Clique e assine por apenas 8,90/mês

Pyeonghwa Motors, a montadora norte-coreana

Ela foi criada em 1999 com o objetivo de ser um ponte entre as duas Coreias

Por Rodrigo Furlan - 10 abr 2013, 15h16
geral

A Coreia do Norte está diariamente nos noticiários, basicamente devido à imensa tensão criada pelo seu líder, Kim Jong-un, que ameaça atacar a Coreia do Sul e até mesmo o Japão e bases estadunidenses no Oceano Pacífico.

Mas o que isso tem a ver com o mercado automotivo? Nem todos sabem, mas a Coreia do Norte já teve (ou ainda tem) uma montadora: a Pyeonghwa Motors. Trata-se de uma joint-venture liderada pela Igreja da Unificação da Coreia do Sul, aquela mesma fundada pelo reverendo Moon.

A Pyeonghwa Motors foi criada com a proposta de ser uma ponte entre as duas Coreias. Tanto que seu nome, traduzido para o português, significa “paz”. Em seu site oficial, a companhia inclusive chega a idealizar a unificação dos países, com o lema “Unificação feita por nós, e não unificação que acontece conosco”, sugerindo que esse espírito deveria partir das próprias pessoas.

Sempre houve, contudo, um obstáculo óbvio para a fabricante: a pobreza da população norte-coreana. Em outras palavras, poucas pessoas com dinheiro para adquirir um carro. Tanto que, apesar de ter capacidade para produzir 10 mil unidades ao ano, a planta da cidade de Nampo, fundada em 1999, fabricava poucas centenas de veículos anualmente.

Continua após a publicidade

Por sinal, os modelos produzidos e vendidos pela Pyeonghwa são um caso especial. Com licença para fabricar, comprar e vender carros usados, a gama de opções inclui veículos da Fiat rebatizados, como o Dobló (lá chamado de Ppoggugi) e uma geração bem antiga do Siena (denominado Hwiparam). Outros carros foram aproveitados de montadoras chinesas.

No final de 2012, a Igreja da Unificação anunciou que tinha a intenção de fechar a Pyeonghwa Motors, ainda que afirmasse ter tido lucro nos anos anteriores. A proposta do CEO, o norte-americano Park Sang-kwon, era de abrir um novo negócio na Coreia do Norte e, para isso, cederia as instalações de Nampo ao regime de Kim Jong-un gratuitamente.

Desde então, porém, não houve confirmação de nenhuma das partes envolvidas sobre o fim da montadora ou de sua continuidade. Mais interessante do que isso: Park Sang-kwon recebeu o título de cidadão honorário norte-coreano em janeiro deste ano, o segundo na história a receber tal comenda. Assim, é possível que a Pyeonghwa Motors continue a ser a única e hegemônica marca norte-coreana. Ao menos por algum tempo.

Publicidade