Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Relembre seis episódios marcantes do GP do México de F-1

Categoria volta ao Autódromo Hermanos Rodriguez após 23 anos; país viu ‘’carona’’ de Piquet, acidente de Senna e primeiro pódio de Schumi

Por Vitor Matsubara
Atualizado em 9 nov 2016, 14h44 - Publicado em 30 out 2015, 14h48
geral

O México está de volta à Fórmula 1. Famoso por se localizar a 2.300 metros acima do nível do mar, o Autódromo Hermanos Rodriguez foi completamente reformado para receber a principal categoria do automobilismo mundial, que não aportava por lá desde 1992.

Antes de 2015, o México recebeu a F-1 em dois ciclos. O primeiro se iniciou em 1963, tendo como vencedor Jim Clark, e terminou em 1970, por conta de falhas na organização. O país só retornaria ao calendário em 1986, quando testemunhou a primeira vitória de Gerhard Berger e uma cena insólita envolvendo Nelson Piquet. Relembre abaixo seis fatos marcantes das etapas mexicanas.

Desorganização tira país da F-1 (1970)

Continua após a publicidade

Pedro Rodriguez foi o responsável por atrair um grande público ao circuito mexicano, que fechou o campeonato de 1970. Ainda abalada pelas mortes precoces de Bruce McLaren e Jochen Rindt (já campeão póstumo daquela temporada), a F-1 ameaçou cancelar a prova por falta de segurança, uma vez que havia espectadores por todos os lados – inclusive em áreas perigosas, como próximo aos guard-rails. A desorganização se tornou mais evidente quando um cachorro entrou na pista e foi atropelado por Jackie Stewart. A gota d’água para a FIA aconteceu depois de a multidão invadir o autódromo com o sexto lugar de Rodriguez. Alegando falta de organização, a entidade máxima do automobilismo retirou o evento do calendário da F-1, que só retornaria ao “circo” 16 anos depois.

Carona do Piquet na volta ao calendário (1986)

A etapa de 1986 poderia ter entrado para a história por dois motivos: o retorno do México ao calendário da F-1 ou a primeira vitória de Gerhard Berger na categoria. Mas uma cena inusitada protagonizada por Nelson Piquet roubou a cena. Quarto colocado na prova, o brasileiro deu carona a três colegas após a bandeirada final. E foi assim que Stefan Johansson, Philippe Alliot, e René Arnoux voltaram aos boxes se equilibrando na Williams.

Continua após a publicidade

Única vitória brasileira no México (1989)

O Brasil subiu ao lugar mais alto do pódio uma única vez em solo mexicano. Foi em 1989, quando o então campeão mundial Ayrton Senna vinha de duas vitórias consecutivas naquela temporada, conquistadas em San Marino e Mônaco. Largando da pole-position, Senna rapidamente abriu vantagem para seu arquirrival Alain Prost, que não conseguiu acompanhar o ritmo do brasileiro por conta de um erro na escolha dos pneus. A vitória alçou Ayrton à liderança após a etapa mexicana, mas Prost daria o troco no fim do campeonato, conquistando seu terceiro título mundial.

Continua após a publicidade

Senna abandona e Mansell faz ultrapassagem insana sobre Berger (1990)

Embora fosse o vencedor do GP do México de 1990, Alain Prost não foi o personagem principal daquela corrida. Este papel coube a Nigel Mansell, que travou um duelo eletrizante com Gerhard Berger na parte final da prova. O austríaco havia largado na pole-position, mas logo foi superado por Ayrton Senna, que largara da terceira posição. O brasileiro dominava a corrida quando um furo no pneu traseiro de sua McLaren o forçou a abandonar faltando nove voltas para o fim. Enquanto Prost protagonizava uma recuperação incrível, saltando da 13ª posição para a vitória, Mansell se sustentava no segundo lugar, mas via Berger se aproximar perigosamente. A briga parecia decidida quando Gerhard ganhou a posição a três voltas do fim, mas o “Leão” (apelido dado ao inglês pelos fãs) não desistiu e pegou o vácuo de Berger antes de entrar na saudosa curva Peraltada – que no novo traçado não existe mais. O piloto da McLaren até tentou dificultar a vida de Mansell, mas o britânico não se intimidou e fez uma linda manobra por fora, ganhando definitivamente a segunda posição.

Continua após a publicidade

Acidente de Senna (1991)

Habilidoso como poucos, Senna raramente se envolvia em acidentes. Mas a batida na prova de 1991 foi tão forte que até o próprio piloto se assustou. Durante a primeira sessão de treinos livres na sexta-feira, Ayrton perdeu o controle de sua McLaren na Peraltada, bateu contra a barreira de pneus e capotou na caixa de brita. “Entrei rapidíssimo na curva, o carro tocou numa ondulação e, como estava reduzindo de sexta para quinta marcha, só tinha a mão esquerda no volante. Não pude controlar a situação. Voei, rodei e capotei”, contou. Senna foi levado ao hospital para ser examinado. E lá confessou. “Foram minutos de terror. Eu estava preso entre as ferragens da McLaren de cabeça para baixo. Sentia pânico só de lembrar que a gasolina derramada nas minhas costas poderia pegar fogo. Eu estava espremido, não havia espaço para me mexer e tinha dificuldades para respirar”.

Continua após a publicidade

Primeiro pódio de Schumacher (1992)

O último GP do México foi especial. A Williams estava no auge de seu domínio com os carros “de outro planeta” pilotados por Riccardo Patrese e Nigel Mansell, que no GP mexicano de 1992 conquistou a vitória sem ser importunado, seguido por seu companheiro de time. Senna havia ultrapassado três rivais logo após a largada, mas abandonou já na 11ª volta com problemas no câmbio. Pouco depois um jovem alemão assumiria a terceira posição, subindo pela primeira vez ao pódio. Seu nome? Michael Schumacher.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.