Grandes Brasileiros: Ford Belina II

Fácil de manter, o segredo do consumo estava na aerodinâmica

Ford Belina II Belina II, versão GL: linhas retas e angulosas

Belina II, versão GL: linhas retas e angulosas  (/)

Única perua da Ford na década de 70, a linha Belina recebeu um banho de atualidade em 1978, quando passou a ser denominada Belina II: ela incorporava as principais alterações da linha Corcel, com linhas retas e angulosas capazes de disfarçar um projeto prestes a completar dez anos. A bem da verdade, a Belina II mantinha a robustez e economia de sua antecessora, em um pacote mais funcional e atraente.

Sua grande área envidraçada permitia ótima visibilidade e o porta-malas (até o teto) chegava a 768 litros, só 6 litros menor que o da rival Chevrolet Caravan. Reforços estruturais deixavam o monobloco mais seguro e a lista de itens de segurança incluía pneus radiais, para-brisa laminado e coluna de direção retrátil. Um dos segredos do baixo consumo estava na aerodinâmica: suas linhas foram desenvolvidas em túnel de vento, diminuindo o coeficiente de arrasto.

Ford Belina II Colunas finas e grande área envidraçada

Colunas finas e grande área envidraçada  (/)

Ela continuou sendo explorada nos anos seguintes, com defletores que diminuiam a turbulência sobre diversos componentes mecânicos. Uma ventoinha com embreagem eletromagnética automática, oferecida como opcional, ajudava a poupar preciosos 4 cv. As versões eram a L, mais simples, e a LDO, luxuosa, mas o acabamento era esmerado em ambas, com materiais de qualidade e arremates bem feitos. Também comum era a aeração interna de grande vazão, que renovava o ar ambiente de forma constante, evitando a sonolência do motorista.

Ford Belina II Mesmo sem assistência hidráulica, a direção da Belina era leve e precisa

Mesmo sem assistência hidráulica, a direção da Belina era leve e precisa  (/)

A suspensão entregava a idade do projeto, com braços sobrepostos na dianteira e eixo rígido na traseira. O rodar era macio, tipicamente americano, e o comportamento no limite da aderência era subesterçante, de fácil correção. Mesmo sem assistência, a direção da perua era leve e precisa e as frenagens de emergência não provocavam desvios de trajetória. Idealizada para ser econômica, espaçosa e confortável, era difícil encontrar alguma esportividade na Belina II. O excelente isolamento acústico suprimia o som do pequeno motor 1.4, capaz de percorrer mais de 12 km com apenas 1 litro de gasolina.

Ford Belina II O motor 1.4 andava pouco, mas era bem econômico

O motor 1.4 andava pouco, mas era bem econômico  (/)

O desempenho não impressionava: máxima de 133,8 km/h e 21,5 segundos para atingir 100 km/h. No ano seguinte, surgiu o 1.6, com carburador de corpo duplo e ignição eletrônica. O aumento no consumo era desprezível, mas ganhava-se 10 km/h na velocidade final e o 0 a 100 km/h levava 18 segundos. Depois veio o câmbio de cinco marchas, que a colocava num patamar superior ao da VW Variant II e mais atraente que as Caravan mais simples. O tanque de 63 litros garantia autonomia de 750 km, indispensável numa época de postos fechados.


Ford Belina II Interior era bem-acabado, uma característica dos Ford da época

Interior era bem-acabado, uma característica dos Ford da época  (/)


Ford Belina II Porta-malas amplo carregava 768 litros (até o teto)

Porta-malas amplo carregava 768 litros (até o teto)  (/)

A Belina II perdeu o reinado só em 1982, quando nasceu a Parati, menor, mais ágil e potente. Nem a versão a álcool foi capaz de resistir ao apelo jovem da perua da VW. A Belina ainda recebeu discretas melhorias em 1984, nas versões L e GL. O motor passou a ser o CHT do Escort, com câmaras de combustão de alta turbulência para melhor desempenho e consumo, que chegava aos 13 km/l. É desse ano a Belina II das fotos, que pertence ao engenheiro Luis Vital Vianna. Filho de um ex-empregado da Ford, Vianna acompanha o histórico do carro desde zero- quilômetro: “Meu pai trabalhou na Ford de 1970 a 1986 e essa Belina foi comprada por um colega dele em 1983.Veio para a família em 1999 e foi restaurada aos poucos até 2011. Agora só falta o rádio Philco original”, diz ele, orgulhoso de sua Belina.

 

 

TESTE

Aceleração 0 a 100km/h: 18,25 s

Velocidade maxima: 148,15 km/h

Frenagem 80km/h a 0: 32,82 m

Consumo: 10,1 km/l (médio), 8,2 km/l (cidade) e 12,05 km/l (estrada, vazio)

 

PREÇO

Novembro de 1985: Cr$ 69 180 000

Atualizado: R$ 63 200 (INPC, iBGE)

>> Veja o teste do carro na edição de setembro de 1985 da QUATRO RODAS

 

FICHA TÉCNICA
Motor longitudinal, 4 cilindros em linha, 1 555 cm3, carburador de corpo duplo
Diâmetro x curso 76,9 x 83,5 mm
Taxa de compressão 12.1:1
Potência 73 cv (ABNT) a 5 200 rpm
Torque 11,9 mkgf a 3 600 rpm
Câmbio manual de 5 marchas, tração dianteira
Dimensões comprimento, 452 cm; largura, 166 cm; altura, 135 cm; entre-eixos, 243,8 cm
Peso 1046 kg
Suspensão dianteira independente, braços triangulares inferiores e superiores simples, molas helicoidais.
Suspensão traseira eixo rígido, barra estabilizadora, molas helicoidais
Freios disco nas rodas dianteiras e tambor nas traseiras, com servofreio
Pneus 185/70 SR 13 radiais
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s