Clique e assine com até 75% de desconto

Nissan March SL com câmbio CVT: ágil, equipado e agora mais confortável

Compacto ganha transmissão automático e mantém boa oferta de equipamentos. Mas já sente o passar dos anos

Por Guilherme Fontana Atualizado em 23 nov 2016, 21h36 - Publicado em 6 set 2016, 15h19
Nissan March SL
Traços do March agradam, mas já dão sinais de cansaço

O Nissan March amadureceu rápido no mercado brasileiro. Desde que chegou, há apenas cinco anos, ganhou cara nova, produção nacional e motor 1.0 de três cilindros. Agora o modelo incorpora a opção de câmbio automático CVT. Apesar da boa trajetória e dos números de venda expressivos, porém, ele nunca chegou perto de incomodar os líderes do segmento.

No acumulado de janeiro a agosto de 2016, foram 10.940 unidades emplacadas, segundo dados da Fenabrave. No mesmo período, o Onix registrou 80.146, enquanto o Etios fechou os sete primeiros meses de 2016 com 21.048.

A chegada da transmissão automática não deve mudar muito o cenário, mas pode torná-lo mais atrativo para o público que prefere deixar o pé esquerdo descansando. Avaliamos a configuração topo de linha do hatch, SL 1.6 CVT, que sai por R$ 58.990. O preço é elevado, mas está na média da concorrência – e traz um recheio generoso.

Carregando traços de suas antigas gerações, o visual do March já dá sinais de cansaço. Mesmo assim, ainda tem seus adeptos. A dianteira alta, curvilínea e com grandes e arredondados faróis dá aspecto de robustez ao compacto — ao contrário da traseira, acanhada e com lanternas que parecem destacadas da carroceria. Máscara negra nos faróis e lanternas, maçanetas e nichos dos faróis de neblina cromados, aerofólio e rodas diamantadas de 16 polegadas são exclusividades da versão mais cara.

Nissan March SL
Lanternas escurecidas, rodas diamantadas e aerofólio são exclusivos da versão SL

O March concentra no interior seus principais pontos fortes e fracos. No acabamento, os materiais são notadamente de baixo custo. Entretanto, a montagem mostra cuidado com bons encaixes, vãos uniformes entre as peças e ausência de ruídos. A porção central tenta dar mais sofisticação com acabamento em preto blilhante  e faixas que imitam aço escovado — o resultado é bom, mas convém deixar um pano (macio, contra os fáceis arranhões) para tirar o pó aparente. De tecido e sem opção de couro, os bancos têm aparência frágil e textura áspera. O quadro de instrumentos é simples, mas de fácil leitura.

Continua após a publicidade

A lista de equipamentos de série da versão SL merece elogios: ar digital automático, direção, vidros, travas e retrovisores elétricos, volante multifuncional, faróis de neblina, ajustes de altura do banco do motorista, alarme, além dos obrigatórios freios ABS e airbags frontais.

Nissan March SL
Ar-condicionado digital e central multimídia com câmera de ré são de série. Acabamento, porém, desaponta

Completando o pacote, há a central multimídia Nissan Multi-App. O sistema com tela de 6,2 polegadas oferece entradas USB/AUX, Bluetooth, navegador GPS, câmera de ré e acesso à Internet com conexão WiFi pela plataforma Android, que permite ainda o download de aplicativos compatíveis. Completo e intuitivo, o sistema pode ser operado sem dificuldades e com toques leves na tela.

No dia a dia, o March enfrenta sem medo grandes centros urbanos e, porque não, longos trajetos rodoviários. O motor 1.6 16V flex de 111 cv a 5.600 e 15,1 mkgf a 4.000 rpm (ambos os números independem do combustível utilizado) empurra com vontade o compacto de apenas 999 kg. Para ir de 0 a 100 km/h, ele leva apenas 11,1 segundos, enquanto a retomada de 80 a 120 km/h é feita em 7,8 – números obtidos com gasolina. A direção elétrica reforça a leveza do modelo. 

