Grandes Brasileiros: DKW Caiçara

O modelo é o retrato de uma época em que o carro ainda era um bem de consumo restrito a um público exclusivo

DKW Caiçara A versão depenada da Vemaguet nasceu em 1962

A versão depenada da Vemaguet nasceu em 1962  (/)

O conceito do carro pé de boi, depenado de equipamentos, surgiu em 1965. Com a crise que assolava o Brasil, o governo resolveu reduzir impostos e criar um financiamento de 90% do carro. As montadoras responderam com versões despojadas de seus modelos de maior sucesso: assim surgiram Volkswagen Pé de Boi (que viraria sinônimo do segmento), Willys Teimoso, Simca Profissional e DKW Pracinha.

Mas poucos sabem que, três anos antes, a Vemag já havia investido nessa ideia, com o objetivo de ampliar seu mercado. A Pracinha, uma versão simplificada da perua Vemaguet, nada mais era que a reedição da Caiçara, tentativa fracassada de popularizar o utilitário alemão considerado o primeiro automóvel nacional.

Custando cerca de 40% menos que a Vemaguet, a Caiçara havia sido apresentada em 1962, eliminando tudo o que fosse considerado supérfluo: a carroceria não ostentava frisos e os cromados se limitavam a espelho retrovisor, maçanetas e aros dos faróis. Contorno da grade, para-choques e rodas eram da cor do carro, ou seja, bege ou azul-claro. As calotas pretas pareciam sobras de estoque: eram as mesmas que equiparam os DKW até 1960.

DKW Caiçara Para custar 40% menos, a solução foi adotar calotas pretas e quase nada de itens de série

Para custar 40% menos, a solução foi adotar calotas pretas e quase nada de itens de série  (/)

O interior tinha uma simplicidade própria: o estofamento vermelho contrastava com o volante preto, o quebra-sol era só para o motorista, o porta-luvas perdia a fechadura com chave e não havia sinal do rádio.

Só as portas recebiam forração: as laterais dos passageiros de trás e o porta-malas permaneciam expostos. Mas, enquanto a Vemaguet trazia uma luxuosa porta traseira bipartida, a da Caiçara era inteiriça, com sistema lateral de abertura.

DKW Caiçara O rádio da foto é acessório da época

O rádio da foto é acessório da época  (/)

Apesar do aspecto franciscano, ela mantinha as virtudes da Vemaguet: o motor de dois tempos e três cilindros tinha apenas oito peças móveis (virabrequim, eixo da hélice do radiador três pistões e três bielas), o suficiente para levar seis adultos e sua bagagem.

O câmbio manual de quatro marchas era sincronizado e seu comportamento dinâmico, notável, graças à tração dianteira e à suspensão independente nas quatro rodas. Numa pesquisa de satisfação dos proprietários publicada na QUATRO RODAS em maio de 1963, a Caiçara obteve nota superior à da Vemaguet.

Os acessórios acabavam sendo adquiridos nas concessionárias: tapetes (de borracha ou juta) para o interior e porta-malas, luz de cortesia, vidros traseiros corrediços, porta-luvas e bocal de combustível com chave e, para finalizar, uma boa dose de cromados em frisos, calotas e parachoques.

DKW Caiçara Antes bipartida, a tampa traseira era única e abria para o lado

Antes bipartida, a tampa traseira era única e abria para o lado  (/)

A maioria das Caiçara foi descaracterizada por esses banhos de loja, tornando ainda mais difícil encontrar atualmente um exemplar em seu estado original.

É o caso deste modelo 1962, que pertence a um colecionador paulista, entusiasta dos DKW: “A Caiçara é tão rara que para requerer a placa preta foi preciso encaminhar documentação histórica ao Denatran, para comprovar que o modelo existiu. Só após meses de espera foi criado um código específico para a versão”.

De fato, a ideia de popularizar um bem de consumo que ainda era símbolo de status não deu certo: apenas 1.173 Caiçara foram produzidas até 1964. Beneficiada pela linha de crédito estatal, a Pracinha teve melhor sorte mais tarde, provando que o conceito pioneiro da Vemag estava alguns anos à frente de seu tempo.

Ficha técnica – DKW Caiçara 1962
Motor longitudinal, 3 cilindros em linha, 980 cm3, dois tempos, alimentação por carburador de corpo simples;
Potência 44 cv a 4.250 rpm
Torque 8 mkgf a 2.800 rpm
Câmbio manual de 4 marchas, tração dianteira
Dimensões comprimento, 425 cm; largura, 164 cm; altura, 149 cm; entre-eixos, 245 cm;
Peso 950 kg
Pneus 5,60 x 15, diagonais
Preço (maio de 1962) Cr$ 1.019.500
Preço (atualizado IGP-DI) R$ 103.215
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s