Clique e assine com até 75% de desconto

Andamos no motorhome de R$ 560.000 que é uma minimansão sobre rodas

Montado sobre um chassi de Mercedes Sprinter, o Santo Inácio 7.5 SI tem tudo para acomodar uma família em uma viagem sem data para voltar

Por Paulo Campo Grande 27 fev 2020, 18h00
Ao volante de um motorhome você pode viajar sem se preocupar com as reservas do hotel Fernando Pires/Quatro Rodas

Quem nunca sonhou em pegar um carro e sair por aí viajando pelo Brasil afora, sem compromisso com horários e destinos rígidos? Eu já. E tenho certeza de que não estou sozinho.

Nesta reportagem, em que minha missão era dirigir um motorhome, eu tive uma amostra de como pode ser uma aventura assim.

Durante um fim de semana viajei pela região da Serra Gaúcha, visitando as cidades que surgiam no caminho: Gramado, Canela e Bento Gonçalves.

No total, foram cerca de 500 km, com direito a paradas para fazer as fotos que você vê agora, conhecer as atrações das cidades e experimentar a culinária local.

Um modelo como o Santo Inácio 7.5 SI acomoda cinco pessoas a bordo Fernando Pires/Quatro Rodas

O modelo que dirigi foi o Santo Inácio 7.5 SI, que é produzido pela Santo Inácio Motorhomes, empresa de Gramado, sobre o chassi da Mercedes-Benz Sprinter 515 (modelo 2019).

Seu motor é um 2.2 turbodiesel de 146 cv e 33, 6 mkgf acoplado a um câmbio manual de seis marchas. A tração é traseira, com rodado duplo.

Compartimento sobre a cabine é um nicho onde há uma cama de casal Fernando Pires/Quatro Rodas

Antes de deixar a garagem da fábrica, eu e o fotógrafo Fernando Pires, que me acompanhou nessa aventura, tivemos uma aula sobre as características do Santo Inácio.

No que diz respeito ao veículo, o 7.5 SI não sofreu mudanças técnicas em relação à Sprinter original. Nem mesmo na direção, na suspensão e nos freios, sistemas já dimensionados para suportar o peso do motorhome.

Bancos dianteiros giram e são integrados ao ambiente da casa Fernando Pires/Quatro Rodas

Na cabine, as únicas novidades da versão avaliada em relação à Sprinter são a central multimídia (oferecida como opcional), com GPS, TV, DVD e compatível com os sistemas Apple CarPlay e Android Auto, e uma tela de 7” que faz as vezes do retrovisor interno com imagens de uma câmera instalada na traseira do veículo.

No painel, do lado esquerdo do motorista, ficam os comandos dos sistemas de alívio das águas servidas das pias e do sanitário e uma chave geral da parte elétrica.

Dormitório tem um cama ampla e armários embutidos ao redor Fernando Pires/Quatro Rodas

Um dia inteiro ao volante

Deixei o estacionamento da Santo Inácio preocupado em me acostumar com as dimensões do carro. O 7.5 SI é grande. Bem maior que os automóveis que estou acostumado a dirigir.

Parte da carroceria pode ser deslocada para ampliar o espaço da sala de estar Fernando Pires/Quatro Rodas

A Santo Inácio nomeia os motorhomes de acordo com o comprimento. O 7.5, por exemplo, mede 7,5 metros (mais precisamente, 756,8 cm, que é a medida da Sprinter com chassi longo).

Na largura, a parte da casa é ligeiramente maior que a da cabine. São 265 cm contra 199 cm. E, na altura, a diferença em relação à Sprinter chega a 86,5 cm, totalizando 3,25 cm, em razão do compartimento que existe sobre a cabine (onde existe uma cama de casal).

Para quem dirige automóveis no dia a dia, o mais importante quando se assume o volante de um veículo com essas dimensões é lembrar do comprimento longo do veículo na hora de fazer curvas, conversões e mudanças de faixa.

A cozinha tem equipamentos especialmente projetados para motorholmes Fernando Pires/Quatro Rodas

Minha adaptação, porém, foi rápida. O SI tem grandes espelhos laterais que ajudam muito o motorista a visualizar a área ao redor, assim como a câmera traseira.

Legalmente, qualquer pessoa com Carteira Nacional de Habilitação da categoria B, que é a mais comum, pode dirigir um motorhome como o 7.5 SI.

