Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Jeep Renegade: miolo mole

Caso comum nos Renegade, o nosso teve o miolo do contato trocado em garantia. Mas a peça demorou 46 dias

Por Péricles Malheiros Atualizado em 23 nov 2016, 20h57 - Publicado em 26 abr 2016, 17h09
Longa Duração - Jeep Renegade
Para-choque perdeu uma das grades interiores (detalhe no círculo vermelho)

Na edição de janeiro reportamos que vários usuários do Renegade de Longa Duração se depararam com um problema: o travamento da chave no miolo da ignição após o desligamento do motor. Quando ligamos para algumas concessionárias, a surpresa: o problema já era conhecido por elas. E pela Jeep, felizmente.

No nosso caso, como o travamento era intermitente e o carro já estava com 32.000 km, deixamos para pedir uma verificação na terceira revisão, aos 36.000 km – o Renegade tem paradas programadas a cada 12.000 km. E assim foi feito. A manutenção ficou a cargo da Caltabiano, onde o técnico solicitou a peça junto à fábrica e disse: “Como o número de casos parecidos é grande, estimo que a Jeep vai demorar cerca de 30 dias para mandar um novo miolo”. Demorou bem mais: exatos 46 dias.

A Caltabiano fez o reparo em um dia. Onze motoristas se revezaram após o conserto e, de fato, a troca do miolo sanou o problema. Mas aí surgiu outra questão. “Após uma viagem de 1.000 km, notei a ausência de uma das grades do para-choque dianteiro”, diz o piloto de teste Eduardo Campilongo. Orçar o custo de reposição da grade perdida (ou furtada) revelou a importância da cotação entre concessionárias: na Autostar, R$ 335; na Sinal, R$ 176; e na Divena, R$ 110. Ou seja, variação de até 205%. Assim como o miolo da ignição, a grade não estava disponível para pronta entrega, mas chegou dentro do prazo estipulado pela Divena: cinco dias. Por ser de encaixe simples, nós mesmos instalamos a peça no para-choque.

Às vésperas da quarta (e última) revisão antes dos 60.000 km, o Renegade recebeu novas críticas. O repórter Vitor Matsubara notou uma diferença no tom da buzina: “Está mais baixa e fraca. Parece a do Uno”, disse. O designer Fabio Paiva se queixou da suspensão: “A dianteira parece mole demais e a traseira está barulhenta. Acho que vale pedir uma verificação”.

Jeep Renegade – 47.399 km
CONSUMO
No mês: 6,6 km/l com 34,2% de rodagem na cidade
Desde junho 2015: 7 km/l com 24,6% de rodagem na cidade
Combustível: etanol
GASTOS NO MÊS
Combustível: R$ 1.299
FICHA TÉCNICA
Versão: Longitude 1.8 16V Flex
Motor: dianteiro, transversal, 4 cil., flex, 132/130 cv a 5. 250 rpm, 19,1/18,6 mkgf a 3.750 rpm
Câmbio: automárico, 6 marchas, tração dianteira
Continua após a publicidade
Publicidade