Ford reduz preços do New Fiesta em até R$ 3.900

Maiores descontos estão nas versões com câmbio automatizado

(Divulgação/Ford)

A Ford aparentemente decidiu reagir frente aos números de venda apenas razoáveis do New Fiesta no Brasil. Em sua nova tabela de preços, foram reduzidos os valores de quase todas as versões com a carroceria hatch feitos no país – o sedã ainda é importado do México.

A maior queda foi na configuração intermediária 1.6 SEL AT, que passou de R$ 67.090 para R$ 63.190, uma redução de R$ 3.900. Acima dele, o Fiesta 1.6 Titanium AT caiu de R$ 70.100 para R$ 68.990. E a top de linha EcoBoost Titanium (com motor 1.0 turbo) foi de R$ 74.490 para R$ 73.990.

As configurações com câmbio manual também tiveram redução: a 1.6 SEL passou de R$ 60.790 para R$ 58.590, enquanto a 1.6 SEL Style foi de R$ 61.290.

Segundo a Ford, a justificativa para as reduções foi a desvalorização do dólar frente ao real – diversos componentes de alta complexidade ainda são importados, apesar de a linha de montagem do Fiesta hatch ser nacional.

Os novos preços já estão no configurador da Ford. Curiosamente, a marca aboliu completamente qualquer referência ao câmbio automatizado de dupla embreagem Powershift – nos releases e nos sites, os modelos equipados com essa transmissão são definidos apenas como AT.

No mercado, o New Fiesta ocupa hoje a 37ª posição no ranking de emplacamentos da Fenabrave, à frente do seu principal concorrente entre os hatches compactos premium, o Peugeot 208, mas distante de outros rivais na mesma faixa de preço, como o Honda Fit.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Vale lembrar que de 2016 para 2017 a Ford transformou o SE em SEL, aumentando o preço em R$10.000. É o “L” mais caro da história automotiva. O atual SE é o antigo modelo S com motor 1.6. Ou seja: de um ano para o outro o modelo SE perdeu o assistente de partidas, controle de estabilidade, sync, ar digital, etc.

  2. Gabriel Medeiros

    Caro Daniel.
    1) O antigo SE custava antes ser descontinuado, 53.890. Logo a diferença para o SEL, de 58790, foi de 5 mil. Próximo do aumento médio sofrido por outros modelos nesta época. O SEL tb ganhou frente ao SE: banco traseiro bipartido, encosto de cabeça e cinto de 3 pontos para o ocupante do meio.
    2) O antigo modelo S 1.5 não possuía controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa e nem Sync. Ao ser nomeado para SE apenas manteve as características com o mesmo aumento de 5 mil, dessa vez justificado em parte pela adoção do motor 1.6 TiVCT.
    Não esqueça:
    2015 -> 2016
    S 1.5 -> SE 1.6
    SE 1.6 -> SEL 1.6

  3. Os Fiestas são demasiadamente caros pelo que oferecem: O espaço interno é ruim, o acabamento é ruim, e no caso dos automáticos, o câmbio é ruim e já virou mico. Ninguém quer mais estes carros com o PowerShift. É verdade que o carro é bom de dirigir, mas não justifica pagar caro só por isso. Sinto dizer que a Ford pode dar um desconto de 10 mil que ainda assim não vai vender bem. Mas para mim o ponto é: Porque a Ford esperou tanto para reagir? Ficou com o câmbio dando problema muito mais tempo do que devia, a ponto de criar uma imagem tão negativa que agora ninguém quer mais o carro. E ainda subia o preço a toda hora… São muito ruins de estratégia. E pelo jeito é coisa de brasileiro, porque quando acontece algo assim no mercado americano, eles reagem muito mais rápido..

  4. Gabriel Medeiros

    Discordo, Soy Jo. Veja, a realidade é que pelo preço de um SEL, oq vc leva na concorrência é um 208 1.2 de 84cv MT (que eu bato a cabeça no teto no banco de trás, oq não acontece nos outros), um Fox onde quase tudo é acrescido como opicional, um Punto 1.6 beberrão e com desempenho ruim ou um HB20 simples 1.6 AT (que valeria mais a pena ao meu ver). O FIT 1.5 basicão seria outra opção (mas já viu o interior dessa versão?) . Aliás, nenhuma das opções acima possui ESP, ATC ou Hill Holder, de serie no Fiesta.
    Não querendo defender o Fiesta, mas não por menos ele ganhou “Os Eleitos 2016” aqui da revista, com a melhor satisfação do usuário. Isso com câmbio ruim, imagina com o AT6.
    No país hoje, cenário de carros 0, não temos boas opções.

  5. Ford não faz questão nenhuma de vender Fiesta. Sem dúvida o Ka é o foco dela, carro que certamente tem uma excelente margem de lucro visto a qualidade geral do carro, parede que sai da mesma linha de montagem da Kombi.

  6. Assistencia Tecnica

    O valor do Fiesta tem que baixar mais, tive o Fiesta 1.6 se powershift, como a maioria, deu problema no câmbio várias vezes e a concessionária somente reprogamava, a pintura metálica é uma piada, era pegar a rodovia que aparecia vários buracos na pintura, melhor no verniz, deu problema no marcador de combustível, foi feito o pedido da peça é ela chegou depois de “um ano e meio”! Já tinha até vendido, esse carro não vale a metade do que é pedido.