Clique e assine com até 75% de desconto

VW Delivery 4×4 é “jipe” que leva 7 ton de carga a preço de picape média

Nova versão torna o Delivery o primeiro caminhão leve com tração 4x4 do Brasil e custa a partir de R$ 270.000

Por Henrique Rodriguez Atualizado em 16 nov 2020, 17h31 - Publicado em 16 nov 2020, 12h29
Divulgação/Volkswagen

A linha Delivery, porta de entrada dos caminhões Volkswagen, bagunçou alguns segmentos. Sua versão mais acessível é, tecnicamente, uma picape que pode ser dirigida por qualquer motorista com carteira B. A novidade é sua versão 4×4, capaz de colocar numa saia justa muita picape médio. E a diferença de preço é pequena.

A Black Friday já começou na Quatro Rodas! Clique aqui e assine por apenas R$ 5,90.

Apresentado na Fenatran, em 2019, o Delivery 4×4 11.180 começa a ser entregue agora como o primeiro caminhão leve com tração nas quatro rodas à venda no Brasil. Para isso, foi necessário apelar para algumas soluções mecânicas – algumas exclusivas para ele.

Divulgação/Volkswagen

É o caso do eixo dianteiro motriz desenvolvido pela Dana exclusivamente para o novo modelo. Ele receberá a força do motor por meio de um cardã próprio ligado à caixa de transferência Marmon Herrington de duas velocidades instalada no meio do chassi do caminhão.

Caixa de transferência distribui a força entre os eixos Divulgação/Volkswagen

A tração 4×4 é acionada por comando no console central. Há um botão para acionar a tração 4×4 e outro para acionar a 4×4 reduzida. Sem acionamento, por meio da roda livre, é um caminhão 4×2 com tração traseira como qualquer outro Delivery. O câmbio é o manual de seis marchas.

Continua após a publicidade
Eixo dianteiro desenvolvido pela Dana é exclusivo para essa versão Divulgação/Volkswagen

Há outras soluções próprias para essa versão off-road. A suspensão tem conjuntos de molas semielípticas nos dois dois eixos (os Delivery de entrada usam McPherson na dianteira), que foram reforçadas para suportar mais esforço. Não deixa de ser um conceito semelhante ao de antigos jipes, como o Toyota Bandeirante.

Interior recebeu detalhes estilizados com o logo da versão Divulgação/Volkswagen

A altura livre do solo aumentou quase 1 cm, chegando a 19,6 cm, e os ângulos de ataque e saída passaram a 30° e aproximadamente 40°, respectivamente, contra os 20° e 28° do modelo 4×2.

Botões controlam o funcionamento da tração Divulgação/Volkswagen

O visual aventureiro não é padrão, porém. Para-choque de impulsão, guincho elétrico, faróis extras no teto e os farol de neblina fazem parte do “Show Car Package”, um pacote opcional. Só mesmo as molduras plásticas, os bancos estilizados e os pneus para uso on e off-road fazem parte do carro padrão, que parte dos R$ 270.000 – ou 5,5% mais caro que uma VW Amarok V6, que custa R$ 256.300 em sua configuração mais cara.

Equipamentos off-road mais específicos são opcionais Divulgação/Volkswagen

O motor não é tão potente quanto o de uma picape, Se trata do mesmo Cummins de quatro cilindros 3.8 turbodiesel que entrega 175 cv e 61,2 kgfm. A carga útil, porém, é menor: 6.930 kg contra 7.400 kg da versão 4×2. Isso não altera o PBT, de 10.700 kg.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade