Clique e assine por apenas 8,90/mês

Onix x HB20 x Gol x Ka: a corrida atrás do líder

De cara nova, o Onix é o atual campeão de vendas, mas precisa vencer HB20, Gol e Ka para seguir no topo

Por Vitor Matsubara - Atualizado em 23 nov 2016, 21h50 - Publicado em 14 out 2016, 19h16

Abre Compara Hatch - 685

Todos querem desbancar o Onix. O compacto da GM fechou o primeiro semestre com 68.535 unidades vendidas, uma confortável vantagem de 12.613 carros para o vice-líder, Hyundai HB20, segundo dados da Fenabrave.

Os modelos, aliás, nadam de braçada em meio à tormenta que atinge a indústria automotiva, já que Ford Ka e VW Gol nem sequer atingiram 35.000 emplacamentos.

Diante do primeiro facelift realizado pela Chevrolet, convocamos os três desafiantes, justamente os mais vendidos e atuais do segmento, já que todos foram lançados ou atualizados nos últimos dois anos, para ver se algum deles pode ameaçar o reinado do Onix. Descubra a seguir.

LEIA MAIS:

>> Segredo: novo Volkswagen Gol chega em 2018

>> Teste: Chevrolet Onix Activ e Prisma LTZ

>> Comparativo: Citroën C3 1.2 X Peugeot 208 1.2

 

Continua após a publicidade

4º – Volkswagen Gol Highline 1.6

VW Gol Highline 1.6
Renovado há alguns meses, o Gol preservou o antigo motor 1.6

Embora tenha sofrido uma plástica há pouco tempo, o Gol é o veterano da turma. A atual geração está entre nós há oito anos e assim permanecerá pelo menos até 2017, quando um projeto totalmente novo deve estrear.

Volkswagen Gol
Faróis e para-choques foram redesenhados

Algumas características ainda agradam, como a boa posição de dirigir e os engates suaves do câmbio manual de cinco marchas. Mas no geral a modernidade dos rivais deixou o Gol para trás.

O ex-campeão de vendas sente o peso da idade tanto na ergonomia quanto no aproveitamento de espaço interno, ambos superiores na concorrência. Apesar de ter recebido melhorias, o motor ainda é o velho 1.6, de até 104 cv se abastecido com etanol.

Na pista de testes, o VW foi o mais lento na aceleração de 0 a 100 km/h (12 segundos) e o mais beberrão nas medições de consumo urbano (10,6 km/l) e rodoviário (14,8 km/l), mas foi o melhor em duas das três provas de frenagem.

VW Gol Highline 1.6 - 2
Cabine ficou mais elegante, mas ergonomia é ruim

Além de ter sido atualizado por fora, o interior ganhou em visual (com traços semelhantes aos modelos mais recentes da VW) e conectividade, graças à central multimídia Composition Touch, com funções como espelhamento da tela do smartphone.

Opcionalmente, o cliente pode levar um equipamento ainda mais avançado, a Discover Media, que oferece aplicativos e responde comandos de voz. Neste caso, porém, o preço básico de R$ 53.350 pode chegar a R$ 58.544.

Interior VW Gol Highline 1.6
Posição de dirigir agrada, assim como o tecido dos bancos

Além do preço salgado, o Gol também maltrata o bolso com a apólice de seguro mais elevada de todos (R$ 2.438) e a segunda cesta de peças mais cara do grupo (R$ 3.382). Do jeito que está, o ex-campeão acabou ficando no quarto lugar do nosso comparativo.

Continua após a publicidade

VEREDICTO

A receita clássica agrada ao fã-clube cativo do Gol, mas há opções mais modernas e confortáveis no mercado pelo mesmo preço pedido pela VW.

