Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Novos Mercedes Classe E cupê e conversível têm até “modo spa”

Carrocerias de duas portas passaram por facelift e ganharam mecânica híbrida e até mesmo na versão E 53 AMG, com 463 cv

Por Joaquim Oliveira Atualizado em 26 Maio 2020, 20h57 - Publicado em 26 Maio 2020, 20h54
Divulgação/Mercedes-Benz

Depois de apresentar a reestilização do Classe E em sua versão sedã em março, a Mercedes-Benz mostra agora o resultado da atualização nas carrocerias Coupé e Cabriolet.

Por fora, a principal mudança está na dianteira, com novos faróis full led e com as luzes de condução diurna alocadas na parte superior em linha única. A frente manteve o design em “A”, com grade do radiador em peça única e detalhes cromados.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

A traseira tem novas lanternas com linhas mais retas que as do sedã, mas também são bi-partidas e iluminadas por led. A câmera de ré está instalada discretamente no emblema traseiro.

Divulgação/Mercedes-Benz

O interior é conhecido do sedã. Duas telas cumprem a função de quadro de instrumentos e central multimídia MBUX e fica no console central. As duas telas podem ser de 10,25 polegadas ou 12,3 polegadas.

Os bancos, além do formato esportivo, têm ajuste elétrico adaptativo, ou seja, se move para encontrar sozinho uma posição adequada ao condutor.

No conversível, permanecem como opcionais o Aircap, que promete diminuir a turbulência dentro da cabine mesmo com a capota aberta, o Airscarf, que são saídas de ar localizadas no encosto de cabeça dos ocupantes e que envia ar quente na nuca dos ocupantes.

Divulgação/Mercedes-Benz

Os Coupé e Cabriolet ainda ganham o volante inteligente, com sistema “hands-off” que lê – por meio de sensores em todo o aro do volante – se o motorista está realmente segurando volante. Caso identifique que o condutor não está com as mãos no volante durante um determinado tempo, o veículo inicia o processo de frenagem de emergência.

Além do sistema de frenagem autônoma, as versões têm o Driving Assistance Package, um conjunto de sistemas inteligentes de assistência a direção que agem assim que o condutor passa a sair do traçado da pista.

O veículo ainda possui o sistema Uban Guard Vehicle Protection, que monitora o carro enquanto está estacionado e envia mensagens ao smartphone do proprietário em casos de colisão ou tentativas de roubo. Ele ainda funciona caso o Mercedes seja levado por criminosos, já que mantém o funcionamento do rastreador mesmo que seja desativado em suas configurações internas.

Divulgação/Mercedes-Benz

Os novos Classe E de duas portas também cuidam do estresse dos ocupantes. Para isso, vale de tudo: massagem, seleção de músicas e luzes para relaxar os ocupantes. A ainda tem o recurso Energizing Coach, que recomenda, com base no nível de estresse e qualidade de sono do usuário, ações para melhorar a qualidade da viagem. É como estar em um spa.

Continua após a publicidade

Para a Europa, há sete opções de motorização para as duas carrocerias. Delas, três são diesel e as outras quatro são a gasolina, com auxílio do sistema híbrido parcial EQ Boost – que integra um motor elétrico de 14,2 cv e 15,3 kgfm nos motores de quatro-cilindros e 22,3 cv e 25,5 kgfm nos de seis cilindros.

Divulgação/Mercedes-Benz

Nos E200 o motor é um quatro-cilindros 2.0 que, com auxilio do EQ Boost, entrega até 224 cv e 47,9 kgfm de torque com transmissão automática 9G-Tronic. Esse mesmo motor ganha fôlego extra nos E300, passando aos 276 cv e 53 kgfm de torque. Nos E450, o seis-cilindros 3.0 gera 394 cv e 76,4 kgfm com auxílio do EQ Boost.

  • Ainda existem as opções com motor diesel, mas sem motor elétrico auxiliar. Duas das três opções são E220d, com 2.0 de 197 cv e 40,7 kgfm de torque. A diferença está na tração: traseira ou integral. Outra opção a diesel é o E400d, com motor seis cilindros 3.0 com 345 cv e 71,3 kgfm de torque.

    Todas as configurações são equipadas com câmbio automático 9G-Tronic.

    E 53 AMG: esportivo e híbrido

    Divulgação/Mercedes-Benz

    O E 53 AMG não foi deixado de lado na reestilização. Ele se diferem principalmente, pela grade com 12 paletas verticais, pelo spoiler sobre a tampa do porta-malas pode ser da cor do veículo ou de fibra de carbono, e pelas quatro saídas de escape.

    As rodas de 19 polegadas são de série, mas podem ser substituídas por de 20 polegadas, opcionais.

    Divulgação/Mercedes-Benz

    Por dentro, o veículo oferece bancos esportivos em couro sintético preto com plaqueta AMG. Já a central multimídia MBUX e o painel de instrumentos ganham opções de interface Modern Classic, Sport e Supersport.

    A última delas apresenta marcador de conta-giros e entrega dados do motor, indicador de troca de marcha, temperatura e outras configurações do veículo, ao condutor.

    Divulgação/Mercedes-Benz

    O motor é um seis cilindros bi-turbo 3.0 com auxílio do sistema do EQ Boost. O conjunto proporciona uma potência de 463 cv e 78,5 kgfm de torque, combinados.

    Ele ainda conta com tração integral e trocas de marcha por borboletas – localizadas atrás do volante.

    Divulgação/Mercedes-Benz

    O condutor pode escolher por cinco modos de condução (Slippery, Comfort, Sport, Sport+ e Individual) e também controles dinâmicos (Basic, Advanced e Pro) que influenciam nas estratégias do veículo em relação ao controle de estabilidade e de tração. A suspensão é pneumática e também sofre mudanças.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Fernando Pires/Quatro Rodas
    Continua após a publicidade
    Publicidade