O futuro do carro de entrada

"Com as famílias encolhendo, até o fim da década podem surgir carros mais compactos com porta-malas menor"

revista revista

revista (/)

Gustavo Colossi: diretor de planejamento de produto da GM América do Sul

José Loureiro: gerente executivo de desenvolvimento de produto completo da Volkswagen

Ao longo dos anos, o segmento dos carros mais baratos – os modelos de entrada – encolheu. Veículos com motor 1.0, que já foram 70% do mercado, hoje estão na casa dos 40%. Mas esse ainda é o maior filão da indústria e o mais competitivo. O que mudou foi o consumidor: ele está mais exigente em termos de conforto e não se importa em pagar para ter mais equipamentos, segundo a conclusão da mesa-redonda sobre os carros de entrada do Direções Quatro Rodas, mediada pelos editores Paulo Campo Grande e Péricles Malheiros.

“Hoje, 60% dos modelos nessa faixa têm direção com assistência [elétrica ou hidráulica]”, disse Gustavo Colossi, diretor de planejamento de produto da GM América do Sul. O gerente executivo de desenvolvimento de produto completo da Volkswagen, José Loureiro, foi além: “O ar-condicionado já equipa 70% de carros até 1.6, e travas e vidros elétricos alcançam 90%”. Colossi afirmou que a conectividade com smartphones, que há pouco tempo era “zero”, saltou “para 25% ou mais” na categoria. A forma de fazer carros também mudou. Loureiro explica que o emprego de plataformas modulares e globais tende a reduzir o tempo e os custos de fabricação. “No desenvolvimento de uma plataforma única, é possível já levar em conta as necessidades de cada país, como condições de piso e infiltração de pó.”

Loureiro avaliou em seis anos a defasagem do produto brasileiro em relação ao europeu, com a ressalva de que itens como controle de estabilidade vão chegar em breve aos carros de entrada, assim como detector de fadiga do motorista, dispositivo que atualmente só equipa automóveis bem mais caros: “Em dez anos, a meta é reduzir os acidentes em 50%. ABS e airbags já colaboram para isso”.

O desafio das marcas será mostrar a relevância desses itens. Colossi chama atenção para o fato de que não se discute segurança no Brasil: “Sua importância cai na hora da compra. O cliente prefere som, roda, ar-condicionado”. Ele vislumbra a possibilidade de o carro vir a ser mais parceiro, dando cada vez mais apoio no ato de dirigir, seja com câmbios automáticos, seja auxiliando na tarefa de estacionar ou até dando dicas para poupar combustível.

Leia mais:

Caminho pronto para crescer

SUV, carro chamado desejo

Crescimento à frente

Jörg Hofmann: “Luxo seria não investir aqui”

Jeep aposta tudo no Brasil

O futuro do carro de entrada

Sem crise pela frente

A nova cara chinesa

Os desafios da publicidade

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s