Clique e assine por apenas 8,90/mês

Ferrari California T

Esportivo evoca a mítica F40 e traz o motor turbo de volta à Ferrari

Por Stefan Grundhoff e Joaquim Oliveira - Atualizado em 8 nov 2016, 18h12 - Publicado em 11 set 2014, 23h47
impressoes

Motor turbo em uma Ferrari? Para alguns fãs da Casa di Maranello, isso pode soar como heresia. Mas, com as leis de emissão cada vez mais rígidas na Europa e nos EUA, pouco a pouco, os enormes motores aspirados vão saindo de cena, uma realidade que atinge mesmo os fabricantes artesanais de esportivos. A próxima vítima é a Ferrari, que está lançando a California T, o primeiro modelo turbinado desde os anos 80. O carro foi retocado não só visualmente mas também melhorado com um motor completamente novo. Este V8 de 560 cv faz quase tudo melhor do que o seu antecessor de 490 cv. Mais potência, um aumento tremendo de torque e um consumo claramente mais baixo fazem com que os ferraristas inveterados e os potenciais novos clientes se habituem facilmente à nova tecnologia e aos sinais dos tempos. Afinal, desde o lendário F40, um turbo não era montado em uma Ferrari de série.

Assim como os carros de F-1 deste ano, o som do motor é novo, bem mais baixo.Ainda assim, agrada aos ouvidos. “Na verdade, além da capacidade de resposta, o som do motor foi o ponto central do desenvolvimento”, explica Vittorio Dini, responsável pelo sistema de propulsão. Menor, o novo V8 possibilitou a montagem num ponto do cofre quatro centímetros mais próximo do solo, o que baixou o centro de gravidade do carro, melhorando, segundo a marca, tanto a dirigibilidade quanto a performance. Para ir de 0 a 100 km/h, a California T só precisa de 3,6 segundos. Se o pé continuar no acelerador, 7,6 segundos depois, você estará a 200 km/h. E tudo isso é feito de acordo com a nova ordem mundial de gastar a menor quantidade possível de combustível. De acordo com a Ferrari, a California T faz 10,5 km/l, o que representa uma melhora de 15% em relação à geração anterior – tomando por base os números obtidos no padrão europeu, de ciclo misto.

No interior, convivem em harmonia o couro de elevada qualidade e o alumínio. Este, aplicado sem economia, no console, no volante, nos pedais e ainda nas duas enormes borboletas atrás do volante, para troca de marchas.

O esportivo permite optar por dois pequenos bancos traseiros (onde só devemos colocar crianças que tenham se comportado mal) ou por um porta-malas com capacidade de 340 litros (240 quando a capota se encontra aberta). É um equipamento simples, mas que confere à California uma funcionalidade inusitada para uma Ferrari.

Continua após a publicidade

Mas, ao contrário da maioria dos concorrentes, o recolhimento elétrico da capota só pode ser acionado com o carro parado. A própria Maserati – marca irmã da Ferrari, também pertencente à Fiat – equipa o luxuoso conversível Grancabrio com um dispositivo que permite a ativação a até 30 km/h.

Ainda no que diz respeito a equipamentos, há que se fazer uma referência à ausência de acionamento elétrico para a tampa do porta-malas – o Mercedes SL 63 AMG tem -, de chave presencial para acesso ao carro e de bancos climatizados. Todas faltas inaceitáveis em um carro que custa mais de 200 000 euros, na Europa.

Em movimento, a nova California é um carro melhor e, sobretudo, mais esportivo do que a antiga. Não chega a atacar curvas com voracidade de uma 458, mas oferece boa proporção de esportividade. Os progressos dinâmicos são resultado de um pacote de novidades que incluem uma inédita e 10% mais rápida caixa de direção e suspensões recalibradas com molas 11% mais rígidas e amortecedores Magnaride com ação até 50% mais rápida. Há ainda sensores de aceleração (longitudinal e lateral) para reduzir a inclinação da carroceria em frenagens, acelerações e contorno de curvas. Outra contribuição para um comportamento mais eficaz é dado pela nova geração de sistemas de controle de estabilidade e tração, que tornam a California T mais eficaz em curvas.

Novos mercados

Continua após a publicidade

Não é de admirar que a California tenha se tornado a Ferrari mais bem-sucedida de todos os tempos. “Cerca de 70% dos compradores são clientes que adquirem uma Ferrari pela primeira vez, o que deixa clara a nossa chegada a nichos até então distantes de nós”, diz Nicola Boarini, diretor de produto. Ou seja, a marca passa a olhar com muito mais atenção para o seu modelo de entrada, agora mais eficiente – na dinâmica e no mercado.

Com velocidade máxima de 316 km/h e 76,9 mkgf de torque, o conversível tem bom desenvolvimento de potência. O motor de 3.9 litros gira a até 7 500 rpm (muito para uma unidade sobrealimentada), o que explica a sonoridade agradável.

Mas realmente diferente na personalidade da California é a predisposição para deixar os ocupantes colados ao banco. Mérito do V8 turbo capaz de oferecer 77 mkgf de torque a apenas 2 750 rpm. Para controlar o galope dos 560 cv nas acelerações mais vigorosas, é preciso rédeas firmes. Entenda-as como as duas enormes aletas de trocas de marcha, perfeitas para orquestrar o câmbio até em saídas de curva, quando o volante ainda está virado. O volante está longe de ser complexo como o de um F-1. Mas há nítidos pontos de contato entre ambos, como a chave seletora do controle de estabilidade.

No fim das contas, quem disse que o turbo não honra a tradição da Ferrari? Que o diga a F40 – e agora, a California.

Continua após a publicidade

VEREDICTO

Mais do que uma simples nostalgia, a nova California tem tudo para, no futuro, ser conhecida como a precursora da era turbo das Ferrari de rua.

Publicidade