Clique e assine por apenas 8,90/mês

Um mar de etanol

Empresa cria biocombustível a partir de algas marinhas

Por André Paixão - Atualizado em 9 nov 2016, 12h11 - Publicado em 20 dez 2012, 17h30
geral

Se depender dos pesquisadores, não vai demorar até que os carros possam ser abastecidos com etanol proveniente de algas marinhas. Pesquisas com algas para a obtenção de combustível começaram no início da década de 70 nos Estados Unidos, no auge da crise do petróleo. Porém, os resultados não foram convincentes e os estudos foram engavetados.

No início dos anos 2000, o assunto foi retomado e os resultados, enfim, apareceram. Hoje, universidades americanas já possuem laboratórios capazes de produzir biodiesel com as plantas. Por aqui, empresas foram mais longe e descobriram uma forma inédita de fazer etanol de origem marinha.

“É possível produzir dois produtos a partir das cianobactérias. Para a produção de etanol, as algas são geneticamente modificadas. Com isso, conseguimos extrair uma mistura de água com cerca de 20% de etanol. Depois, é só destilar”, afirma Rafael Bianchini, diretor da filial brasileira da sueca SAT.

A empresa de pesquisa sueca, em parceria com a usineira pernambucana JB, desenvolve a primeira “fazenda” para fabricar diesel e etanol em grande escala a partir das algas. A primeira fase da usina tem inauguração prevista para o fim de 2013, e na área de 1 hectare será possível produzir até 1,2 milhão de litros de biodiesel por ano. Com a segunda etapa finalizada, em 2014, mais 1 hectare e 2,2 milhões de litros de bioetanol serão produzidos todos os anos.

Continua após a publicidade

Segundo Bianchini, a fabricação de etanol com algas é até 300 vezes mais eficiente que a do álcool convencional. Mesmo assim, a intenção não é competir. “São dois processos complementares. Utilizamos o CO2 da queima da cana como fonte para as algas realizarem a fotossíntese”, diz ele.

Enquanto o biodiesel apresenta coloração verde, o etanol de algas é destilado e ganha a mesma tonalidade do produto da cana. As duas empresas pretendem homologar o produto na ANP e comercializá-lo por preço equivalente ao do etanol já utilizado.

Publicidade