Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Bentley Flying Spur: classe econômica

Sedã de quem gosta de acelerar ou viajar atrás, o modelo está 20% mais barato. Mas seu V8 ficou com "apenas" 507 cv

Por Joaquim Oliveira Atualizado em 23 nov 2016, 18h21 - Publicado em 24 fev 2015, 18h35
Bentley Flying Spur
Em vez do motor W12 de 625, este Spur traz um V8 4.0 turbo

A Bentley nunca vendeu tanto carro e ganhou tanto dinheiro. É o fruto de uma estratégia de crescimento que trabalha agora em duas frentes: a entrada no lucrativo segmento dos SUVs, prevista para 2017, e a conquista de novos mercados. É nesse contexto que surge o Flying Spur V8, que tem como um dos principais focos a China. Vale lembrar que a nova geração do Spur, lançada no fim de 2013, queria ser mais que apenas a versão quatro portas do Continental. Veio com design ligeiramente diferente, um ou outro item exclusivo para o banco de trás e motor W12 6.0 turbo de 625 cv.

Bentley Flying Spur
São 5,3 metros de comprimento – 93 cm mais longo que um Honda Civic

Agora estreia a versão V8 4.0 turbo de 507 cv (que já equipa o Continental), mas usando a mesma transmissão de oito marchas com tração integral. “A ideia é abrir as portas da marca a clientes que nunca nos consideraram, principalmente ex-donos de Mercedes Classe S AMG, que estão prontos para dar um passo importante na escada da exclusividade”, diz Paul Jones, diretor de desenvolvimento do Spur. Por fora, a versão V8 se distingue da W12 pela cor vermelha do logotipo Bentley no capô e na traseira e pelos escapes com a forma de um 8 deitado.

Bentley Flying Spur
O motor V8 de 4 litros produz seu torque máximo de 67,3 mkgf a apenas 1.700 rpm

Na refinada cabine, tudo remete ao requinte de sempre da marca inglesa: as poltronas dianteiras de couro são amplas, com farto apoio lateral e diversos mimos, como massagem e refrigeração. O acabamento interno é impressionante, com fartura de couro e madeira nobre. Pena que alguns detalhes destoem, como as borboletas do câmbio, de plástico tosco e um pouco afastadas do aro do volante. Ou os comandos de iluminação e do computador de bordo, escondidos atrás da direção e feitos de um plástico que não é digno de um sedã desse preço – ele custa na Europa 220 000 euros, enquanto no Brasil a versão W12 está tabelada em R$ 1.549.000.

Bentley Flying Spur
Quando não está indo ao trabalho no banco de trás, é aqui que o dono do Flying Spur gosta de ficar

Champanhe gelada

Atrás, a altura disponível para a cabeça é generosa, assim como o espaço para as pernas, podendo o comprador optar pela configuração de dois bancos individuais (nesse caso, ele ganha um grande console central cheio de comandos) ou um assento inteiriço de três lugares. São inúmeras as possibilidades de configurações decorativas da cabine, que permitem escolher os revestimentos, a cor e suas combinações e o tipo de costura. Há até uma opção em que o interior pode contar com 10 metros de madeira natural.

Continua após a publicidade
Bentley Flying Spur
Banco traseiro pode ser inteiriço ou dividido em dois assentos individuais

A tela de 8 polegadas, na qual se controlam a navegação e o áudio, possui acabamento sofisticado, mas fica devendo na rapidez – o software que faz a rota do GPS se mostrou bem lento no teste. Mas bacana mesmo é o novo controle portátil criado para quem vai atrás. Ele permite mexer no ar-condicionado e no som, com direito a fones de ouvido próprios e monitores de 10 polegadas embutidos nos encostos de cabeça à frente.

Bentley Flying Spur
Atrás do apoio de cabeça, tela de 10 polegadas

Não é de espantar que haja tanta mordomia lá atrás, já que o dono de um Bentley muitas vezes viaja nesse banco conduzido por seu chofer. Por isso, há ainda a opção de um refrigerador de champanhe e cortinas com acionamento elétrico.

Bentley Flying Spur
Bancos têm ajuste de ventilação

Já para quem deseja assumir o volante, é importante saber que, mesmo pesando 120 kg mais que o Continental V8 e sendo 50 cm maior, o Flying Spur alcança um desempenho intimidador: atinge 295 km/h e leva só 5,2 segundos para ir de 0 a 100 km/h, notável para um sedã de 5,3 metros e 2,4 toneladas. Seu câmbio automático de oito marchas é muito suave, faz as trocas de modo bem rápido e é auxiliado pela exuberância do seu torque em giros tão baixos – são 67,3 mkgf a apenas 1 700 rpm. A tração 4×4 trabalha em condição normal com 60% da força na traseira, mas pode variar de 65% no eixo da frente até 85% atrás. Isso ajuda a manter esse colosso controlado nas curvas, que, se forem feitas rápido demais, tendem a deixar o carro sair de frente, mas sempre de modo progressivo e fácil de reverter, como mostrou nosso test-drive entre Londres e Ascott, na Inglaterra.

Bentley Flying Spur
Duas instituições inglesas: Bentley e ônibus de dois andares

Na viagem, a suspensão se manteve quase imperturbável nas poucas irregularidades do piso, mérito dos amortecedores de dureza variável (em quatro níveis) – nem o ajuste mais rígido causa desconforto, ainda que em estradas malconservadas. Afinal, nada pode afetar a tranquilidade do milionário dono de um Bentley que vai ao trabalho todos os dias repousado em sua majestosa poltrona traseira.

Bentley Flying Spur
Na suspensão, a rigidez pode ser ajustada pela central multimídia

VEREDICTO

O Flying Spur V8 perdeu 118 cv e alguns itens de luxo, mas ficou 55 000 euros mais barato e manteve o design da versão topo de linha. Não é que foi uma troca justa?

FICHA TÉCNICA
Motor dianteiro, longitudinal, V8, 32V, turbo, injeção direta
Cilindrada 3 993 cm3
Diâmetro x curso 84,5 x 89,0 mm
Taxa de compressão 9,3:1
Potência 507 cv a 6 000 rpm
Torque 67,3 mkgf a 1 700 rpm
Câmbio automático, 8 marchas, tração 4×4
Dimensões comprimento, 529,9 cm; largura, 192,4 cm; altura, 148,8 cm; entre-eixos, 306,6 cm
Peso 2 425 kg
Porta-malas/caçamba 475 litros
Tanque 90 litros
Suspensão dianteira triângulos sobrepostos
Suspensão traseira multilink com amortecimento eletrônico variável
Freios discos ventilados
Direção hidráulica
Pneus 275/45 R19
0 a 100 km/h 5,2 s
Velocidade máxima 295 km/h
Continua após a publicidade
Publicidade