Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Quais defeitos nosso Citroën C3 apresentou antes dos 10.000 km

Enquanto concessionários vivem crise com a Citroën e o C3 contabiliza campanhas de correções, nosso carro coleciona elogios – e defeitos

Por Henrique Rodriguez Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 23 out 2023, 15h14 - Publicado em 2 out 2023, 07h00

Enquanto continua sendo conhecido por nossa equipe, deixando boas primeiras impressões, o compacto Citroën C3 coleciona ações de reparos técnicos e lida com indisposição dos concessionários com a fabricante. Nossa equipe apurou que há pelo menos 15 campanhas de correções abertas para o Citroën C3, que envolvem componentes como suspensão, chicote elétrico, guarnições dos vidros e telecomando da chave.

Nosso carro pode estar sujeito a algumas, como atualização de software para a central multimídia (seria a solução para os travamentos que o aparelho do nosso carro vem enfrentando), ajuste dos faróis dianteiros e o travamento da tampa do bocal de combustível. Saberemos em breve, após a primeira revisão, quando também apontaremos rangidos nos bancos dianteiros – os quais não são relatados em campanhas às quais tivemos acesso.

As campanhas são para casos específicos. Mas chamou nossa atenção a suspensão temporária da entrega de unidades do C3, no início de maio, devido a uma possível má instalação dos chicotes dos sensores do freio ABS traseiro. Dias antes, as associações de concessionários da Peugeot (Abracop), que também se sentem prejudicados por problemas de atendimento ao cliente, e da Citroën (Abracit) notificaram formalmente a Stellantis sobre a falta de qualidade dos produtos, em especial o C3.

Na carta, as associações reclamam que “a falta recorrente de peças e problemas de qualidade dos veículos” estariam “maculando a imagem das marcas” e “afastando os tão desejados clientes das lojas”.  Procurada, a Stellantis disse que “inconvenientes pontuais de abastecimento de peças são tratados e corrigidos com a maior velocidade possível”.

Continua após a publicidade
C3 Longa
Falha na conexão de smartphone acontece com Android e iPhone em conexões por cabo e sem fio, e pode ser solucionada com atualização. (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

Por aqui, há quem comemore a estreia do Citroën C3 no teste de 100.000 km. “É gratificante poder dirigir um carro novo com pedal de embreagem”, disse o colaborador das seções Clássicos e Usado do Mês, Felipe Bitu, ao primeiro contato com o hatch 1.0 para uma viagem até Carmo da Mata (MG). E enfileirou comentários sobre o carro.

Compartilhe essa matéria via:

“Ao longo dos três dias, eu disse que o carro era maravilhoso várias vezes, enquanto meus companheiros de viagem diziam que eu estava exagerando. Mas a verdade é que a impressão deixada foi das melhores: acertando um detalhe ou outro ele fica quase perfeito. A falta de um conta-giros é inaceitável e inadmissível: o painel traz instrumentação básica e não pode sequer ser comparado ao de uma motocicleta, pois mesmo motocicletas baratas contam com… conta-giros! Os faróis iluminam mal, não passam segurança à noite”, relatou Bitu.

Continua após a publicidade
C3 Longa Duração
C3 encarou viagem de quase 1.100 km até Minas Gerais (Felipe Bitu/Quatro Rodas)

Ao longo da viagem, porém, vieram comentários que merecem nossa atenção, como o relato de a suspensão traseira chegar ao final do curso quando o carro está mais carregado. Não surpreende tanto, pois o C3 (assim como o C4 Cactus) usa bastante o curso da suspensão traseira para transmitir a sensação de rodar confortável típica dos Citroën.

Por fim, ficou a dúvida sobre a beleza do C3. “Gosto é sempre subjetivo, mas a combinação do azul com o teto branco é muito chamativa, ninguém ficou indiferente. O azul spring ficaria perfeito em um sedã grande dos anos 1970”, finalizou.

Continua após a publicidade

Citroën C3 – 7.554 km

Ficha técnica:
Versão: First Edition 1.0
Motor: 3 cil., diant., transv., 999 cm3, 6V, aspirado, 75/71 cv a 6.000 rpm, 10,7/10 kgfm a 3.250 rpm

 

Câmbio: manual, 5 marchas, tração dianteira
Seguro: R$ 1.824
Revisões: Até 100.000 km – R$ 8.010
Gasto no mês: Combustível: R$ 3.034
Consumo: No mês: 13,6 km/l com 23,2% de rodagem na cidade
Desde abril/23: 13,3 km/l com 29,5% de rodagem na cidade
Combustível: Flex (gasolina)

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.