Carro elétrico: herói ou vilão?

Apesar de não queimar combustível, carros elétricos podem poluir mais que os a gasolina. Tudo depende da matriz energética

Complexo Termelétrico Jorge Lacerda e Usina Hidrelétrica Salto Santiago Usinas termoelétricas geram grandes quantidades de CO2 para produzir energia

Usinas termoelétricas geram grandes quantidades de CO2 para produzir energia  (/)

Os veículos 100% elétricos são limpos, mas, dependendo da matéria-prima usada para gerar eletricidade, o mocinho pode virar bandido. Um estudo realizado pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, mostra que o carro a gasolina pode ser até mais limpo, caso o país onde ele rode recorra a combustíveis fósseis para gerar energia. “Nesse caso, a vantagem dos elétricos se resume a evitar a concentração de gases tóxicos nos centros urbanos”, diz Roberto Brandão, pesquisador do grupo de estudos do setor elétrico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Na China e na Índia, que usam carvão mineral para gerar quase 70% da energia, o desempenho do veículo elétrico foi desanimador, chegando a poluir mais do que um a combustão. Nos países em que a fonte energética é menos poluente, o carro ecológico vale a pena. Na França, que usa energia nuclear, considerada limpa na geração de CO2, o carro a bateria se saiu bem. O mesmo vale para o Brasil. “Mais de 80% da energia nacional vem de hidrelétricas. Portanto, os elétricos aqui são limpos de verdade”, diz Margaret Groff, coordenadora do projeto de veículo elétrico da usina de Itaipu.

NEM TÃO ECOLÓGICOS

Na China, os automóveis elétricos poluem mais que a versão a gasolina, porque sua produção de energia elétrica é baseada na queima de carvão. Nos EUA, onde impera a termoelétrica, os movidos a bateria emitem só um pouco menos de CO2 que os a gasolina. Já na França, rica em usinas nucleares, os elétricos são bem mais ecológicos.

Matriz energética predominante em cada país
EUA Termoelétrica com petróleo
Brasil Hidrelétrica
França Energia nuclear
China Termoelétrica com carvão mineral

Geração sustentável
Gramas de CO2 por km rodado
Carro a gasolina 90 g
Carro elétrico no Brasil 9 g
Carro elétrico na França 10 g
Carro elétrico nos EUA 68 g
Carro elétrico na China 96 g

Se mais de 90% da frota brasileira fosse de elétricos, o consumo energético do país aumentaria em 40%

O efeito na tomada
Consumo de eletricidade (em bilhões de kWh)
Consumo médio anual de energia elétrica no Brasil 430
Consumo com 3,4 milhões de carros elétricos (7,5% da frota) 444
Consumo com 41 milhões de carros elétricos (91% da frota) 602
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Jorge Brancal Bulha

    Os carros eléctricos são muito menos poluentes que os de combustão, mesmo que toda a energia eléctrica seja produzida a partir do carvão. Em primeiro lugar uma viatura eléctrica tem uma eficiência na utilização da energia superior a 80%, o que já não acontece com um veículo da mesma potência movido a combustíveis fósseis (menos de 30% de eficiência. Isto equivale a dizer que seria necessária muito menos energia para fazer o parque automóvel de um País se as viaturas fossem electricas. Por outro lado as termoelectricas a carvão estão cada vez mais eficientes a produzir electricidade, apesar de libertarem muito CO2 para a atmosfera. Por último a poluição causada pelos carros electricos é composta por muito mais substâncias que o CO2, muitas delas consideradas nefastas para a saúde das populações. Estas substâncias são libertadas na cara das pessoas que vivem nas cidades.