Futuro do pretérito: primeiro carro autônomo do mundo completa 50 anos

Criado pela Continental, primeiro autônomo usava dispositivos eletromecânicos e cabo de aço para andar sozinho

O sistema da Continental foi instalado em um Mercedes 250 Automatic

O sistema da Continental foi instalado em um Mercedes 250 Automatic (Continental/Divulgação)

Carro autônomo ainda parece coisa futurista mas as tentativas de transformar os motoristas em passageiros é antiga.

Nos anos de 1930, americanos como o empresário John J. Linch (1892-1962) faziam shows pelo país com automóveis rádio controlados, que ficaram conhecidos como “Phanton Auto” ou “Magic Car”. Esses carros aceleravam, freavam, faziam curvas e buzinavam sem qualquer pessoa a bordo.

Antenas nos para-choques enviavam dados para a torre de controle da pista

Antenas nos para-choques enviavam dados para a torre de controle da pista (Continental/Divulgação)

Eles não eram autônomos porque havia um operador remoto, mas já eram considerados uma alternativa de transporte seguro, com os comandos deixados a cargo de especialistas, longe de motoristas incautos.

Há cinquenta anos, mais exatamente em 1968, a alemã Continental foi pioneira no uso de um veículo autônomo com o objetivo de estudar o comportamento dos pneus de forma científica em condições reais de uso.

A direção era controlada por um dispositivo eletro-mecânico

A direção era controlada por um dispositivo eletro-mecânico (Continental/Divulgação)

O sistema da Continental foi desenvolvido pelas empresas Siemens e Westinghouse em parceria com duas universidades (Munique e Darmstadt) e instalado em um Mercedes 250 Automatic.

O sedã era capaz de acelerar, frear e controlar a direção de forma independente graças a dispositivos eletromecânicos (ou eletropneumáticos no caso dos freios) que acionavam esses sistemas.

A eletrônica embarcada foi instalada no porta-malas do sedã

A eletrônica embarcada foi instalada no porta-malas do sedã (Continental/Divulgação)

A direção não era como as modernas que contam com sensores de orientação na carroceria, no volante e de leitura das faixas de rodagem.

Da sala de comando, um engenheiro monitorava o carro em teste

Da sala de comando, um engenheiro monitorava o carro em teste (Continental/Divulgação)

O carro se orientava por meio de um cabo de aço esticado no piso da pista, desenhando a trajetória que deveria ser obedecida.

No para-choque dianteiro, antenas de rádio enviavam os dados colhidos para a torre de comando da pista. E câmeras instaladas na parte inferior e voltadas para os pneus gravavam o que acontecia com a borracha.

O objetivo era avaliar com critérios científicos os pneus em condições de uso real

O objetivo era avaliar com critérios científicos os pneus em condições de uso real (Continental/Divulgação)

O Mercedes autônomo foi usado pela Continental no desenvolvimento de pneus até 1974.

Atualmente, os carros que circulam pelas ruas do planeta já possuem algumas habilidades autônomas. Mas, estima-se que os veículos totalmente autônomos cheguem às ruas somente por volta de 2030.

Até lá, os carros ganharão autonomia em etapas. Segundo classificação estabelecida pela SAE Internacional (Sociedade de Engenheiros da Mobilidade), a independência dos motoristas vai obedecer cinco fases.

Antes de serem totalmente autônomos, os carros necessitarão de acompanhamento humano

Antes de serem totalmente autônomos, os carros necessitarão de acompanhamento humano (Divulgação/Internet)

Na primeira fase, o motorista tem total controle da situação contando apenas com a assistência de sistemas que auxiliam nas acelerações e nas frenagens. Um exemplo desse tipo de sistema é o piloto automático.

Na fase seguinte, dispositivos são capazes de assumir algumas tarefas, com correções de trajetória. E assim por diante.

Com exceção da quinta e última etapa, todas as demais exigem a presença do motorista ainda que seja apenas para observar o funcionamento do carro e com capacidade de fazer alguma intervenção se necessário.

Cruise AV Na falta de comandos, autônomo da GM tem parafernália eletrônica sofisticada

Na falta de comandos, autônomo da GM tem parafernália eletrônica sofisticada (Divulgação/Chevrolet)

Assim como nos carros acionados por controle remoto, os autônomos de hoje são vistos pela indústria como a solução para acabar com os acidentes de trânsito.

Captando informações do ambiente (vias, pedestres, ciclistas) e de outros veículos os sistemas inteligentes serão capazes de promover mobilidade com total segurança.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s