TESTE DE PISTA (COM GASOLINA)
Aceleração de 0 a 100 km/h 12 s
Aceleração de 0 a 1.000 m 33,8 s – 150,7 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h (em 3ª) 7,6 s
Retomada de 60 a 100 km/h (em 4ª) 11,6 s
Retomada de 80 a 120 km/h (em 5ª) 17,5 s
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 15,5 / 29,3 / 64,6 m
Consumo urbano 10,6 km/l
Consumo rodoviário 14,8 km/l
FICHA TÉCNICA
Motor flex, diant., transv., 4 cil., 1.598 cm3, 8V, 104/101 cv a 5.250 rpm, 15,6/15,4 mkgf a 2.500 rpm
Câmbio manual, 5 marchas, tração dianteira
Suspensão McPherson (diant.) / eixo de torção (tras.)
Freios a disco (diant.) / tambor (tras.)
Direção hidráulica
Rodas e pneus liga leve, 195/50 R16
Dimensões comprimento, 389,7 cm; altura, 146,4 cm; largura, 189,3 cm; entre- eixos, 246,6 cm; peso, 1.036 kg; tanque, 55 l
Equipamentos de série ar-condicionado, Bluetooth, vidros e travas elétricas, fárois de neblina, sensor de estacionamento traseiro
Preço R$ 53.350

 

Continua após a publicidade

3º – Ford Ka SEL 1.5

Ford Ka SEL 1.5
Lançado há dois anos, o Ka é o segundo projeto global da Ford feito no Brasil

O Ka está com a bola toda dentro da Ford. Lançado há dois anos no país, ele acaba de chegar à Europa, onde substituirá a antiga geração baseada no Fiat 500. Se lá fora ele vai encarar rivais como Toyota Aygo e VW Up!, por aqui o modelo tem vida ainda mais complicada.

Diante dos best-sellers Hyundai HB20 e Chevrolet Onix, o Ka aposta na segurança: é o único modelo da categoria equipado com assistente de partida em rampa e controles de estabilidade e de tração – itens indisponíveis nem sequer como opcionais em todos os rivais.

Ford Ka
Estilo é de 2014, mas permanece atual

O compacto da Ford também traz o assistente de emergência, que realiza chamadas para o serviço de resgate em caso de acidente – apenas o Onix tem uma funcionalidade semelhante no OnStar.

A versão SEL também é bem equipada, oferecendo conteúdo parelho com o da concorrência, embora seja o único que não possui uma central multimídia com tela sensível ao toque – no lugar, há o confuso sistema Sync, difícil de entender e operar.

Continua após a publicidade
Ford Ka SEL 1.5 - 2
É o único que não possui uma central multimídia com tela sensível ao toque – no lugar, há o confuso sistema Sync

Por outro lado, quem comprá-lo não vai sofrer no bolso: além de custar menos que seus rivais, a cesta de peças do Ka é a segunda mais barata do grupo (R$ 2.783), assim como o seguro (R$ 1.835, acima apenas do Onix). O modelo só não obteve uma colocação melhor pela superioridade dos oponentes na pista de testes.

Ford Ka SEL 1.5 - 3
Posição de guiar cansa em viagens longas

Embora tenha sido o mais econômico de todos, o Ka perdeu para HB20 e Onix nas provas de retomada, frenagem e nível de ruí­do. Além disso, o representante da Ford é mais apertado (principalmente no banco de trás) e tem acabamento menos esmerado. Analisando prós e contras, o Ka ficou na terceira posição, mas muito perto de seus concorrentes.

VEREDICTO

O Ka não é o mais ágil da turma, mas honra a tradição de boa dirigibilidade de seus antecessores. Poderia ser mais bem-acabado e espaçoso.

