Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Dodge Kingsway

Embalada no sucesso dos irmãos Dodge, a Chrysler conquistou novos mercados nos anos 30 com o honesto Kingsway

Por Felipe Bitu Atualizado em 9 nov 2016, 14h34 - Publicado em 9 jul 2015, 19h53
classicos-grandescarros

Fundada em 1914 pelos irmãos John Francis e Horace Elgin Dodge, a Dodge Brothers foi adquirida pela Chrysler Corporation em 1928 e logo conquistou a reputação de produzir carros bem-construídos. Decidida a ampliar sua participação no mercado mundial, a Chrysler optou por aproveitar esse prestígio para criar um modelo de entrada. Foi assim que nasceu o Dodge Kingsway.

Produzido na fábrica canadense de Windsor a partir de 1934, ele era na verdade um Plymouth, tradicional rival de marcas mais populares, como Ford e Chevrolet. Travestido de Dodge, foi oferecido nas versões cupê (de duas portas) e sedã (duas ou quatro portas). Era espartano demais: vinha com uma única lanterna traseira e limpador de para-brisa apenas no lado do motorista. Mas fez tanto sucesso que a produção em Detroit começou no ano seguinte.

O Kingsway não tinha ambição de estilo ou desempenho

Ao contrário dos concorrentes, o Kingsway não apelava para um desenho ousado e chamativo: era bem convencional, com linhas arredondadas, conservadoras e funcionais. A proposta defendida pelo teimoso presidente K.T. Keller era a de um carro confiável e espaçoso, com um teto alto capaz de acomodar passageiros usando chapéu. Utilitário ao pé da letra, o Kingsway não tinha compromisso com estilo ou desempenho.

E não era mesmo para ter pressa: projetado nos anos 30, o seis-em-linha de 3,6 litros e válvulas laterais entregava só 97 cv. O longo curso do virabrequim garantia o generoso torque de 24,2 mkgf a baixos 1 200 rpm, poupando o câmbio manual de três marchas. Direção e freios sem assistência eram um convite para uma tocada tranquila e despretensiosa.

No interior, a exigência de ter espaço para o motorista dirigir de chapéu
Continua após a publicidade

O nome oficial só foi adotado em 1949, ano marcado pela chegada do designer Virgil Exner: a despedida do engenheiro K.T. Keller da direção da Chrysler favoreceu a adoção de um estilo mais ousado a partir de 1953, quando o para-brisa passou a ser construído em peça única. O capô mais baixo e os para-lamas traseiros pronunciados eram modificações discretas, que antecipavam a revolução de estilo que estava por vir.

As mudanças mais significativas vieram na linha 1955: o estilo Forward Look de Exner era inspirado em aviões e foguetes, tornando o Kingsway maior, mais baixo e mais largo. Após adotar barbatanas com lanternas verticais, o Forward Look entrou em sua segunda fase em 1957: reformulada, a carroceria ficou ainda mais baixa e larga, incorporando os quatro faróis dianteiros.

671-dodge-03.jpeg

Sucesso no mundo todo, o Dodge Kingsway deixou de ser produzido em 1959, no ápice da carreira: poderia ser adquirido em qualquer versão de acabamento que também fosse oferecida pelo primo Plymouth, incluindo o conversível Belvedere e as peruas Custom Suburban de nove lugares. Muitos deles vieram parar no Brasil, caso deste exemplar fabricado em 1951 e que se encontra aos cuidados do empresário Pedro de Souza Neto, da PJS Restaurações Especiais.

– Confira a lista de clássicos internacionais da Quatro Rodas

“É um carro de visual sóbrio e conservador e seu padrão de qualidade era referência então. Roda por horas ao redor dos 100 km/h sem esforço, pois a baixa taxa de compressão era adequada à gasolina brasileira”, diz Souza. A qualidade do Kingsway foi fundamental para o sucesso do Dodge Dart, modelo que o sucedeu em 1960 e que foi escolhido para ser produzido no Brasil em 1969.

O CARRO DO DOUTOR LAURO

Um dos responsáveis nos anos 50 e 60 pela ida de VW, Willys, Toyota e Mercedes a São Bernardo do Campo (SP), o prefeito Lauro Gomes gostava de levar os executivos das montadoras para conhecer a então Detroit brasileira a bordo de seu famoso Kingsway.

FICHA TÉCNICA
Motor 6 cilindros em linha de 3,6 litros;
Potência 97 cv a 3 600 rpm
Torque 24,2 mkgf a 1 200 rpm
Câmbio manual de 3 marchas, tração traseira
Dimensões comprimento, 492 cm; largura, 186 cm; altura, 156 cm; entre- eixos, 301 cm
Peso 1 395 kg
0 a 100 km/h 21 segundos
Velocidade máxima 135 km/h
Continua após a publicidade

Publicidade