Clique e assine com até 75% de desconto

Teste constata insegurança em modelos de cadeirinhas para crianças

Nenhuma das marcas avaliadas recebeu nota máxima nos testes de impacto lateral e frontal

Por Anaís Motta Atualizado em 9 nov 2016, 14h45 - Publicado em 1 dez 2015, 17h03
seguranca

Em teste realizado pela Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) com oito modelos de cadeirinha para o transporte de crianças no carro, algumas marcas ficaram muito aquém da avaliação ideal, principalmente na categoria de zero a 25 quilos. De forma geral, o desempenho nos testes de impacto lateral foi o ponto fraco em todos os modelos, mas infelizmente não há regulamentação que torne esse tipo de avaliação obrigatório.

Na faixa de zero a 13 quilos, foram testadas as marcas Bébé Confort Streety.fix, Chicco KeyFit (as melhores classificadas), Burigotto Touring Evolution, Cosco CC2001 e ABC Design Risus. Na faixa de zero a 25 quilos, foram avaliados modelos da Burigotto Matrix Evolution, Safety 1ST Recline e Galzerano Futura. Nenhuma cadeirinha recebeu nota máxima nos testes de impacto lateral e frontal, e todas apresentaram falhas nas informações para a instalação correta no veículo.

A Galzerano Futura obteve o pior resultado de todas. Durante o teste de colisão, houve grande deslocamento da cabeça do boneco e grande carga no pescoço quando se avaliava o grupo 2 (de 15 a 25 quilos). Esse foi um fator limitante para a nota geral, uma vez que as cadeirinhas multigrupos devem oferecer a mesma segurança para todos os grupos aos quais se destinam.

A base com Isofix da cadeirinha ABC Design Risus quebrou durante as avaliações, demonstrando que não é nada seguro fixá-la com esse dispositivo. No teste de impacto lateral, a cabeça do boneco se chocou com a lateral da porta do carro, e uma forte aceleração do tórax e da cabeça foi registrada.

Na categoria de zero a 25 quilos, as marcas Burigotto Matrix Evolution e Safety 1ST Recline tiveram desempenho ruim no teste de impacto frontal. A primeira apresentou grande deslocamento da cabeça durante os testes do grupo 0+ (de zero a 13 quilos) e 1 (de nove a 18 quilos), e, ao final da simulação, sua base estava quebrada e a cadeira rotacionada. A segunda, por sua vez, demonstrou grande carga na região do pescoço no teste para os grupos 1 e 2, e seu apoio para cabeça ainda se quebrou.

Continua após a publicidade

Nos testes de impacto frontal, os modelos da Burigotto Touring Evolution, da Bébé Confort Streety.fix e Chicco KeyFit, todos do grupo 0+, foram considerados muito bons, enquanto o modelo da ABC Design Risus foi avaliado como bom. O bebê-conforto da Cosco CC 2001 obteve resultado apenas aceitável nesse teste, já que apresentou deslocamento da cabeça e aceleração do tórax do boneco, além da quebra de um dos “caminhos” por onde passa o cinto de segurança.

As cadeirinhas da Bébé Confort Streety.fix foram classificadas como a escolha certa para o consumidor devido ao desempenho superior obtido nos testes em relação as demais. No grupo de zero a 25 quilos, as marcas Burigotto Matrix Evolution e Safety 1ST Recline receberam o conceito aceitável, que não é suficiente para fazer com que elas sejam indicadas como bons produtos.

Mesmo com as falhas, a Proteste recomenda que as crianças sejam, sim, levadas no carro dentro de um sistema de retenção adequado ao seu peso. Há três tipos de cadeirinhas disponíveis: o bebê-conforto, adequado para recém-nascidos e crianças de até 13 quilos; as poltronas reversíveis, que também permitem transportar recém-nascidos (de costas para o banco da frente) e crianças de até 25 quilos; e a poltrona para posicionamento do cinto do carro (boosters), obrigatória para crianças de até sete anos e meio, ou que meçam até 1,45 metro.

LEIA TAMBÉM

– 7 informações essenciais sobre cadeirinhas para crianças

– As cadeirinhas de bebê mais seguras, segundo testes

Continua após a publicidade
Publicidade