Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Great Wall pode criar nova marca dedicada a carros a hidrogênio

Nova submarca nasceria focada em carros de luxo e movidos a células de hidrogênio.

Por Bruno dos Santos Atualizado em 2 jun 2022, 14h43 - Publicado em 30 Maio 2022, 21h07

A chinesa Great Wall Motors começará a vender carros no Brasil a partir do final de 2022, mas é bom começar a se acostumar com suas diversas marcas, cada uma dedicada a um tipo de veículo. A Haval identifica SUVs urbanos e a Tank, os off-road. A GWM cuida das picapes, enquanto a Ora lida com os elétricos e a Wey, com os SUVs elétricos.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

A novidade é que a Great Wall estaria prestes de lançar mais uma marca, agora dedicada a vender carros de luxo movidos a células de hidrogênio.

De acordo com o serviço de notícias chinês CLS (Chinese Information Session), o plano da fabricante era lançar carros dessa nova marca ao longo de 2022, mas o lançamento teria sido adiado para o final, mesmo que eles já estejam prontos, de acordo com a fonte. Os recentes bloqueios nas cidades chinesas teria sido o grande motivador desse atraso. 

A única semelhança entre o modelo da Great Wall Motors e o clássico da Volkswagen é o exterior.
ORA Punk Cat, “fusca chinês”, chega até 543 cv Great Wall Motors/Divulgação

A categoria desses carros a hidrogênio é desconhecida, mas sabe-se que terão de ser grandes, pois os tanques de hidrogênio precisam ser rígidos para manter o combustível pressurizado e ainda oferecer uma boa autonomia.

Continua após a publicidade

Compartilhe essa matéria via:

As submarcas WEY e TANK da GWM já fazem SUVs grandes o bastante que cabem nessas conversões. Além da suposta conversão, poderiam receber itens ou recursos de carros de alto luxo para tentar justificar seu preço.

Way Tank 300

O motivo da Great Wall estar criando uma marca totalmente diferente dos outros elétricos, provavelmente, seria a obtenção de subsídios do governo chinês investindo em hidrogênio para uma estratégia de energia limpa diferente. Essa mudança está acontecendo em algumas outras marcas de outros países, como o Japão, Coreia do Sul e Alemanha, que também estão investindo em projetos de hidrogênio.

O maior problema das células de hidrogênio é a dificuldade em produzir picos de energia altos, precisando da ajuda de uma bateria de lítio de alta tensão, além dos problemas de infraestrutura no abastecimento de hidrogênio para os carros nas ruas.

Por conta desses problemas, é bem provável que essa submarca não conheça tantos lugares do mundo assim, ainda que a Great Wall venha expandindo bastante suas operações em mercados da Ásia, da Oceania e da América Latina nos últimos anos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês