QUATRO RODAS de junho: andamos no Ford Territory, futuro rival do Compass

Também testamos o novo VW Jetta GLI, conhecemos o Embraer KC-390 (maior veículo feito no Brasil) e preparamos um especial para PCD

Edição 722 da QUATRO RODAS

Edição 722 da QUATRO RODAS (Arte/Quatro Rodas)

O que fazer quando sabemos que um dos lançamentos mais importantes para tirar a Ford do buraco no Brasil nos próximos anos, o Territory, é um veículo que só está disponível para ser dirigido na China?

Vamos até lá, claro! Esta foi nossa grande missão na edição de junho de QUATRO RODAS: ir até Guangzhou, “pequena” cidade de 15 milhões de habitantes no sul do gigante asiático, para sacar qual é a do SUV médio que chegará no fim de 2020 para peitar o Jeep Compass.

Lá, pudemos conferir se a receita chinesa do Territory, herdada do projeto local Yusheng S330, servirá para colocar a Ford na briga pela liderança do segmento mais visado do momento no mercado brasileiro. O resultado está na página 22.

 (Arte/Quatro Rodas)

Outra novidade bastante aguardada é o Volkswagen Jetta GLi, versão esportiva do sedã. Ela usará o mesmo motor 2.0 turbo de 230 cv do Golf GTi, mas com algumas diferenças importantes para o hatch. Contamos quais são elas na pág. 38.

Quer mais? Colocamos frente a frente Mitsubishi L200 Triton Sport, Nissan Frontier e Volkswagen Amarok em um comparativo de picapes médias cabine dupla com motor diesel e tração 4×4. Qual a novidade nisso?

É que dessa vez as versões avaliadas não foram as de topo, mas sim as de entrada, com foco total no uso em frotas. Qual delas se mostrará mais disposta para o trabalho? A resposta está na página 44.

Confira outros destaques da edição deste mês:

Renault Kwid Outsider – Parece só maquiagem, mas já traz novidades que chegarão ao restante da linha

Ford Edge ST – Ele promete ser mais rápido e acomodar toda a família. Será que convence?

McLaren Senna – Levamos o superesportivo para conhecer a pista que eternizou o campeão de F1

Honda HR-V 1.5 Turbo – Barato ele não é. Mas ganhou desempenho e equipamentos para justificar

Embraer KC-390 – Conhecemos o maior veículo feito no Brasil. E ele tem bem mais que quatro rodas

Superoficinas – Conheça as mecânicas que cuidam dos melhores esportivos e carros de luxo

Longa duraçãoContamos o que os sistemas multimídia de nossa frota têm de melhor e de pior

Placas clonadas – Aprenda a evitar essa fraude – ou a se livrar dela, caso você não tenha sorte

E MAIS: Viva-voz, Via Expressa, Clássicos, Auto-serviço, Ranking de Testes, Jeremy Clarkson e Top Ten.

Carta ao leitor

A mulher de César

O pessoal da redação já não aguenta mais me ouvir repetindo a mesma frase a todo momento. “A QUATRO RODAS é como a mulher de César: não basta ser honesta, precisa parecer honesta.”

Quando se vive de fazer comparativos, a reputação de credibilidade é construída unindo forma e conteúdo: o resultado deve ser imparcial e justo, mas também precisa parecer imparcial e justo aos olhos do leitor.

A razão do comentário vem do comparativo de 12 SUVs publicado na edição de maio. Sucesso de público incontestável, ele foi o recordista de comentários dos últimos anos. E, como acontece em qualquer teste de carros, sempre há leitores que enxergam favorecimento quando discordam da conclusão.

E a partir daí surgem as teorias conspiratórias para “provar” que prejudicamos este ou aquele modelo: temos preferência por determinado fabricante, temos birra com outros ou somos comprados pelos demais. Imagine, então, quando avaliamos 12 modelos de uma só vez.

 (Arte/Quatro Rodas)

O mais comum é alguém escrever antes de ler a matéria inteira, tamanha sua indignação. Um deles reclamou, por exemplo, que não chamamos o Vitara. Expliquei que a reportagem dizia claramente que a Suzuki não tinha uma unidade para ceder – entende por que sempre fazemos questão de justificar o motivo de um concorrente ficar de fora?

Teve quem sentisse falta de outros modelos, sem se atentar que estavam fora do critério de convocação, no caso SUVs automáticos até R$ 95.000. É por isso que você também sempre vai achar nos nossos textos os parâmetros usados para recrutar os competidores, como no teste das picapes de entrada desta edição (pág. 44).

O mais comum é o velho argumento das vendas. “Como pode um carro que vende tão bem não ter vencido? Só vocês sabem das coisas?”

Geralmente funciona quando explicamos que o mercado é mais influenciado por design, fama da marca, tamanho da rede e preferências pessoais do que por critérios técnicos e objetivos. Sem dizer que quem escolhe um modelo nunca teve a oportunidade de avaliar todos os rivais ao mesmo tempo.

Conclusão: em um comparativo de 12 veículos, você deixa feliz o fã de uma marca e conquista a ira dos outros 11. É mais ou menos como no meme da foto acima, que circulou recentemente em grupos de WhatsApp. Mas aí não tem jeito: é sentar e responder cada dúvida com calma.

Sabe o que é gratificante no fim de tudo isso? Os leitores ficam surpresos ao serem ouvidos, entendem os argumentos e todos voltamos a ser amigos. Bem, até o próximo comparativo, claro…

Zeca Chaves
Redator-chefe
zeca.chaves@abril.com.br

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s