Clique e assine com até 75% de desconto

Novo VW Golf com GNV de fábrica tem motor 1.5 turbo e quatro tanques

Nova versão do Golf europeu usará mesmo motor do Audi A3 e Skoda Octavia para queimar GNV e biometano

Por Eduardo Passos Atualizado em 26 out 2020, 17h57 - Publicado em 26 out 2020, 12h16
O novo Volkswagen Golf TGI também usa gasolina, mas só em caso de emergência Divulgação/Volkswagen

Embora tenha dito que abandonará, em breve, o uso de GNV nos seus carros, a Volkswagen anunciou que seu novo Golf terá propulsão a gás natural.

A oitava geração do modelo, em sua versão TGI, aproveitará o trem de força utilizado em outras fabricantes do Grupo VW, como a Skoda e a Audi, e será compatível simultaneamente com gasolina, biometano e GNV.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 5,90

De acordo com a Volkswagen, que apresentou maiores detalhes sobre o Golf TGI da sede em Wolfsburg, Alemanha, a versão terá motor 1.5 de quatro cilindros e o cada vez mais comum ciclo de combustão Miller.

Frente ao popular ciclo Otto, que possui os ciclos de admissão, compressão, combustão e escape, o Miller alonga o tempo aberto das válvulas de admissão até o começo da etapa de compressão, diminuindo assim a resistência dos pistões ao movimento.

Essa resistência menor é especialmente útil para combustíveis com menor poder calorífico, como o GNV e o biometano. Para compensar essa perda de potência, entretanto, o Golf contará com um turbocompressor, aliado à alta taxa de compressão de 12.5:1 ideal para o gás.

Continua após a publicidade

O motor 1.5 TGI do Golf é o mesmo utilizado nos novos Audi A3 G-Tron e Skoda Octavia G-Tec, e entrega 131 cv de potência e cerca de 20,4 kgfm de torque – exatamente o mesmo do 1.0 TSI do Polo.

O Golf TGI com destaque para seu motor 1.5 e os três cilindros de combustível Divulgação/Volkswagen

Ainda que a Volkswagen tenha focado no econômico e cada vez mais popular gás natural, o Golf contará com um pequeno tanque de gasolina com 9 litros de capacidade. A intenção, segundo a montadora, é expandir emergencialmente a autonomia de 400 km dos três cilindros de gás que somam 115 litros de armazenamento.

A propulsão a GNV promete emissões de CO2 até 25% menores em comparação à a gasolina, de acordo com a VW. Especificamente no Golf TGI, isso significa resíduos na faixa de 111 a 117 gramas de CO2/km. Além disso, os gases de escape contêm emissões de nitrogênio significativamente mais baixas.

O Volkswagen Golf TGI estará disponível nos mercados europeus na versão tradicional de cinco portas e na perua Golf Variant. Não há previsão para lançamento do modelo no Brasil.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade