controle, o Mustang está menos indócil.

Com o auxílio dos amortecedores adaptativos MagneRide com variação de rigidez, o piloto tem à sua disposição um dos modelos de comportamento mais versáteis do mercado.

No modo mais confortável, a direção é leve, a suspensão macia, o escape silencioso e as trocas ocorrem pouco acima das 1.000 rpm.

Espaço na traseira é suficiente apenas para crianças. Se forem muito pequenas e precisarem de assento especial, sem problema: há Isofix nas duas laterais Fernando Pires/Quatro Rodas

Porém, ao ativar os modos mais esportivos, prepare-se: as saídas em baixa rotação embaralham como se fosse um carro de competição, o volante pesa, os pedais ficam ultrassensíveis e a suspensão enrijece como se o óleo tivesse petrificado dentro dos amortecedores.

Continua após a publicidade
Em se tratando de um esportivo, até que o porta-malas é grande: são 382 litros, de acordo com a Ford Fernando Pires/Quatro Rodas

E aí o Mustang deixa de se parecer com um Fusion anabolizado e passa a justificar a boa fama de puro-sangue que acumulou ao longo de seus 55 anos.

Tocado esportivamente, ele obedece instantaneamente aos inputs de volante e pedais, mas cuidado: há sempre uma cascata de torque e potência querendo chegar às rodas e qualquer exagero na dose é letal, sobretudo nas saídas de curva.

Em nosso campo de provas, em Limeira, cravou 4,8 segundos na aceleração de 0 a 100 km/h.

Painel: layout muda de acordo com o modo de condução escolhido e permite personalização ao gosto do piloto Fernando Pires/Quatro Rodas

Há muita tecnologia também. O painel digital exibe layouts mais convencionais nos modos mais pacatos ou com prioridade nos monitores de performance (temperatura de câmbio e conta-giros, por exemplo) nos modos esportivos.

O sistema de som Bang & Olufsen, composto por 12 alto-falantes, incluindo um subwoofer de 12 polegadas, é uma ótima opção para os momentos que o piloto decidir ouvir uma trilha sonora diferente da sinfonia dos oito cilindros.

Continua após a publicidade
O sistema de som Shaker Pro, da Rockford Fosgate, importado inicialmente, foi substituído desde o ano-modelo 2019. Desde então, um conjunto da dinamarquesa Bang & Olufsen equipa o cupê Fernando Pires/Quatro Rodas

As vendas do Black Shadow começam em janeiro de 2020, mas, como era esperado, as encomendas iniciaram quase dois meses antes, com colecionadores e fãs ávidos para colocar uma unidade na garagem antes de todo mundo. E olha que nem é uma série tão especial assim.

Ficha técnica – Mustang Black Shadow V8 5.0

  • Preço: R$ 328.900
  • Motor: gasolina, dianteiro, longitudinal, V8, 5.038 cm³, 32V, 466 cv a 7.000 rpm, 56,7 mkgf
    a 4.600 rpm
  • Câmbio: automático, 10 marchas, tração traseira
  • Suspensão: McPherson (dianteira), Multilink (traseira)
  • Freios: disco ventilado (dianteira e traseira)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: liga leve, 255/40 R19 (dianteira), 275/40 R19 (traseira)
  • Dimensões: comprimento, 478,9 cm; largura 195,7 cm; altura, 138,2 cm; entre-eixos, 272 cm; peso, 1.783 kg; tanque, 60,5 litros; porta-malas, 382 litros

Teste – Mustang Black Shadow V8 5.0

Aceleração
0 a 100 km/h: 4,8 s
0 a 1.000 m: 23,2 s – 232,8 km/h

Velocidade máxima
250 km/h (limitada eletronicamente)

Retomada (em D)
40 a 80 km/h: 2,4 s
60 a 100 km/h: 2,8 s
80 a 120 km/h: 2,9 s

Frenagens
60/80/120 km/h – 0 m: 12,6/22,4/50,8 m

Consumo
Urbano: 7 km/l
Rodoviário: 11,5 km/l

Publicidade