TESTE DE PISTA (COM GASOLINA)
Aceleração de 0 a 100 km/h 11,4 s
Aceleração de 0 a 1.000 m 32,8 s -157,6 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h (em 3°) 7,9 s
Retomada de 60 a 100 km/h (em 4°) 11,9 s
Retomada de 80 a 120 km/h (em 5°) 19,7 s
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 16 / 27,7 / 68 m
Consumo urbano 11,9 km/l
Consumo rodoviário 15,3 km/l
FICHA TÉCNICA
Motor flex, diant., transv., 4 cil., 1.499 cm3, 16V, 110/105 cv a 5.500/6.500 rpm, 14,9/14,6 mkgf a 4.250 rpm
Câmbio manual, 5 marchas, tração dianteira
Suspensão McPherson (diant.)/eixo de torção (tras.)
Freios a disco (diant.) e tambor (tras.)
Direção elétrica, 10,4 m (diâm. giro)
Rodas e pneus liga leve, 195/55 R15
Dimensões compr., 388,6 cm; altura, 152,5 cm; largura, 169,5 cm; entre-eixos, 249,1 cm; peso, 1.034 kg; tanque, 51 l
Equipamentos de série ar-condicionado, ESP, controle de tração, assistente de rampa
Preço R$ 52.140

 

Continua após a publicidade

2º – Chevrolet Onix LTZ 1.4 Eco

Chevrolet Onix LTZ 1.4 Eco
Atrás, lanternas redesenhadas e novo para-choque

Foi por muito pouco que o Onix não se sagrou vencedor do comparativo. O campeão de vendas no país estreia um novo design, que também resolveu importantes deficiências de ergonomia do projeto no interior, incluindo o fim dos botões pouco práticos da central multimídia MyLink.

Ainda não foi dessa vez que o veterano motor 1.4 SPE/4 saiu de cena, mas pelo menos ele ganhou peças mais leves, uma nova transmissão manual de seis marchas e trocou a direção hidráulica pela elétrica, contribuindo para uma redução de até 18% no consumo de combustível, segundo a a Chevrolet.

Continua após a publicidade
Chevrolet Onix
Faróis lembram os do Cruze

No que diz respeito aos custos de manutenção, o seguro do Onix é o mais barato de todos (R$ 1.599,89) e a oferta do serviço OnStar em todas as versões deve baixar ainda mais o valor do prêmio nos próximos meses. A situação só não é mais favorável ao bolso porque a cesta de peças é a mais cara do grupo (R$ 4.467,94).

Bem equipada, a versão LTZ traz todas as funcionalidades do serviço OnStar, mais a segunda geração da central multimídia MyLink, com suporte a Android Auto e Apple CarPlay e reconhecimento de comandos de voz.

Chevrolet Onix LTZ 1.4 Eco
Exemplar da foto tem câmbio automático; a unidade testada é manual de seis marchas

Dinamicamente, o modelo sofre do mesmo “mal” do For Ka: ele é gostoso de dirigir, mas não chega a ser tão bem acertado (nem tão confortável) como o HB20. Isso se refletiu em nossa pista de testes, onde o Onix não se destacou em nenhum quesito (com exceção da retomada de 40 a 80 km/h, na qual foi o mais rápido), mas também não passou vexame em nenhum deles.

Chevrolet Onix LTZ 1.4 Eco - 3
Bancos têm revestimento texturizado

No fim das contas, o hatch da Chevrolet ficou em um honroso segundo lugar, na cola do Hyundai HB20.

VEREDICTO

Modernizado e recheado, o Onix é uma das referências em hatches – só não é melhor por causa de um tal de HB20.

TESTE DE PISTA (COM GASOLINA)
Aceleração de 0 a 100 km/h 12 s
Aceleração de 0 a 1.000 m 33,6 s – 154 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h (em 3ª) 7,2 s
Retomada de 60 a 100 km/h (em 4ª) 11,3 s
Retomada de 80 a 120 km/h (em 5ª) 18,2 s
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 16 / 29,5 / 66,1 m
Consumo urbano 11 km/l
Consumo rodoviário 14,2 km/l
FICHA TÉCNICA
Motor flex, diant., transv., 4 cil., 1.389 cm3, 8V, 106/98 cv a 6.000 rpm, 13,9/13 mkgf a 4.800 rpm
Câmbio manual., 6 marchas, tração dianteira
Suspensão McPherson (diant.)/eixo de torção (tras.)
Freios discos ventilados (diant.) e tambor (tras.)
Direção elétrica, 10,4 m (diâm. giro)
Rodas e pneus liga leve, 185/65 R15
Dimensões compr., 393,3 cm; altura, 147,6 cm; largura, 170,5 cm; entre-eixos, 252,8 cm; peso, 1.042 kg; tanque, 54 l
Equipamentos de série ar-condicionado, fárois com leds, radas aro 15, sensor de estacionamento traseiro
Preço R$ 59.790

