Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Nacional e flex, Mercedes-Benz C 180 preserva virtudes e defeitos

Fabricado no Brasil, sedã adere à moda bicombustível sem mudanças na potência ou no visual

Por Vitor Matsubara Atualizado em 23 nov 2016, 21h29 - Publicado em 11 ago 2016, 15h44
Mercedes-Benz C 180 Avantgarde FF 1
Pode procurar: o C 180 flex é exatamente igual ao modelo anterior

Até alguns anos atrás, era inimaginável pensar que a Mercedes-Benz venderia um carro nacional bicombustível no Brasil. O tempo passou e a marca alemã não só iniciou a produção local do Classe C em Iracemápolis (SP) como adaptou o C 180 à tecnologia flex. Batizado de C 180 FF (de Flex Fuel), o sedã já está à venda por R$ 148.900 na versão de entrada. Avaliamos a versão C 180 Avantgarde, oferecida por R$ 162.900.

Mercedes-Benz C 180 Avantgarde FF 1
Versão intermediária é bem equipada, mas peca ao não trazer itens simples, como a câmera de ré

Assim como a maioria dos modelos da marca, o Classe C prima pela discrição. Não há nenhum logotipo na carroceria identificando a motorização flex. Talvez porque nem seja necessário: embora possa ser abastecido com etanol, o motor 1.6 turbo segue entregando os mesmos 156 cv e torque máximo de 25,5 mkgf de antes.

Segundo a Mercedes-Benz, os motores flex (que também equipam as versões de entrada das Classes A, B e CLA) foram desenvolvidos na Alemanha exclusivamente para o mercado brasileiro. Algumas mudanças foram realizadas pela equipe de engenheiros da marca, incluindo a adoção de uma bomba de combustível com maior vasão e proteção contra corrosão, cabeçote com anéis de assentamento das válvulas reforçados e adaptação da central eletrônica do motor (ECU) para E100 com sensor de qualidade do combustível, entre outras mudanças.

Continua após a publicidade

Mercedes-Benz C 180 Avantgarde FF (interior)
Interior é confortável e elegante; na foto, cabine da versão Exclusive, com detalhes imitando madeira

Apesar das alterações, a marca diz que “nenhum dos sistemas originais do veículo foram alterados para aplicação da tecnologia” – incluindo o seletor de modos de condução e o start-stop, cujo funcionamento é o mesmo independente do combustível escolhido, ao contrário do sistema do BMW 320i ActiveFlex, que opera apenas com gasolina.

Embora seja o mais fraco dos sedãs de entrada alemães (o 320i tem 184 cv e o A4 Attraction possui 190 cv), o C 180 não peca pela falta de fôlego. Pelo contrário: o torque de 25,5 mkgf disponível a partir de 1.200 rpm dá agilidade ao Mercedes nas acelerações. Suspensão e direção são calibradas priorizando o conforto em vez da esportividade, mas nem por isso são moles demais. Pelo contrário: o comportamento da direção é bastante preciso, agradando até quem gosta de uma condução mais esportiva.

Mercedes-Benz C 180 Avantgarde FF 3
Design é o mesmo desde 2012, mas (ainda) não sentiu os efeitos do tempo

Salvo pelo desempenho (e a possibilidade de escolher entre dois combustíveis), o C 180 é o mesmo desde 2014. O design ainda é atual (e continua chamando atenção nas ruas) e o nível de conforto a bordo é bastante satisfatório.

Entre as deficiências, a mais grave delas surge na lista de itens de série: mesmo sendo uma versão intermediária, não há sensor de estacionamento traseiro e câmera de ré nem sequer como opcionais, algo difícil de entender em um modelo premium. A falta de regulagens elétricas para ajustar distância e posição do banco do motorista também não combina com um modelo da estirpe de um Classe C. O espaço para as pernas no banco traseiro, que é apenas regular, é bastante prejudicado pela altura do túnel central, praticamente inviabilizando o transporte de um quinto passageiro.

Apesar das falhas pontuais, o C 180 é no geral um modelo bem equipado. São oferecidos de série itens como ar-condicionado digital bizona, sistema start-stop, seletor de modos de condução, sete airbags, controles de estabilidade e de tração, assistente de partida em rampas, central multimídia com GPS, Bluetooth, sensor de chuva, faróis full led e piloto automático.

Mercedes-Benz C 180 Avantgarde FF 2
Principais rivais do C 180 são Audi A4 e BMW Série 3

Mesmo com alguns deslizes, o C 180 segue sendo uma das compras mais indicadas para quem procura um sedã de luxo – e não se incomoda em pagar mais de R$ 160 mil por um veículo que nem é dos mais completos. Quem topar levará em troca um carro bom de dirigir, ágil e elegante em qualquer ocasião, como a grande maioria dos modelos Mercedes-Benz. E nem precisará se preocupar em ficar com um modelo desatualizado em mãos: afinal de contas, uma nova geração não deve estrear antes de 2018.

Ficha Técnica
Motor flex; diant.; longitud.; 4 cil.; 1.595 cm3; 16V; turbo; 156 cv a 5.300 rpm; 25,5 mkgf a 1.200 rpm
Câmbio Automático seq., 7 marchas, traseira
Direção elétrica; 2,7 voltas
Suspensão independente McPherson (diant.) / multilink (tras.)
Freios discos vent. (diant.) / discos sólidos (tras.)
Pneus 225/50 R17
Dimensões compr., 468,6 cm; altura, 144,2 cm; largura, 202 cm; entre-eixos, 284 cm; peso, 1.425 kg; tanque, 66 l 
Continua após a publicidade

Publicidade