Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ducati fabricou carros e até motor Ferrari antes de entrar no grupo VW

Icônica entre os amantes de motocicletas, marca italiana fez parcerias com fábricas de carros e chegou até a projetar um veículo de quatro rodas

Por Paulo Campo Grande
Atualizado em 1 jan 2019, 14h08 - Publicado em 1 jan 2019, 10h00
Protótipo DU 4 tinha chassi tubular e motor de 250 cc (Ducati/Divulgação)

Antes de ser comprada pela Audi, do Grupo VW, em 2012, a tradicional fabricante italiana de motocicletas Ducati teve diversos momentos como construtora de automóveis.

Fundada em 1926, na cidade de Borgo Panigale, subsdistrito de Bolonha, na Itália, começou suas atividades fabricando rádios. Seu nome de batismo era Socieatà Scientifica Radio Brevetti Ducati.

A produção de motocicletas começou logo depois do final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). A Cucciolo, uma bicicleta motorizada, chegou em março de 1946.

Continua após a publicidade

Pressionados por dificuldades econômicas, no entanto, os irmãos Ducati (Adriano, Bruno e Marcelo) vislumbraram nos automóveis um negócio atraente e, no mesmo ano de 1946, construíram um protótipo: o DU 4.

A primeira moto produzida no pós-Segunda Guerra (Ducati/Divulgação)

O DU 4 nunca entrou em produção, embora tivesse características interessantes: motor 250 cc de quatro tempos (com dois cilindros em V, válvulas no cabeçote e carburador de quatro corpos), chassi tubular e suspensões independentes.

Continua após a publicidade

Coincidentemente, a receita construtiva do DU 4 foi consagrada mais tarde entre as motos da marca. O protótipo teve apenas um exemplar construído, pertencente hoje a um colecionador de Turim, na Itália.

Ducati fabricou o Tiumph Spitfire na Itália (Ducati/Divulgação)

Além desse protótipo, a Ducati teve outras incursões no universo das quatro rodas.

Continua após a publicidade

Em 1965, fechou um acordo com a inglesa British Leyland para produção e comercialização dos Triumph Spitfire e TR4 na Itália – com adaptações desenvolvidas pela própria Ducati para o mercado italiano.

Não se sabe quantas unidades foram produzidas nesse período, mas os raros exemplares que existem até hoje são objeto da cobiça de colecionadores e facilmente identificados pelo símbolo da Ducati Meccanica logo abaixo do emblema da Triumph.

No início dos anos de 1980, mais precisamente entre 1979 e 1984, a empresa fez nova associação, desta vez com a fabricante de motores italiana VM Motori, que hoje pertence ao Grupo FCA, para a construção de motores turbodiesel de quatro cilindros fornecidos à Alfa Romeo.

Lancia 8.32 era equipado com motor Ferrari V8 montado pela Ducati (Ducati/Divulgação)

Os motores sempre foram vistos como uma fonte de renda pelos controladores da Ducati, e houve uma época em que eles se tornaram o principal negócio da empresa, que fornecia não só para automóveis, mas também para tratores e barcos.

Continua após a publicidade

Entre 1990 e 1992, uma nova parceria, desta vez com a Ferrari, culminou no fornecimento de motores para a Lancia.

O V8 de 32 válvulas era projetado pela Ferrari (derivado do V8 que equipava a Ferrari 308), montado pela Ducati e equipava a versão topo de linha do Lancia Thema, não por acaso identificada como Thema 8.32.

Tratava-se de um motor 2.9 de 215 cv e 29 mkgf, força capaz de levar o Lancia a acelerar de 0 a 100 km/h em 6,8 segundos e atingir a velocidade máxima de 240 km/h – números admiráveis para um sedã grande como Thema (com 4,59 metros de comprimento).

Continua após a publicidade
Ducati Diavel Carbon 2013
Ducati Diavel: fabricante é ícone em construção de motocicletas; modelos com chassis treliçados viraram sua marca registrada (Ducati/Divulgação)

A Ducati construiu sólida reputação com suas motos conquistando diversas vitórias e títulos nas pistas de corridas e admiradores em todo o planeta com suas máquinas feitas para as ruas.

Atualmente a Ducati fabrica oito linhas de motocicletas, entre elas nomes famosos como Monster, Diavel, Panigale, Multistrada e Scrambler. E terminou o campeonato de 2018 da MotoGP, a Fórmula 1 das motos, em segundo lugar entre os construtores, atrás da campeã Honda e à frente da Yamaha.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.