Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Seguro popular deverá custar 30% menos que o convencional

Nova modalidade usará peças usadas ou seminovas em reparos. Objetivo é atender a veículos com mais de cinco anos de uso

Por Isadora Carvalho Atualizado em 3 Maio 2021, 12h06 - Publicado em 5 Maio 2016, 11h56

Acidente de trânsito na Avenida dos Bandeirantes Acidente de trânsito na Avenida dos Bandeirantes

Atualmente, 70% da frota nacional roda sem seguro, segundo a Susep (Superintendência de Seguros Privados). Para a entidade, é um número alto demais. E isso motivou a regulamentação de uma nova modalidade de seguro, batizada de Seguro Auto Popular.

Leia mais:

>> Como gastar menos com o seguro do carro

>> O seguro é alto? Avalie se ele pode ser dispensado

>> Seguro sob medida: há apólices para diferentes tipos de público

Essa apólice pode ser até 30% mais barata que a convencional e tem como principal diferença a utilização de peças seminovas e usadas no reparo dos carros assegurados que venham a sofrer algum tipo de sinistro. O maior foco são os veículos com mais de 5 anos de uso, mas a proteção pode ser contratada para modelos de qualquer idade, inclusive os zero-km. “Com a aprovação da Lei do Desmanche, em 2014, foi possível desenvolver uma modalidade em que as seguradoras possam usar peças recicladas no conserto dos veículos”, diz Roberto Westenberger, superintendente da Susep.

Continua após a publicidade

O executivo salienta que componentes relacionados aos itens de segurança devem ser novos, como freios e amortecedores. As normas dizem ainda que o segurado também poderá optar, em caso de danos parciais, entre a utilização de oficinas da rede credenciada ou por livre escolha.

“Como o custo de reposição de uma peça é parte importante na composição do preço do seguro do carro, o seguro popular pode apresentar valores até 30% menores do que nas coberturas tradicionais”, diz Mauricio Antunes, diretor de marketing da Bidu Corretora.

O superintendente da Porto Seguro, Fabio Frasson, acredita que a resolução precisará de ajustes para atender melhor o mercado. “As peças de reuso homologadas são insuficientes para reparar os veículos. Seria necessário permitir o uso de componentes novos não originais e importados”. afirma.

As seguradoras ainda estão em processo de adequação à nova resolução para lançar essa modalidade de seguro. Por ora, nenhuma empresa comercializa os planos populares.

Continua após a publicidade

Publicidade