Grandes Brasileiros: Gurgel Tocantins

Evolução do renomado X-12 o Tocantins reuniu o carisma da marca a um perfil urbano e civilizado

Gurgel Tocantins Teto podia ser de lona ou rígido

Teto podia ser de lona ou rígido  (/)

Oportunidades surgem quando se está no lugar certo, na hora certa. Andando pelo bairro paulistano do Ipiranga em 1956, o engenheiro João Augusto Conrado do Amaral Gurgel percebeu a movimentação num galpão da Rua do Manifesto: ali eram montados os primeiros Fusca brasileiros, operação gerenciada pelo alemão Friedrich “Bobby” Schultz-Wenk.

Nascia a amizade que culminaria com uma parceria de sucesso, dez anos depois: produzido pela Macan Ltda., o Gurgel 1200 estrelava o Salão do Automóvel de 1966 com chassi e motor VW, nas versões Ipanema, Xavante e Enseada, esta última exibida no próprio estande da VW. Era um conversível recreativo de quatro lugares, ideal para o lazer.

Dos três, só o Xavante prosperou: tornou-se um fora de estrada semelhante ao Porsche 597 Jagdwagen, substituindo o chassi VW por outro de fabricação própria, em Plasteel, um aço revestido de fibra de vidro. Rebatizado como X-12, foi exportado para vários países, firmando o nome Gurgel como sinônimo de jipinho valente que topava qualquer aventura.

O primogênito do engenheiro João Gurgel voltaria a brilhar em 1988: rebatizado Tocantins, ele ganhou nova dianteira com faróis retangulares e uma cabine estendida até o fim da carroceria. Os 20 cm a mais garantiam melhor espaço para os passageiros, mas eliminavam o galão de combustível e o filtro de ar externos, marcas registradas do X-12.

Permaneciam as versões L (teto de lona) e TR (teto rígido), sendo que esta última eliminava a tradicional claraboia de ventilação no teto em favor de um bagageiro. Outra novidade eram as belas maçanetas externas do Fiat Prêmio CSL. No interior, poucas mudanças: o painel manteve os instrumentos do Fusca, mas trocou os comandos do Fiat 147 pelos do Gol.

Gurgel Tocantins Os comandos internos são do Gol, com instrumentos de Fusca

Os comandos internos são do Gol, com instrumentos de Fusca  (/)

Havia duas versões de acabamento: a LE era a mais simples, pintada de cor única e com assentos revestidos de curvim rugoso. Acima dela estava a versão Plus, com faixas coloridas em degradê azul, verde, laranja ou cinza, além de interior revestido de tecido cinza com faixas vermelhas. A capacidade do tanque foi aumentada de 37 para 41 litros.

A valentia no fora de estrada era mantida, graças ao elevado vão livre do solo, bons ângulos de entrada e saída e a presença do sistema Selectraction, que atuava como bloqueio seletivo das rodas traseiras (na prática, era um freio de mão que travava a roda de tração que girava solta). O trem de força mantinha o velho e confiável motor VW 1600 refrigerado a ar, atrelado ao câmbio de relações curtas do Fusca 1300.

Era nítida a intenção de agradar um público urbano, que via no pequeno Gurgel uma boa opção de carro descolado e fácil de dirigir. Para conter o comportamento arisco no asfalto, a suspensão dianteira recebeu barra estabilizadora e a carga das molas traseiras foi revista, melhorando o contato dos pneus com o solo.

Gurgel Tocantins Segunda geração do X-12, o Tocantins tem cabine 20 cm maior

Segunda geração do X-12, o Tocantins tem cabine 20 cm maior  (/)

É o caso deste modelo 1991, que pertence ao colecionador paulistano Felipe Olivani: “O Tocantins foi uma das viaturas mais versáteis da frota da Polícia Militar de São Paulo, especialmente no Comando Ambiental”. A única alteração no jipe foi realizada em 1992, com adoção de uma nova grade frontal e porta-luvas com tampa de metal do modelo BR-800.

Debilitada financeiramente após o fracasso do BR-800, a Gurgel pediu concordata em 1993. Ao todo, 3 837 unidades do Tocantins deixaram a fábrica de Rio Claro (SP) até o encerramento das atividades em 1995. O jipinho não deixou sucessor e ainda hoje é visto em atividade, na dureza do trabalho ou no lazer de entusiastas que preservam sua história.

Teste QUATRO RODAS – março de 1989
Acerelação de 0 a 100 km/h 25,29 s
Velocidade máxima 116,6 km/h
Consumo médio 10,81 km/l
Preço (agosto 1992) Cr$ 48.242.000
Preço (atualizado IPC-A/IBGE) R$ 61.815
Ficha Técnica – Gurgel Tocantins TR 1991
Motor longitudinal, 4 cilindros opostos, 1 584 cm3, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no bloco, alimentação por carburador
Potência 50 cv a 4 000 rpm
Torque 10 mkgf a 2 400 rpm
Câmbio manual de 4 marchas, tração traseira
Dimensões comprimento, 331 cm; largura, 159 cm; altura, 153 cm; entre-eixos, 204 cm;
Peso 830 kg
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s