Grandes Brasileiros: Ford Corcel Bino

Com talento, técnica e lábia, preparador da Bino dobrou a potência do Corcel e convenceu a fábrica a dar garantia ao sedã voador

Ford Corcel Bino Tomada de ar no capô (peça preta) só tinha função estética

Tomada de ar no capô (peça preta) só tinha função estética  (/)

O ano de 1969 foi repleto de alegrias para o marketing da Ford. Nas rádios do país, o cantor Marcos Valle enaltecia dois sonhos de consumo de uma juventude que não queria mais andar a pé: o Mustang cor de sangue e o Corcel cor de mel.

Importado e caríssimo, o primeiro era uma realidade distante. Já o Corcel, um sonho mais acessível. Baseado no Renault 12, foi desenvolvido pela Willys como um sedã familiar robusto, econômico e espaçoso. E era tão adequado ao Brasil que a Ford não hesitou em assumir sua paternidade, logo após a aquisição da Willys.

Um dos pontos negativos era o desempenho: com 1,3 litro e 62 cv, o pequeno motor Sierra sofria para dar conta dos 929 quilos do compacto. A solução veio das pistas: um veneno elaborado por Luiz Antonio Grecco, um dos preparadores mais importantes do automobilismo nacional. Chefe da Equipe Bino, Grecco havia desenvolvido o Bino Mark II, protótipo da extinta equipe Willys (que também utilizava o Sierra). Mas seu motor tinha 1.440 cm3 e assombrosos 125 cv.

Ciente de que muitos teriam interesse em um Corcel mais rápido e veloz, Grecco valeu-se de sua experiência com os motores Sierra para desenvolver o Corcel Bino. O três-volumes era homologado pela Ford e oferecido pela rede de concessionários da marca, mantendo a garantia de fábrica – mesmo após a personalização e alterações mecânicas promovidas pela empresa Bino-Samdaco.

Visualmente, o Bino diferenciava-se do modelo standard pela decoração externa, composta por uma tomada de ar falsa sobre o capô, com pintura preta fosca, largas rodas de magnésio (com três desenhos diferentes), pneus Pirelli Cinturato, faróis auxiliares, lanternas na cor âmbar, faixas esportivas e escudos característicos da equipe de mesmo nome.

Ford Corcel Bino Decoração especial diferenciava o Corcel Bino

Decoração especial diferenciava o Corcel Bino  (/)

O interior recebia um painel de instrumentos completo, revestido em jacarandá. Por trás do volante esportivo Fórmula 1 estava o velocímetro (com escala até 200 km/h), conta-giros para 8.000 rpm, termômetro de água e óleo, manômetro de pressão e marcador de combustível. Havia também a opção do console central  e de teto com luz de cortesia.

Ford Corcel Bino Volante especial tem imagem do corcel (o cavalo): ? época, era comum substituir a direção

Volante especial tem imagem do corcel (o cavalo): ? época, era comum substituir a direção  (/)

As modificações mais interessantes estavam sob o capô: o motor recebia novos pistões, que elevavam a cilindrada para 1.440 cm3, e um coletor de admissão para dois carburadores Solex 32 (original do Corcel). A tampa de válvulas e cárter eram aletados e fabricados em magnésio (este último de maior volume), enquanto o  escapamento original dava espaço para o famoso e esportivo Kadron.

Nesta configuração, o Corcel Bino mostrava ganho expressivo em dirigibilidade. Sua agilidade era notória, dispensando as trocas constantes de marcha. O tempo de aceleração de 0 a 100 km/h caía de 23,6 para 15,5 segundos. A velocidade máxima não passava dos 146 km/h, mas o carro podia manter um ritmo forte por horas sem superaquecer.

Os componentes especiais também eram oferecidos em forma de kit: foram instalados nas configurações sedã, cupê e até na perua Belina.

Até 1972, a Bino-Samdaco ofereceu ao mercado peças envenenadas, como comandos de válvulas, cabeçotes, carburadores Weber duplos, virabrequins de maior curso (capazes de elevar a cilindrada para 1.555 cm3) e sistemas de lubrificação com radiador e bomba de maior vazão. Com 120 cv, o mais selvagem dos Bino chegava a 185 km/h.

Teste Quatro Rodas – maio de 1970
Aceleração: 0 a 100 km/h em 15,5 s
Velocidade máxima: 145,2 km/h
Consumo: 9,7 km/l (gasolina, rodoviário, a 100 km/h)
Preço (abril de 1970): NCr$ 20.500
Preço (atualizado IGP-DI/FGV): R$ 113.732
Ficha Técnica
Motor: longitudinal, 4 cilindros em linha, 1.440 cm3, 8V, 90 cv a 6.200 rpm, torque não aferido
Câmbio: manual de 4 marchas, tração dianteira
Dimensões: comp., 439 cm; larg., 160 cm; alt., 146 cm; entre-eixos, 243 cm; peso, 929 kg
Pneus: 165 x 13
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Daniel Pardo

    E o melhor… tudo isso com a maciez já conhecida da suspensão dos Corcéis.