Top Ten: casamentos automotivos desfeitos

Eles acharam que seria para sempre, mas...

Edifício da Autolatina A Autolatina foi formada em 1987 pela união entre VW e Ford no Brasil, mas só durou nove anos

A Autolatina foi formada em 1987 pela união entre VW e Ford no Brasil, mas só durou nove anos  (Bia Parreiras/Quatro Rodas)

No início do ano, Ferrari e Fiat (hoje parte do grupo FCA, junto com a Chrysler) oficialmente tornaram-se empresas separadas, encerrando um relacionamento umbilical que já durava quase 50 anos. Mas esse não foi o primeiro divórcio na história da indústria automotiva – pelo contrário.

 

1. VW e Ford

Volkswagen Logus Volkswagen Logus

Volkswagen Logus  (/)

Ao se casarem no Brasil em 1987, iam poupar recursos e maximizar resultados. Só que a Ford ficou com dinheiro, mas sem carro próprio e a VW, sem independência. O choque entre as culturas das matrizes americana (Ford) e alemã (VW) também deu o que falar. Largaram-se em 1996, dando antes à luz carros como o VW Logus, irmão do Ford Escort.

 

2. Maserati e Citroën

Citroen XM Citroën XM

Citroën XM  (/)

Foi um golpe do baú: a Citroën estava de olho no filho que teria com a Maserati e comprou a italiana em 1968 para usar seu V6 sob o capô do Citroën SM, em 1970. Mas a crise do petróleo quebrou a francesa, que foi obrigada a vender a Maserati e se juntar à Peugeot, formando a PSA, que dura até hoje.

3. Ford e Mazda

Mazda 3 Mazda 3

Mazda 3  (/)

Em 1979, a Mazda enfrentou dificuldades e a Ford comprou 7% de suas ações. Na crise asiática dos anos 90, o percentual americano subiu para 33,4%. Vieram os filhos, como o Mazda3, até chegar a crise mundial de 2008 e a Ford deixar a parceira.

 

4. Renault e Volvo

Volvo 900 Volvo 900

Volvo 900  (/)

Desde 1971, elas se ajudavam. Em 1990, viram que podiam unir forças e trocaram ações. Daí sairiam os substitutos de Volvo 900 (foto) e Renault Safrane, mas investidores Volvo foram contra e eles se despediram ainda no altar, em 1994.

 

5. Chrysler e Simca

Simca Esplanada Simca Esplanada

Simca Esplanada  (/)

Nos anos 60, a Chrysler queria morar na Europa, mas para isso precisaria casar com uma local. Escolheu a Simca. Era fachada: logo a americana dominou tudo e expulsou a francesa de casa. Em 1977, a Chrysler Europa faliu. No Brasil, a Simca saiu de cena dez anos antes, sobrando só o Esplanada.

 

6. Mercedes e Chrysler

Chrysler Crossfire Chrysler Crossfire

Chrysler Crossfire  (/)

O CEO Bob Eaton deixou a Chrysler atrativa. Jürgen Schrempp, da Daimler, cobiçou a americana. Em 1998, fizeram um “casamento de iguais”. Mas o alemão era genioso e a americana, independente. Os filhos, como o Chrysler Crossfire (um esportivo feito sobre a base do Mercedes SLK), não queriam sair de casa. Separaram-se em 2007.

 

7. BMW e Land Rover

Land Rover Defender Land Rover Defender

Land Rover Defender  (/)

A BMW adquiriu um harém em 1994, o Rover Group, com Mini, Rover, Austin e Land Rover. Mas a alemã só queria a Mini. Com o harém desfeito, a Land Rover, famosa pelo Defender, foi vendida à Ford, em 2000. Mas nem isso durou muito: oito anos depois, a marca seria comprada pela indiana Tata Motors, junto com a Jaguar.

 

8. GM e Suzuki

Suzuki Fun Suzuki Fun

Suzuki Fun  (/)

Em 1981, a GM comprou 5,3% da Suzuki. Foi chegando sorrateira até abocanhar 20% em 2000. A Suzuki deu à GM o Grand Vitara, que virou Tracker, e recebeu o Celta, que virou Suzuki Fun. Sem dinheiro, em 2008 a GM reduziu sua participação a 3%. Os japoneses começaram a namorar o grupo VW, que cogitou adquirir 20% da empresa, mas o relacionamento acabou não dando liga.

 

9. Ford e Volvo

Volvo C30 Volvo C30

Volvo C30  (/)

Em 1999, a Ford (sempre ela) comprou a Volvo. Mas a sueca se viu num casamento poligâmico, com Aston, Jaguar e Land Rover. Nasceram filhos como o caçula C30, parente próximo do Focus (e do Mazda 3 citado lá em cima), mas a Ford desfez a festa por causa do crise de 2008 e entregou-a à chinesa Geely.

 

10. GM e Fiat

Fiat Stilo Fiat Stilo

Fiat Stilo  (/)

O noivado foi em 2000, com alianças na forma de 20% de ações da Fiat por 5,1% da GM. Mas brigaram e, em 2004, a americana pagou à Fiat 1 bilhão de dólares de indenização. Só restaram as lembranças, como o motor 1.8 GM nos Fiat, como o Stilo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s