Nissan March SL
Com câmbio CVT, compacto vai de 0 a 100 km/h em 11,1 segundos

A suspensão, embora de acerto mais rígido para privilegiar a estabilidade e compensar o baixo peso e a altura em relação ao solo, não permite que o carro e seus ocupantes sofram com o asfalto esburacado. Enfim, vamos à grande novidade: a transmissão CVT. Desenvolvido pela Nissan exclusivamente para os compactos March e Versa, o câmbio tem alterações em relação ao utilizado em modelos maiores, como Sentra e Altima.

Nissan March SL
Transmissão sem relação de marchas ajuda no consumo: 11,7/15,8 km/l em ciclo urbano/rodoviário

O diâmetro da engrenagem, por exemplo, foi expandido, enquanto a bomba de óleo foi otimizada e a correia tem maior área de contato. Com isso, seu funcionamento é suave e dispensa os típicos trancos dos automáticos convencionais, uma vez que o CVT não tem relações definidas de marchas. Em qualquer situação a resposta é rápida — mas, em retomadas, fica melhor com a função overdrive, que eleva o giro do motor como um modo Sport. A transmissão também ajuda no consumo: com gasolina, conseguiu médias de 11,7/15,8 km/l em ciclo urbano/rodoviário.

Não queira, porém, imaginar que o March é um carro para levar a família toda. O espaço para os ocupantes traseiros é diminuto, especialmente para pernas. O porta-malas leva apenas 265 litros e o tanque de combustível tem poucos 41 litros – menos que o Mobi, que tem 47 litros. Contam contra ele ainda a falta de cinto de três pontos e apoio de cabeça centrais, além da ausência de pontos de fixação Isofix.

Nissan March SL
Espaço não é o forte do March, que leva apenas 265 litros

Os custos de pós-venda são menores em relação à concorrência: o pacote de seis revisões (de 10.000 a 60.000 km) soma R$ 2.344. A Toyota cobra R$ 2.418 pelos mesmos serviços para o Etios, a Hyundai, R$ 2.772 para o HB20 e, a Chevrolet, R$ 3.080 para o Onix. 

VEREDICTO

O March é um dos típicos casos de bom produto nem sempre lembrado pelo mercado. Com boa lista de equipamentos de série, além de um conjunto mecânico afiado e competente, o compacto japonês merece sua atenção. De cara, o preço pode assustar, mas a relação de custo-benefício agrada. Entretanto, lembre-se: só pense nele se você não precisa de espaço para filhos e bagagens.

Ficha Técnica
Nissan March 1.6 SL CVT
Preço: R$ 58.990
Motor: flex, diant., transv., 4 cil., 1.598 cm3, 16V, 111 cv a 5.600 rpm, 15,1 mkgf a 4.000 rpm
Câmbio: automático CVT (continuamente variável), tração dianteira
Suspensão: McPherson (diant.) e eixo de torção (tras.)
Freios: discos ventilados (diant.) e tambor (tras.)
Rodas e pneus: liga leve, 185/55 R16
Dimensões: comprimento, 382,7 cm; largura, 167,5 cm; altura, 152,8; entre-eixos, 245 cm; peso, 999 kg; porta-malas, 265 l; tanque de combustível, 41 l
Teste de Pista (com gasolina)
Nissan March 1.6 SL CVT
ACELERAÇÃO
0 a 100 km/h: 11,1 s
0 a 1000 m: 32,6 s / 157,9 km/h
VELOCIDADE MÁXIMA: n/d
RETOMADAS
De 40 a 80 km/h: 4,8 s
De 60 a 100 km/h: 6,3 s
De 80 a 120 km/h: 7,8 s
FRENAGENS
60/80/120 a 0 km/h: 16,6/28,1/63,5 s
CONSUMO
Urbano: 11,7 km/l
Rodoviário: 15,8 km/l
Continua após a publicidade
Publicidade