Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Arremesso a distância

Por Redação 14 nov 2014, 09h00

Por Péricles Malheiros

20 655 km

A calmaria dos primeiros 15 000 km de vida do Corolla definitivamente chegou ao fim. No mês passado, em São Paulo, um motoqueiro distraído bateu na traseira do sedã. Agora o ataque foi frontal. “Estava numa rodovia e, de repente, o carro da frente passou sobre um pedaço de pneu de caminhão, arremessando-o na direção do para-brisa do Corolla”, conta o repórter visual Eduardo Campilongo.

Como rodam muito por estradas e, assim, ficam mais expostos a esse tipo de ocorrência, todos os carros de Longa Duração ganham, além do seguro convencional, uma proteção contra danos nos vidros – um extra que acrescenta, em média, R$ 110 ao custo da apólice.

Por curiosidade, perguntamos em três concessionárias Toyota o valor da troca do para-brisa. Média de R$ 1 350 – muito mais caro do que o preço da cobertura extra do seguro.

Três dias após o comunicado do dano, a seguradora liberou a execução do reparo na Carglass, empresa especializada na recuperação e troca de vidros automotivos, que nos pediu outros sete dias úteis para a chegada da peça – o que aconteceria logo após o fechamento desta edição.

Continua após a publicidade

Ainda com o para-brisa danificado, o Corolla foi para a revisão dos 20 000 km, na Inter Japan, a mesma concessionária que, no mês passado, prometeu reposicionar (em cortesia) o para-choque traseiro desencaixado pela moto que bateu nele. Deixamos o consultor ciente de dois pequenos inconvenientes: um ruído agudo na ventilação e imprecisão do marcador do nível de combustível.

Após um único dia de serviço, carro liberado. “Escaneamos os sistemas atrás de algo que explicasse as duas queixas, mas não encontramos nada de errado. Como prometi, fixei a capa do para-choque em seu devido lugar. Está novo de novo”, disse o técnico durante a devolução.

No fim, pagamos uma conta mais baixa do que o valor sugerido no site da Toyota – R$ 384 ante R$ 422. “Damos desconto para pagamento à vista”, disse a moça do caixa. Foram trocados óleo e filtros de óleo e de combustível.

Consumo
No mês: 9,2 km/l com 17,5% de rodagem na cidade
Desde mai/14: 8,1 km/l com 33,9% de rodagem na cidade
Combustível: etanol

Principais ocorrências
12 215 Marcador de combustível não registra tanque cheio
12 247 Sistema antiesmagamento dos vidros ativado indevidamente
17 225 Sibilo na velocidade média do sistema de ventilação

Gastos no mês
Combustível: R$ 992
Revisão: R$ 384
Alinhamento: R$ 146

Continua após a publicidade

Publicidade