 

Continua após a publicidade

1º – Hyundai HB20 Comfort Style

Hyundai HB20 Comfort Style
Gosta de dirigir? Então o HB20 é a escolha mais indicada

Continua após a publicidade

Entra ano, sai ano e o HB20 continua vencendo os comparativos. Os méritos vão todos para a Hyundai, autora de um projeto bem equilibrado que atende às necessidades e desejos do consumidor brasileiro como poucos modelos.

Se você gosta de números, a superioridade do hatch vai te impressionar. Foi ele o campeão nas provas de aceleração 0 a 100 km/h, retomada (60 a 100 km/h e 80 a 120 km/h) e nível de ruído. Quando não foi o melhor, praticamente empatou com o vencedor, como nos testes de retomada de 40 a 80 km/h (perdendo para o Onix) e consumo urbano (superado apenas pelo Ka).

Hyundai HB20
Desenho da dianteira foi levemente modificado em 2015

O seguro não é dos mais baixos (R$ 1.933,32), mas a cesta de peças é a segunda mais barata do grupo (R$ 2.975,20) e a garantia de cinco anos é a maior da categoria.

Apresentada há menos de um ano, a reestilização revigorou o design do hatch lançado há quatro anos. Ao volante, o motor 1.6 16V de até 128 cv com etanol continua sendo um dos mais espertos da categoria, formando um casamento perfeito com a transmissão manual de seis velocidades, dona de engates macios e precisos – melhores até do que a elogiada caixa MQ 200 da VW.

Hyundai HB20 Comfort Style - 3
Nada muda por dentro desde 2012

A calibragem da suspensão priorizando o conforto faz o HB20 reclamar um pouco dos buracos, mas nada que incomode demais.

As inúmeras qualidades até amenizam defeitos como a direção excessivamente leve em velocidades elevadas, o preço alto de R$ 55.555 e a falta de equipamentos oferecidos de fábrica pela concorrência, como a central multimídia – um simples rádio ocupa seu lugar.

Hyundai HB20 Comfort Style -2
Posição de dirigir esportiva é boa

Com muito mais virtudes do que deficiências, o HB20 garantiu a vitória, seguido de pertinho pelo novo Onix.

VEREDICTO

Mesmo após quatro anos, o HB20 ainda é um dos melhores projetos nacionais. Bonito, confortável e ágil, ele é mais caro, mas vale o investimento.

TESTE DE PISTA (COM GASOLINA)
Aceleração de 0 a 100 km/h 10,6 s
Aceleração de 0 a 1.000 m 32 s – 162,7 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h (em 3ª) 7,3 s
Retomada de 60 a 100 km/h (em 4ª) 10,9 s
Retomada de 80 a 120 km/h (em 5ª) 15,8 s
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 15,8 / 27,6 / 66 m
Consumo urbano 11,2 km/l
Consumo rodoviário 16,7 km/l
FICHA TÉCNICA
Motor flex, diant., transv., 4 cil., 1.591 cm3, 16V, 128/122 cv a 6.000 rpm, 16,5/16 mkgf a 5.000/4.500 rpm
Câmbio manual, 6 marchas, tração dianteira
Suspensão McPherson (diant.)/eixo de torção (tras.)
Freios discos ventilados (diant.) e tambor (tras.)
Direção elétrica
Rodas e pneus liga leve, 185/60 R15
Dimensões compr., 392 cm; altura, 147 cm; largura, 168 cm; entre-eixos, 250 cm; peso, 1.040 kg; tanque, 50 l
Equipamentos de série ar-condicionado, Bluetooth, lanternas com leds, vidros e travas elétricas, fárois de neblina
Preço R$ 55.555
Publicidade