O Código de Trânsito Brasileiro autoriza os motoristas da categoria B a conduzir veículos com lotação de até oito passageiros além do motorista e com peso bruto de até 6.000 kg (no caso de trailers e motorhomes). O SI tem peso bruto total de 5.000 kg.

No banheiro, a pia é rebatível. Sanitário tem tratamento químico. E o toalheiro é elétrico Fernando Pires/Quatro Rodas

Nos primeiros quilômetros ao volante do 7.5 SI, estranhei a suspensão, que me pareceu macia demais, permitindo a carroceria balançar ao sabor dos estímulos do piso.

Com o tempo, no entanto, me acostumei e o conjunto acabou se revelando bem acertado, assegurando conforto e segurança. A direção é firme, mas sem exigir esforço demasiado do motorista. E os freios atuaram com eficiência e equilíbrio.

O motor correspondeu às minhas expectativas na maior parte do tempo.

Na estrada, o 7.5 SI responde bem, rodando em velocidades constantes em torno de 90 km/h. Nas subidas mais íngremes, ele perde força, mas isso não foi suficiente para tirar meu prazer ao volante.

Ducha fica dentro de um compartimento com porta vedada Fernando Pires/Quatro Rodas

Como um menino com seu brinquedo novo, no primeiro dia da viagem, dirigi de manhã cedo até anoitecer.

Passei por diferentes lugares como a Catedral de Pedra, construção em estilo gótico em Canela, e o Palácio dos Festivais, onde acontece o Festival de Cinema de Gramado.

Cama sobre a cabine tem tamanho suficiente para um casal Fernando Pires/Quatro Rodas

As fotos que você vê aqui foram tiradas no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves.

Portas e gavetas travadas

Fixamos base no Camping Parque do Sesi, em Canela. Escolher um lugar seguro para estacionar e passar a noite foi a primeira lição que aprendi procurando informações sobre o tema na internet.

Continua após a publicidade
Santo Inácio é desenvolvido sobre o chassi da Mercedes Sprinter Fernando Pires/Quatro Rodas

Visitando sites e fóruns de donos de trailers e motorhomes, vi que (a menos que você vá para um lugar deserto) é importante reservar o camping com antecedência para não correr o risco de não ter onde ficar, já que, além da segurança, não são todas as cidades que liberam estacionamento nas ruas.

Outro cuidado importante em relação ao camping é saber as condições das estradas por onde você pretende passar, uma vez que a tentação de ir a lugares inexplorados, onde ninguém esteve antes, é grande.

Fernando Pires/Quatro Rodas

À noite, no camping, chegou a hora de pôr em prática o que havíamos aprendido sobre o funcionamento da casa.

Para fins didáticos, essa parte pode ser dividida em dois blocos: a área de convivência e a operacional. Internamente não faltam equipamentos comuns a uma residência como fogão, geladeira, micro-ondas, TV (com antena Sky) e ar-condicionado.

No banheiro, o vaso recebe tratamento químico. A pia tem água quente e o toalheiro é elétrico. A ducha fica em compartimento à parte. E por todo lado há armários embutidos.

Todos os dispositivos são adaptados. As torneiras, por exemplo, são retráteis. Portas e gavetas têm travas que impedem a abertura involuntária e, internamente, há presilhas para fixar objetos (como copos, por exemplo) para que não se desloquem com o movimento do veículo.

A cabine é igual à da Sprinter. Mas a central multimídia foi instalada pela transformadora Fernando Pires/Quatro Rodas

Na parede que separa a cabine da Sprinter da casa, há um painel de controle com as principais funções do motorhome.

Ele permite visualizar, por exemplo, a quantidade de água potável disponível no reservatório da casa e a reserva de energia nas baterias que alimentam o sistema quando ele está desconectado da rede externa.

Além disso, o painel reúne os botões para acionar equipamentos como o das sapatas hidráulicas, que servem para apoiar e nivelar o motorhome quando estacionado, e também o de movimentação do módulo expansível da sala de estar.

Do lado de fora,um toldo cria um ambiente externo. Não falta equipamentos de cozinha e nem tv Fernando Pires/Quatro Rodas

Esse módulo é como se fosse uma varanda móvel que pode ser projetada 60 cm para fora da carroceria, ampliando o espaço interno em 1,3 m2.

