Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Por R$ 30 milhões, Bugatti Divo promete fazer o Chiron comer poeira

Após dois anos de desenvolvimento, hiperesportivo com detalhes artesanais enfim ganha vida, mas só 40 compradores terão um desses na garagem

Por Leonardo Felix Atualizado em 22 abr 2020, 17h17 - Publicado em 22 abr 2020, 16h56
Bugatti Divo é um Chiron com algumas mudanças de desenho Divulgação/Bugatti

Dois anos depois de apresentar o projeto ao público, a Bugatti enfim anunciou que as 40 unidades do Divo, hiperesportivo de caráter artesanal criado em cima do Chiron, enfim começarão a ser entregues.

Mas não se anime muito. Além do valor inacessível para reles mortais – 5 milhões de euros ou quase R$ 30 milhões na conversão direta -, todos os exemplares já têm um comprador esperando para guardá-los na garagem.

Por quase o dobro do preço de um Chiron, o Divo promete entregar uma carroceria (monocoque em fibra de carbono) 35 kg mais leve e aerodinamicamente mais refinada (até 90 kg a mais de pressão), além de maior agilidade no contorno de curvas.

Divo é bem mais ágil que o Chiron em curvas, mas velocidade máxima é menor Divulgação/Bugatti

Para tanto, os engenheiros equiparam o Divo com dutos, spoilers e tomadas de ar frontais maiores, a fim de aprimorar a passagem do ar.

Traseira traz grade feita por impressão 3D e conjunto com 44 leds Divulgação/Bugatti

Outros recortes ao longo da carroceria permitiram melhorias na refrigeração de freios e motor, ao mesmo tempo em que jogam ar aquecido para preservar a temperatura dos pneus em níveis mais altos.

O aerofólio traseiro com 1,83 m de largura ajuda a manter o balanço traseiro “no chão”. Além disso, houve ajustes na cambagem das rodas, na passagem do ar pelo teto e na rigidez das molas.

Continua após a publicidade
Barbatana sobre o cofre do motor aprimora o fluxo rumo ao aerofólio traseiro e tem até um medidor de temperatura do ar Divulgação/Bugatti

O motor é o mesmo W16 8.0 de 1.500 cv e 163,15 kgfm do Chiron. Porém, com as alterações o Divo vai de 0 a 100 km/h em 2,4 segundos, 0,1 s a menos que o irmão.

Em especial, vira até 8 segundos mais rápido por volta na pista de Nardò, Itália, cujo traçado forma um círculo perfeito com 12,6 km de extensão. Isto porque o Divo tem aceleração lateral 1,6 g superior à do Chiron.

O nome Divo é uma homenagem ao piloto francês Albert Divo, vencedor de diversas competições automobilísticas no fim dos anos 20 correndo pela Bugatti Divulgação/Bugatti

Há um porém: sua velocidade máxima é limitada eletronicamente em 380 km/h, contra 420 km/h do irmão.

Outra curiosidade é que sua grade traseira é toda construída com peças de impressão 3D, incluindo 44 filetes independentes de led com efeito tridimensional para as luzes de sinalização.

Cabine é praticamente a mesma, com pequenas alterações Divulgação/Bugatti

O interior, feito a mão, é formado por novas opções de revestimento dos bancos, volante parcialmente coberto de alcantara e borboletas mais largas para troca das sete marchas do câmbio automatizado de dupla embreagem.

A tração é integral.

  • Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de abril da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Continua após a publicidade
    Publicidade