Ford confirma: três interessados disputam fábrica de São Bernardo do Campo

Sindicato dos Metalúrgicos do ABC confirmou negociação aos funcionários; Governo de SP cria programa de incentivos à indústria automotiva

Fábrica da Ford começou a ser erguida pela Willys-Overland em 1952

Fábrica da Ford começou a ser erguida pela Willys-Overland em 1952 (Acervo/Quatro Rodas)

A Ford bateu o martelo para o fim de suas atividades na fábrica de São Bernardo do Campo (SP), mas ainda há esperança para os cerca de 3.000 funcionários que trabalham no local.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC afirma que, em reunião com executivos do fabricante em Dearborn, nos EUA, a marca descartou qualquer possibilidade de rever a decisão do encerramento da linha de montagem.

“Aqui estão os únicos trabalhadores que atuam em linhas de automóveis e de caminhões. Mas a empresa não recuou da decisão”, diz José Quixabeira de Anchieta, do Comitê Sindical na Ford.

Fábrica de São Bernardo produz os caminhões Ford e o Fiesta

Fábrica de São Bernardo produz os caminhões Ford e o Fiesta (Divulgação/Ford)

Por outro lado, os norte-americanos afirmam que há três interessados em comprar a unidade. Segundo Wagner Santana, presidente da associação de trabalhadores, os nomes envolvidos na negociação seguem sob sigilo.

Um dos possíveis candidatos é o grupo Caoa – importador de Hyundai, Subaru e dono da Chery no Brasil –, que admitiu a possibilidade de incluir o complexo paulista às suas fábricas locais, ao lado de Anápolis (GO) e Jacareí (SP).

Fundada pela extinta Willys em 1952, a unidade de São Bernardo do Campo (SP) tem estabilidade negociada com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC até novembro deste ano.

A Ford já produziu mais de 3 milhões de carros na Bahia

A Ford já produziu mais de 3 milhões de carros na Bahia (Divulgação/Ford)

Além de encerrar a produção do Fiesta – coadjuvante diante do Ka feito em Camaçari (BA) –, a marca encerrou a divisão de caminhões, que fechou 2018 como quarta mais vendida no país.

Para terminar as operações, a Ford gastará US$ 460 milhões (cerca de R$ 1,7 bi), sendo US$ 360 milhões dedicados apenas às compensações de funcionários, concessionários e fornecedores.

No último mês, o governador do estado de São Paulo, João Dória (PSDB), já havia adiantado o interesse de três possíveis compradores para o complexo.

 (Divulgação/Ford)

Na última semana, Dória anunciou um programa de incentivos fiscais para o setor automotivo, que poderá ser aproveitado pelo futuro investidor da unidade no ABC.

O plano prevê reduções de até 25% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para empresas que investirem pelo menos R$ 1 bilhão e gerarem 400 empregos.

Procurada pela reportagem, a Ford não retornou o contato até a publicação deste artigo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s