Os sistemas operacionais, que envolvem as redes de água, esgoto, gás e energia elétrica, ficam localizados na área que seria o porão da casa e podem ser alcançados por diferentes portas ao redor do motorhome.

Em um dos nichos fica o que se poderia chamar de caixa de força, com um conversor/inversor de energia. Em outro, há uma bomba hidráulica para o abastecimento de água. Há também um espaço para o aquecedor da água e outro para o botijão de gás.

Em volta do motorhome, onde seria o porão da casa, fica a parte operacional Fernando Pires/Quatro Rodas

Na traseira, existe uma área maior, que serve como despensa, onde há uma máquina lava e seca e uma churrasqueira a gás e diversos equipamentos como mangueiras e cabos elétricos para ligação às redes dos campings.

O 7.5 SI dispõe ainda de equipamentos para quem quer passar alguns dias em locais sem a infraestrutura de um camping, como gerador, placas solares fotovoltaicas e bocal para captação de água de fora da rede de distribuição.

No nosso caso, tudo estava à mão. A poucos metros do local de estacionamento, havia uma torneira e também uma tomada. Bastou conectar uma mangueira à torneira e um cabo de força à tomada e pronto: nos sentimos em casa.

O 7.5 SI tem recursos que permitem visitar lugares sem a infraestrutura típica das áreas de camping Fernando Pires/Quatro Rodas

 

 

Você pode alugar

Na configuração que aparece nas fotos, o 7.5 SI tem tudo para acomodar uma pequena família. Além dos equipamentos e duas camas de casal, ele tem cinco bancos com cintos de segurança, sendo dois na cabine e três no banco da sala de estar.

A Santo Inácio oferece uma linha de seis modelos, sendo quatro derivados do chassi da Sprinter e dois do chassi do Iveco Daily 70C17.

Os preços variam de acordo com o chassi escolhido e também da configuração do motorhome, o que inclui layout interno e equipamentos.

Na traseira, no alto, há uma câmera que projeta imagens em uma tela que substitui o retrovisor interno Fernando Pires/Quatro Rodas

Segundo a fábrica, há mais de 80 opções de plantas no catálogo. Um modelo como o 7.5 SI mostrado aqui custa R$ 560.000 já incluindo chassi, equipamentos, projeto e montagem do motorhome.

Se você também sonha com as estradas e gostou do que viu aqui, mas não pensa em comprar um motorhome, ou pelo menos gostaria de ter uma experiência como a nossa antes de optar pela compra, existe a possibilidade de alugar um.

No mercado há algumas empresas que oferecem modelos de diferentes tamanhos e funcionalidades.

Consultamos duas empresas: My Home (myhomesobrerodasoficial.com.br), de Campinas (SP), e Pura Vida (motorhomespuravida.com), de Curitiba (PR), e nas duas encontramos tarifas com preços variáveis em razão do total de diárias.

No Brasil e no exterior, existem empresas especializadas na locação de motorhomes Fernando Pires/Quatro Rodas

Em um pacote de três diárias, por exemplo, o preço é de R$ 698/dia na My Home e R$ 680 na Pura Vida. Mas, se a locação for de 28 dias, os valores caem respectivamente para R$ 460 e R$ 510.

Nos dois casos, os modelos têm capacidade para quatro pessoas (dois adultos e duas crianças) e há também limites de quilometragem por período, sendo permitido viajar para além dos limites do território nacional, incluindo países vizinhos (Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile). Para quem tem espírito aventureiro, a viagem vale a pena.

Ficha Técnica

Preço: R$ 560.000
Motor: diesel, dianteiro, transversal, 4 cilindros, 16V, turbo, intercooler, 2.143 cm³, 146 cv a 3.800 rpm, 33,6 mkgf a 1.200 rpm.
Câmbio: manual de 6 marchas, tração traseira
Suspensão: duplo A (diant.), eixo de torção (tras.)
Freio: disco ventilado (diant.), sólido (tras.)
Direção: hidráulica
Rodas & pneus: aço, 205/75 R16
Dimensões: comprimento, 758 cm; largura, 265 cm; altura, 325 cm; entre-eixos, 432,5 cm; peso bruto total 5.000 kg; tanque de combustível, 75 l.
Desempenho: velocidade máxima, 140 km/h; consumo, 10 km/l (média)
Itens de série: ESP, airbag para motorista, vidros elétricos, faróis de neblina e rádio-CD com MP3

Continua após a publicidade
Publicidade