Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Honda HR-V x Ford EcoSport

O Honda HR-V chega às lojas em março. Mas aqui ele já depara com o principal rival que terá que enfrentar no mercado. E o vencedor é...

Por Paulo Campo Grande Atualizado em 17 dez 2018, 15h51 - Publicado em 23 mar 2015, 12h42
comparativos

O Honda HR-V é o mais novo desafiante do Ford EcoSport, campeão do segmento de SUVs compactos desde seu lançamento, em 2003. O primeiro a tentar foi Renault Duster. Mas venceu apenas algumas lutas, quando o Eco estava para ganhar a segunda geração, que chegou às lojas em 2013. Depois veio o Chevrolet Tracker, que prometia um embate equilibrado, mas entrou no ringue já perdendo no preço. Importado do México, o Tracker chegou somente na versão topo de linha LTZ. Agora é a vez do HR-V.

O confronto não vai acontecer em todas as faixas de preço. Equipado com motor 1.8 e câmbio automático, o HR-V pega as versões 2.0 automáticas 4×2 do rival. A Honda não divulgou os preços do HR-V, mas disse que ele custaria de R$ 70 000 a R$ 90 000, em quatro versões. Como o Ford tem três versões 2.0 automáticas (SE, FreeStyle e Titanium), com preços de R$ 75 000 a R$ 86 800, a briga mais parelha deve ocorrer entre a Titanium do EcoSport e a EX do HR-V. Foram os conteúdos e preços dessas configurações que consideramos neste comparativo, embora as unidades fotografadas sejam respectivamente FreeStyle e EXL. As diferenças entre as versões desses modelos ocorre essencialmente nos equipamentos.

Assista o vídeo e conheça o HR-V em detalhes!

A disputa começou equilibrada. Analisando o visual, o EcoSport, lançado em 2013, revelou-se dono de um design tão atual quanto o do HR-V. Na pista de testes, os dois seguiram andando juntos. Nas provas de desempenho e de consumo, eles ficaram tecnicamente empatados. O HR-V se saiu melhor nas frenagens, no entanto. Vindo a 80 km/h, ele parou em 25,8 metros, enquanto o Eco fez o mesmo em 28,5 metros. Essa diferença pode ser atribuída ao fato de o Honda ter freio a disco nas quatro rodas, diante do sistema com discos na dianteira e tambores na traseira do Ford. Além disso, o HR-V tem pneus maiores (215/55 R17 contra os 206/60 R16 do Ford), que também contribuíram no desempenho nas frenagens.

No que diz respeito à segurança, o EcoSport recuperou terreno por oferecer seis airbags de série (frontais, laterais e de cortina) na versão Titanium, enquanto o HR-V vem com apenas dois frontais na EX. Dinamicamente, o câmbio automatizado de dupla embreagem ajudou o Eco a ter reações mais rápidas no trânsito. Mas o rival japonês foi mais habilidoso ao contornar curvas, graças à direção mais precisa e à suspensão mais firme.

O Ford levou vantagem nos itens de conforto, já que entrou na briga com a versão mais equipada de sua linha, mas faz parte do jogo, já que a comparação foi feita pelo preço. Ele traz ar-condicionado digital e bancos parcialmente revestidos de material que imita couro, enquanto no Honda esses equipamentos só estão disponíveis na configuração mais cara. Os dois SUVs contam com centrais multimídia, que se equivalem nos recursos, como conexão com sistemas de áudio e celulares – o Honda até tem um equipamento mais sofisticado, mas apenas na versão EXL, mais cara.

O HR-V atacou o rival em seu ponto mais fraco, que é o acabamento. O Honda exibiu peças milimetricamente encaixadas, materiais agradáveis à visão e ao tato e atenção aos detalhes, como na ocultação de parafusos. O Eco, ao contrário, revelou um painel de plástico áspero, com peças desalinhadas e parafusos aparentes. Detalhes que, no conjunto, fazem do HR-V um carro mais agradével e confortável.

Jovem e preparado

Mas não foi só aí que o japonês se sobressaiu: ele é mais espaçoso na largura da cabine e para os ocupantes do banco de trás, que não viajam com os joelhos apertados. Sem falar do porta-malas: 437 litros do Honda contra apenas 362 do Ford. Outro ponto forte é seu sistema de modularidade de bancos, mais versátil – afinal, ele é igual ao Fit nesse quesito. O banco traseiro do Eco é bipartido e rebatível, mas não embute no piso, como o do HR-V. Até o acesso à cabine do Honda é melhor. Enquanto a porta do EcoSport tem dobradiças simples, que exigem esforço para movimentar a porta pesda, o HR-V conta com um sistema que alivia o peso e controla a abertura em três estágios. Para finalizar, há ainda o primoroso serviço de pós-venda da Honda, uma das referências do mercado. Ao fim do confronto, a conclusão é que, apesar do bom retrospecto, o Eco perdeu porque enfrentou um atleta mais jovem e mais bem-preparado.

Honda HR-V

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO

O HR-V tem calibragens confortáveis, mas eficientes durante um modo de condução esportivo.

★★★★

MOTOR E CÂMBIO

A dupla garantiu um bom rendimento, à altura do rival. As trocas no volante ajudam nas horas em que o motorista busca desempenho.

★★★★

CARROCERIA

O acabamento da Honda é superior e a cabine do HR-V, maior que a do rival.

★★★★★VIDA A BORDO

O HR-V é bem-equipado e oferece boa ergonomia e modularidade dos bancos.

★★★★☆

SEGURANÇA

Tem dois airbags, ESP, alarme e assistente de partida em rampas.

★★★

Continua após a publicidade

SEU BOLSO

Sem preço oficial, HR-V terá um posicionamento ligeiramente acima do rival. O pós-venda da Honda é melhor.

★★★★

Ford EcoSport

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO

A suspensão não foi tão eficiente quanto a do rival. E nas provas de frenagem ele precisou de maior distância para parar.

★★★☆

MOTOR E CÂMBIO

O desempenho ficou dentro do esperado. O câmbio é esperto, mas as trocas manuais só são possíveis na alavanca do câmbio.

★★★★

CARROCERIA

O estilo é atual, mas o acabamento é descuidado.

★★★

Continua após a publicidade

VIDA A BORDO

Ele tem mais equipamentos que o rival, mas peca nos detalhes, como a porta pesada ou a maçaneta simples.

★★★★

SEGURANÇA

Tem seis airbags, ESP, alarme e assistente de partida em rampas.

★★★★SEU BOLSO

Tem três anos de garantia, como o concorrente, mas a rede autorizada da Ford é maior.

★★★☆

VEREDICTO

Como o Honda é mais caro, quem quer gastar R$ 85 000 tem de optar entre o HR-V intermediário (EX) e o EcoSport topo de linha (Titanium). Assim, o SUV japonês perde em equipamentos, mas vence por ser mais espaçoso e bem-acabado, além de ter interior modulável e um pós-venda campeão.

Confira a ficha técnica

Confira o teste comparativo

Continua após a publicidade

Publicidade