Mercedes-Benz Pagoda: cordeiro em pele de lobo

Belo, luxuoso e bem-construído, ele era um esportivo que preferia passear pelas colunas sociais

Pesado, mas com bom torque, ele acelerava de 0 a 100 km/h em 9,7 segundos

Pesado, mas com bom torque, ele acelerava de 0 a 100 km/h em 9,7 segundos  (/)

Quando se fala em Mercedes, Rudolf Uhlenhaut é uma lenda: ás do volante, o engenheiro alemão marcava voltas mais rápidas que os próprios pilotos oficiais, superando até Juan Manuel Fangio, pentacampeão de F-1, quando andava com os carros da marca. Mas um de seus maiores feitos foi fora das pistas: a criação do W113, sucessor de 300 SL (Asa de Gaivota) e 190 SL, esportivos que resgataram o prestígio da Mercedes nas competições e círculos sociais mundo afora.

Batizado de 230 SL, ele foi apresentado no Salão de Genebra de 1963, com destaque para o requinte e o design do francês Paul Bracq: a linha de cintura baixa e a larga grade ladeada por faróis verticais eram arrematadas pela capota rígida removível (opcional) de formato côncavo, que lembrava vaga- mente o telhado dos templos orientais. A ousadia visual lhe rendeu o apelido pela qual é conhecido até hoje: Pagoda.

A bela capota era um desastre aerodinâmico, mas não incomodava a Mercedes: o trágico acidente em Le Mans no ano de 1955 (quando morreram mais de 80 pessoas) ainda era um trauma e, assim, desempenho não era prioridade. Pesando 1 360 kg, o 230 SL levava 11,1 segundos para ir de 0 a 100 km/h e mal chegava aos 200 km/h de máxima, impulsionado pelo seis-cilindros em linha de 2,3 litros e 150 cv. Não era lento, mas bastava para desfilar nas ruas, curtindo o prazer de ver e ser visto.

Teto removível côncavo deu origem ao apelido

Teto removível côncavo deu origem ao apelido  (/)

Além do conforto, uma das preocupações era a segurança da seleta clientela, que reunia os atores Charlton Heston e Sophia Loren, o músico John Lennon e o piloto Stirling Moss. A carroceria do 230 SL era derivada dos enormes cupês W111: foi o primeiro esportivo do mundo com célula de sobrevivência e zonas de deformação programada. Os reforços estruturais justificavam seu elevado peso.

Apesar de não ter rivais diretos, ele era comparado a Jaguar E-Type, Chevrolet Corvette e Porsche 911: era mais caro e lento que os três, mas nenhum oferecia a mesma solidez e qualidade de rodagem. O desempenho melhoraria em 1967, com o motor de 2,5 litros. Rebatizado como 250 SL, o carro mantinha os 150 cv, mas o torque aumentou de 20 para 22 mkgf. A potência subiu no fim de 1967: com o motor 2.8, o agora 280 SL chegou aos 170 cv, explorando melhor os pneus radiais e mantendo velocidades elevadas por horas a fio.

O acabamento excepcional era uma das razões de seu preço elevadíssimo

O acabamento excepcional era uma das razões de seu preço elevadíssimo  (/)

Bom mesmo era remover a capota rígida e pegar estrada a céu aberto, confiando apenas na capota de lona atrás dos bancos: ela dava conta de proteger o acabamento excepcional, com bancos de couro ou MB-Tex, o revestimento sintético característico da marca. A demanda sempre foi superior à capacidade de produção: mesmo custando o equivalente a um Cadillac Eldorado, a fila de espera era longa e permaneceu constante até 1971, quando deu lugar a uma nova geração, o R107. Em oito anos, 48912 unidades deixaram a linha de produção, mantendo vivo o legado deixado pelo engenheiro – e piloto – Rudolf Uhlenhaut, história que completou 50 anos em 2013.

MAL DE FAMÍLIA

Robusto, o 230 SL mal chegou às lojas e já levou sua primeira taça. Foi campeão do rali Spa-Sofia-Liège de 1963 e com poucas alterações: rodas de aro 15, suspensão reforçada e motor 15 cv mais potente.

Ficha Técnica – Mercedes-Benz 250 SL 1967
Motor 6 cilindros em linha de 2,5 litros
Potência 150 cv a 5500 rpm
Torque 22 mkgf a 4200 rpm
Câmbio manual de 4 marchas (automático de 3 marchas opcional)
Dimensões comprimento, 429 cm; largura, 176 cm; altura, 131 cm; entre-eixos, 240 cm
Peso 1360 kg
0 a 100 km/h 9,7 segundos
Velocidade máxima 200 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s