Clique e assine com até 75% de desconto

Correio técnico: como fica a compressão dos motores com a nova gasolina?

A gasolina teve a octanagem fixada em 92 RON em agosto, o que representa uma mudança no método usado para medir as octanas

Por Leonardo Barboza Atualizado em 11 nov 2020, 10h04 - Publicado em 11 nov 2020, 07h00
O Creta inaugura uma nova fase: os carros serão abastecidos somente com gasolina
Gasolina comum teve octanagem fixada em 92 RON Christian Castanho/Quatro Rodas

Como fica a taxa de compressão dos motores com a utilização da nova gasolina? – Geraldo Jaskiw, São Paulo (SP)

Segundo o engenheiro químico Eduardo Buarque de Alcazar, analista sênior de produtos e marcas da BR, a nova especificação da gasolina abre caminho para que montadoras possam trabalhar com desenhos de motores mais eficientes, incluindo elementos como injeção direta e turboalimentação.

A Black Friday já começou na Quatro Rodas! Clique aqui e assine por apenas R$ 5.90

E também pode ser considerada a possibilidade de aumento na taxa de compressão dos projetos futuros. Nos motores que já estão circulando não é possível alteração de taxa de compressão, que é algo definido pelo projeto do motor.

O combustível teve a octanagem fixada em 92 RON a partir de 3 de agosto. A gasolina brasileira tinha octanagem medida em IAD, uma média entre os métodos RON e MON (veja mais abaixo). Até então, o nosso combustível já tinha 92 RON, mas essa agora passa a ser a medida oficial.

Mas é importante observar que em alguns casos essa nova especificação irá assegurar a operação com a eficiência máxima do projeto original que poderia estar sendo limitada pelo uso de algumas gasolinas de menor densidade ou menor octanagem (RON).

Tem alguma dúvida? Mande sua pergunta para: correiotecnico@quatro-rodas.com.br

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade